• (35) 2105-5555
  • csul@correiodosul.com
  • Rua Marcelino Rezende, 26 - Parque Catanduvas

Geada deixa prejuízos em 11,5 mil hectares em Varginha, segundo Epamig-MG

Devido as geadas fortes na região, cultura do café é fortemente afetada e preços dos legumes sofrem alta.

Redação CSul / Foto destaque: Tiago Rezende

A Emater-MG de Varginha emitiu levantamento apontando as áreas do município afetadas pelas fortes geadas dos últimos dias. Lavouras e plantações foram prejudicadas devido à intensidade do frio, cafeicultores e agricultores de Varginha e região já estudam alternativas para driblar os prejuízos que já chegam aos consumidores.

Conforme o documento, 2,432 hectares da área de café foram danificados (uma área total de 9.728 ha), além de 9.084 hectares de pastagem formada (total 9.084 ha, ou seja, 100%), 10 hectares destinados a fruticultura – laranja (total de 10 ha, ou seja, também em 100%) e 16 hectares de olericultura (total de 16 ha, 100%), ao todo uma área de 11.542 hectares foi afetada no município.

Ainda de acordo com o levantamento, as comunidades que registraram os prejuízos foram: Paradinha, Walita, Tachos, Posses, Mascatinho, Pedra Negra, Martins, Pitangui, Vista Alegre, Salto, Buenos, Aeroporto e Ribeirão Santana, estas são áreas cafeeiras. Áreas destinadas as hortaliças também foram prejudicadas, são elas a Flora e Vargem.

Segundo a Emater-MG de Varginha, da área atingida, o documento apontou que, das localidade cafeeiras prejudicadas, 20% teve grau de severidade baixo, 30% médio e 50% alto. Enquanto a área de Floricultura, teve 100% da área atingida apontada como grau de severidade baixa. Enquanto a Olericultura 90% baixo, 05% médio e 05% alto. Por fim a Pastagem Formada, registrou 30% baixo, 30% médio e 50% alto.

Cultura do café é fortemente afetada

Cafeicultores de Varginha e região seguem contabilizando os prejuízos deixados pelas geadas da última semana. Na região, os estragos foram os piores dos últimos 27 anos. Nas lavouras, a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) estima que até 30% da área pode ter sofrido danos – há casos, inclusive, de 70% da produção queimada. Para 2022, a expectativa é que sejam produzidas 4 milhões de sacas de café a menos na região sul-mineira

Conforme a Federação da Agricultura e Pecuária de Minas Gerais, as regiões mais afetadas foram o Sul de Minas, Mogiana e o Cerrado Mineiro. Com o clima mais propício, Minas Gerais é um dos principais produtores de café do país e do mundo.

Legumes têm alta

Devido ao frio intenso acompanhado por geadas, a produção de hortaliças, legumes e verduras é diretamente afetada. Os consumidores já sentem no bolso, os efeitos da última geada.

No Sul de Minas, muitos destes alimentos já sofreram alta, um deles é o tomate. O item básico presente no prato do brasileiro, encerrou a última semana em Poços de Caldas, no valor de R$70 a caixa.

Além do tomate, a abobrinha e berinjela também tiveram aumento de 100%, o pepino caipira também não ficou de fora, com uma elevação de 128,6%. No município, a cenoura fechou a semana custando R$ 40 a caixa.

*Com informações EPAMIG-MG

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.