• (35) 2105-5555
  • csul@correiodosul.com
  • Rua Marcelino Rezende, 26 - Parque Catanduvas

Quermesse de São Vicente de Paulo tem início hoje na Praça da Matriz do Divino

Redação CSul – Iago Almeida/ Foto: Iago Almeida/CSul

A festa de São Vicente de Paulo tem início nesta quinta-feira (12), com a festa externa que este ano acontecerá na Praça da Matriz do Divino Espírito Santo. Segundo Padre Rafael, “levamos a festa pra lá esse ano pois o espaço lá é maior, dá mais comodidade aos paroquianos”, disse ao CSul.

Nas barracas que serão montadas na praça atrás da Matriz poderão ser encontrados pastéis, canjica, churrasco, angu baiano e muito mais.

A quermesse começa hoje (12), mas a Novena só terá início no dia 18, quarta-feira. A cada dia uma doação será recolhida através do gesto concreto para ajudar o Lar São Vicente de Paulo.

O CSul traz a programação da Novena e Festa abaixo, confira:

São Vicente

Iago Almeida/CSul

Vicente de Paulo nasceu na cidade de Pouy, na França, aos 24 de abril de 1581. Filho de pobres camponeses, manifestou o desejo e gosto para o estudo. Entrou para o seminário e foi ordenado padre ainda bem novo, com apenas 19 anos de idade.

O início de sua vida sacerdotal foi marcado por muitas dificuldades e desacertos. Inicialmente, estava muito preocupado em ajudar sua família e em conseguir certa estabilidade financeira. Diante de uma série de fracassos, foi amadurecendo e, sobretudo a partir de 1612, se lançou inteiramente no serviço aos pobres.

Em contato com os camponeses, conheceu o estado de abandono religioso e miséria em que viviam as populações do campo. Percebeu que os pobres tinham necessidades urgentes e que, para ser fiel a Cristo, era preciso servi-los. Começou, então, a pregar missões entre os pobres e a organizar diversas organizações de caridade.

Passando a residir em Paris e enfrentando uma época de guerra, confusão política, de grandes problemas sociais e de desorganização da Igreja, Pe. Vicente de Paulo passou a se dedicar inteiramente à evangelização e serviço dos pobres. Para este fim, fundou a Congregação da Missão e a Companhia das Filhas da Caridade. De muitas maneiras e com criatividade, desenvolveu uma intensa ação caritativa e missionária, sempre contando com os padres e irmãos de sua Congregação, com as irmãs de Caridade e com muitos leigos e leigas generosos.

Entendia que o pobre é a imagem de Cristo desfigurado a quem devemos servir. E a Igreja deve estar a seu serviço. Por isso, atuou na reforma da Igreja, sobretudo muito colaborando na reforma do clero.

(Fonte: http://www.pbcm.com.br)

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.