• (35) 2105-5555
  • csul@correiodosul.com
  • Rua Marcelino Rezende, 26 - Parque Catanduvas

Hora do Empreendedor com Ibraim Gustavo – A derrota não pode ser um fator decisivo para o empreendedor desanimar

Se falamos que o medo de errar não pode ser um impeditivo para você empreender e, quem sabe, alcançar sucesso, agora é hora de falarmos que a derrota não pode te desanimar, porque ela não pode te enfraquecer.

A popular frase “o que não mata, engorda”, na verdade, tem origem nos pensamentos de um dos mais respeitados filósofos do século 19, Friedrich Nietzsche.

A sua atitude diante da derrota deve ser diferente

O escritor, poeta e filósofo alemão traz, com essa frase, uma análise das dificuldades que o homem enfrenta ao longo de toda a sua vida, e a que todos estão sujeitos, sendo o sofrimento uma característica humana.

O que ele defende, porém, é o posicionamento que cada um de nós tem diante das dificuldades. Enquanto alguns entendem as derrotas como um estado definitivo, outros tentam se reerguer e compreender que, se algo for alterado, talvez ainda haja esperança.

Semelhantemente, outro escritor, o economista e comentarista brasileiro Ricardo Amorim, afirma que “a vitória alegra, mas enfraquece; a derrota entristece, mas fortalece”.

Sem mantermo-nos no campo filosófico ou abstrato, o que Nietzsche e Amorim querem dizer é que, caso você tenha uma resposta negativa do mercado, de investidores e do público, você não precisa desistir, mas ouvir o que eles têm a dizer e tentar compreender.

Pode ser que no momento, e do jeito que está proposto, o seu produto ou o seu serviço não agradem. Mas isso não significa derrota definitiva. Sendo resiliente, você pode trabalhar para alterar o que você oferece e, dessa forma, tentar mais uma vez conquistar o público.

Não desista mesmo com uma derrota na conta

Finalmente, o que todos defendem é que uma negativa não é sinônimo de falência, nem que você está fadado à derrota definitiva, ou predestinado ao esquecimento.

Você deve alterar a forma como reage aos infortúnios, ser corajoso para seguir lutando por aquilo que você acredita, e acima de tudo, ser humilde para reconhecer os erros e tentar mudar.

Sua postura diante de um cenário crítico deve ser de reposicionamento, não desistência. Poucos, muito poucos estarão com você no início. A maioria, talvez, tente fazê-lo desistir, desacreditando do seu sonho, da sua luta e das suas estratégias.

Empreender não é fácil, nem nunca foi. Não há fórmulas mágicas nem ferramentas solucionadoras de problemas e dificuldades. Apenas o trabalho incessante e árduo pode te gerar frutos promissores, e nem eles são garantia de sucesso.

Ibraim Gustavo – Jornalista, pós-graduado em Marketing (UNIP) e MBA em Comunicação e Mídia (UNIP). É também escritor, redator e radialista, e possui formação em Profissões do Futuro (plataforma O Futuro das Coisas), e no programa Restartse (plataforma StartSe).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.