• (35) 2105-5555
  • csul@correiodosul.com
  • Rua Marcelino Rezende, 26 - Parque Catanduvas

Homem é confundido por policiais de Carrancas e morre com um tiro de fuzil

Na madrugada desta terça-feira (28), um homem de 39 anos morreu após ser baleado por um policial militar em Carracas.Os militares desconfiaram do veículo, já que há cerca de um ano vivenciaram situação semelhante, sendo vítimas de um ataque ao quartel e posteriormente a explosão do caixa eletrônico do Banco do Brasil.

Segundo declarações do militares, eles ainda ouviram passos próximos a entrada do estacionamento das viaturas policiais e, ainda de acordo com eles, solicitaram reforço policial de cidades vizinhas e se abrigaram nos fundos, depois, através das janelas perceberam que não havia ninguém na rua.

Alguns minutos depois os policiais resolveram fazer o deslocamento até o veículo para a abordagem e saber se ainda havia alguém dentro do carro. Segundo declaração dos militares, eles aproximaram do veículo e de uma distância segura perceberam que havia uma pessoa com o rosto coberto no interior do automóvel.

Segundo os policiais, mandaram o ocupante do veículo descer, porém, ele não se moveu. Os militares então resolveram aproximar ainda mais, antes porém, verificaram na redondeza para saber se havia mais pessoas ou veículos suspeitos e, como nada foi encontrado, eles aproximaram do carro.

Os dois militares estavam armados com pistola e fuzil e se posicionaram estrategicamente ao lado do automóvel, um deles bateu no capô e o ocupante do veículo se levantou rapidamente, segundo os policiais, fazendo movimentos bruscos como se procurasse algo na cintura.

Neste momento um dos militares disparou um tiro com o fuzil, atingindo o lado direito do ocupante do carro, na altura do queixo. Os policiais abriram a porta do automóvel e retiraram o homem de seu interior e acionaram uma ambulância.

O homem foi identificado como sendo Alexandre Apipe de Lima , 39 anos, representante comercial, ele é natural e morador de Bom Sucesso. Depois os policiais contataram que o rosto estava coberto com uma jaqueta, que ele colocou para se proteger da luz para poder dormir.

A vítima foi levada para o hospital da cidade, onde se constatou o óbito. O militar que atirou recebeu voz de prisão e teve seu armamento recolhido pela Sexta Região de Polícia Militar, com sede em Lavras. A perícia da Polícia Civil realizou seu trabalho de praxe e liberou o veículo que foi recolhido para o pátio.

As informações desta matéria estão contidas no boletim de ocorrência da Polícia Militar, de onde foram tirados os subsídios para sua redação.

Fonte: Jornal de Lavras

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.