Meditação do Sermão da Soledade marca Quarta-feira Santa; confira mensagem exclusiva de padre Mário Rabelo

“Lavai-me todo inteiro do pecado e apagai completamente a minha culpa”

Redação CSul – Iago Almeida / Foto: Reprodução site maltanet.com.br

Relembrando as dores de Maria, o Sermão da Soledade é meditado pelos fiéis católicos durante a quarta-feira da Semana Santa, em várias paróquias pelo mundo. Em Varginha, sete das nove paróquias fazem o momento de oração e reflexão à Nossa Senhora das Dores com missas e procissões. A Paróquia do Rosário e a Matriz do Divino celebram o Encontro a caminho do Calvário, que as outras matrizes celebraram nesta terça-feira.

“Mesmo sabendo que o seu sofrimento seria atroz, Maria seguiu firme seu caminho. Penso que muitos de nós não seríamos capazes de continuar dando firmes passos, se nos fosse antecipadamente anunciado que dores e sofrimentos nos acompanhariam. Creio que facilmente voltaríamos atrás nos propósitos feitos e compromissos assumidos. Mas sabemos que Maria, a mãe de Jesus, não abandonou sua missão, ao contrário, entregou-se cada dia melhor a ela, cumprindo o que devia cumprir. Onde buscou força para suportar e atravessar tamanhas dores?” ,citou Padre José Roberto de Souza, ex-pároco da Matriz do Mártir de Varginha.

Programação em Varginha


Mártir São Sebastião
Facebook Paróquia do Mártir
19h – Missa
20h – Meditação das Dores de Maria


Divino Espírito Santo
Facebook Paróquia do Divino Espírito Santo / Instagram – @paroquiadodivinovga
18h – Reflexão do Encontro de Maria e Jesus, a caminho do Calvário
19h – Missa


Nossa Senhora de Fátima
Facebook Paróquia Nossa Senhora de Fátima
15h – Missa e Reflexão das Sete Dores de Maria e Benção dos Enfermos


Cristo Luz dos Povos
Facebook Paroquia Cristo Luz dos Povos / Instagram – @paroquiacristoluzdospovos
8h – Oração da Manhã
15h – Terço da Divina Misericórdia
19h – Missa
20h – Meditação da Soledade de Maria


Nossa Senhora do Rosário
Facebook Paróquia Nossa Senhora do Rosário / Instagram – @paroquiarosariovga
7h – Missa
19h – Meditação do Encontro entre Maria e Jesus a caminho do Calvário


Santo Antônio de Sant’Anna Galvão
Facebook Paroquia Frei Galvão / Instagram – @paroquiafreigalvaovga
19h – Missa e Benção para os enfermos e idosos



Imaculada Conceição
Facebook Paróquia Imaculada Conceição
15h – Tríduo ao Sagrado Coração de Jesus pelos doentes com Bênção do Santíssimo
18h – Terço da Imaculada Conceição
19h30 – Missa


São José
Facebook Paróquia São José / Instagram – @paroquiasaojosevga

19h – Missa e meditação da Soledade de Maria


Sant’Ana
Facebook Paroquia Santana Varginha
19h – Missa e meditação da Soledade de Maria

Mensagem exclusiva

Padre Mário da Silva Quirino Rabelo  enviou mensagem exclusiva ao CSul sobre as 7 Dores de Maria. Confira:

Sermão das Dores de Maria
“Ó vós todos que passais pelo caminho, parei e vede se há dor igual a minha”.

Com o tempo da quaresma, nos preparamos para caminhar rumo à Festa da Páscoa. É impossível pensar na salvação da humanidade sem pensar em Maria Santíssima. Assim, Maria se torna modelo, para que, diante de suas dores, possamos pensar nas nossas e buscar o alivio e a superação.

Desde quando soube por Simeão que uma espada de dor transpassaria sua alma, quando contemplamos sua primeira dor, Maria seguiu sua vida não no desespero, mas tendo sempre a confiança em Deus, ensinando seu Filho Jesus Cristo a viver sua humanidade, mesmo sabendo que sofreria.

Depois da profecia de Simeão, Maria, passa pela dor da fuga, para proteger seu Filho de Herodes, como contemplamos em sua segunda dor.  Fugir para proteger. Quanta angustia passou Maria, numa situação difícil. E quanta ajuda recebeu de seu esposo José. Com ele, Jesus e Maria ficaram seguros.  A presença do pai aqui é fundamental. 

Maior que a fuga, Maria sofre a dor da perda do Menino Jesus, como contemplamos na sua terceira dor. Maria e José perderam o menino Jesus na multidão. Procuram-no desesperadamente. Depois de alguns dias, o encontraram no templo debatendo sua idéias com os mestres da lei.  Seus pais ficaram perplexos com sua inteligência e suas respostas. Maria poderia ter repreendido, castigado seu Filho, seus ânimos poderiam ter sido exaltados. Mas entre Mãe e Filho, havia um clima de carinho, atenção, amor. 

Com a quarta dor, olhamos para o encontro de Mãe e Filho no caminho do calvário.    Uma cena marcada pela dor e pelo amor entre ambos.  Assim, podemos imaginar o tamanho amor de Maria para com Jesus. Se o amor de uma mãe por um filho é grande, maior será pelo filho de Deus. O desejo de Maria é abraçar Jesus, lhe dar todo consolo e afeto, lhe dar todo o cuidado.

Com a quinta dor, olhamos para a cruz. Morre o Filho de Deus, morre o Filho de Maria.  Quão grande dor.  Através do seu olhar, fitado em Jesus na cruz, Maria tem o desejo de estar com Ele. Maria foi forte, estando de pé, junto da cruz de seu Divino Filho.

Pensemos na sexta dor de Maria, ao receber em seus braços o corpo de seu Filho, todo ensanguentado, frio, sem vida. Quão grande dor a de Maria. Porém, sua fidelidade a Deus, por meio de sua fé, fez brotar em seu coração a esperança.

Com a última dor, contemplamos a soledade de Maria, quando seu Filho é sepultado. Maria ainda sofre. Ela não poderá dar a Jesus um enterro digno. Resta a Maria, o silêncio, a dor. Maria sofreu com o madeiro no monte Calvário e, hoje, muitas mães sofrem com o madeiro que acolhe a morte de tantos filhos.

Que Maria nos anime e nos ajuda a comprometermos em diminuir nos irmãos as dores das injustiças e de todo mal. E que olhe por todos nós, que caminhamos nas pegados de Jesus Cristo.

Padre Mário da Silva Quirino Rabelo
Administrador Paroquial da Paróquia Cristo Bom Pastor, em Elói Mendes
e Vigário Forâneo da Forania Nossa Senhora de Fátima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *