Quinta-feira Santa celebra o Sacramento da Eucaristia; Missa dos Santos Óleos em Campanha será somente com vigários forâneos

“Se eu não os lavar, você não terá parte comigo” / Confira mensagem exclusiva do padre José Procópio Júnior

Redação CSul – Iago Almeida / Foto: Reprodução

A Quinta-feira Santa faz parte da preparação para a Páscoa. Neste dia, começa o Tríduo Pascal, a preparação para a grande celebração da Páscoa, a vitória de Jesus Cristo sobre a morte, o pecado, o sofrimento e o inferno. Este é o dia em que a Igreja celebra a instituição dos grandes sacramentos da ordem e da Eucaristia. Jesus é o grande e eterno Sacerdote, mas quis precisar de ministros sagrados, retirados do meio do povo, para levar ao mundo a salvação que Ele conquistou com a Sua Morte e Ressurreição.

Jesus desejou ardentemente celebrar aquela hora: “Tenho desejado ardentemente comer convosco esta Páscoa antes de sofrer” (Lc 22,15).

Na celebração da Páscoa, após instituir o sacramento da Eucaristia, ele disse aos discípulos: “Fazei isto em memória de Mim”. Com essas palavras, Ele instituiu o sacerdócio cristão: “Pegando o cálice, deu graças e disse: Tomai este cálice e distribuí-o entre vós. Tomou em seguida o pão e depois de ter dado graças, partiu-o e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que é dado por vós; fazei isto em memória de mim.” (cf. Lc 22,17-19)

Na noite em que foi traído, Ele nos amou, pois bebeu o cálice da Paixão até a última e amarga gota. São João disse que “antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que chegara a sua hora de passar deste mundo ao Pai, como amasse os seus que estavam no mundo, até o extremo os amou.” (Jo 13,1).

As paróquias de Varginha continuam as celebrações das “Missas Sem Povo”, devido a pandemia da Covid-19. As celebrações de Lava-pés e o Translado do Santíssimo Sacramento, como de costume pela Igreja, serão suspensos nas missas deste ano. Confira a programação completa das nove paróquias da cidade e mensagem especial enviada pelo Padre José Procópio Júnior.

Programação em Varginha


Mártir São Sebastião
Facebook Paróquia do Mártir
19h – Missa da Ceia do Senhor


Divino Espírito Santo
Facebook Paróquia do Divino Espírito Santo / Instagram – @paroquiadodivinovga
19h – Missa da Ceia do Senhor


Nossa Senhora de Fátima
Facebook Paróquia Nossa Senhora de Fátima
17h – Missa da Ceia do Senhor


Cristo Luz dos Povos
Facebook Paroquia Cristo Luz dos Povos / Instagram – @paroquiacristoluzdospovos
8h – Oração da Manhã
19h- Missa da Ceia do Senhor


Nossa Senhora do Rosário
Facebook Paróquia Nossa Senhora do Rosário / Instagram – @paroquiarosariovga
19h – Missa da Ceia do Senhor


Santo Antônio de Sant’Anna Galvão
Facebook Paroquia Frei Galvão / Instagram – @paroquiafreigalvaovga
19h – Missa da Ceia do Senhor


Imaculada Conceição
Facebook Paróquia Imaculada Conceição
19h30 – Missa da Ceia do Senhor


São José
Facebook Paróquia São José / Instagram – @paroquiasaojosevga

19h – Missa da Ceia do Senhor


Sant’Ana
Facebook Paroquia Santana Varginha
19h – Missa da Ceia do Senhor

Mensagem especial

Padre José Procópio Júnior, administrador na Paróquia de Nossa Senhora do Carmo, de Carmo da Cachoeira 

Foto: Salomé Cassimiro

“Nesta semana celebramos a semana maior da nossa Fé. Por meio dela nós nos unimos na liturgia ao Mistério da Cruz, da Morte e da Ressurreição do Senhor. Jesus para cumprir sua missão entre nós entrou em Jerusalém, sua cidade e, assumindo a paixão e morte na cruz, realizou a maior de todas as obras, a redenção de toda a humanidade. Pela Páscoa do Senhor nós fomos salvos e libertos do pecado, e por Ele, reconciliados com Deus. Ele aboliu a dívida dos nossos pecados e realizou a nossa Salvação.

Ao longo dessa semana, celebramos esse grande amor de Deus por nós. A semana santa é marcada, sobretudo pela celebração do Tríduo Pascal, os três dias finais que nos colocam em contato com esse mistério: a Sexta-feira Santa, o Sábado Santo e o Domingo da Ressurreição.

O Tríduo pascal começa na Quinta-feira Santa à noite, com a celebração da Ceia do Senhor. E que nós recordamos o grande testamento de amor deixado por Jesus na véspera de sua paixão: o sacramento da Eucaristia, sinal da sua presença e da presença do seu sacrifício redentor. O sacerdócio ministerial, que atualiza para nós a graça desta redenção, através dos sacramentos celebrados e realizados por aqueles que receberam a ordem dos sacerdotes, e também o mandamento novo do amor, a caridade, que é o distintivo de cada cristão e aquilo que nos mostra discípulos de Jesus.

Na Sexta-feira Santa celebramos a paixão do Senhor. Sempre às 15 horas, com a celebração da Ação Litúrgica,fazemos memória daquele momento em que o Cristo na Cruz se entregou por nós, dando sua vida. “Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito”. Sexta-feira santa não é dia de luto, não é dia de tristeza, é o dia da nossa vitória. Pelo sangue do Senhor nos fomos salvos e por isso nós nos unimos ao sofrimento de Cristo através do jejum e da abstinência, uma pequena forma de nos unirmos ao seu sofrimento redentor na Cruz.

O Sábado Santo, é o dia do silencio e da contemplação. A igreja permanece junto ao sepulcro do Senhor, meditando sua paixão e sua morte. É dia de, ao olhar o mistério da sepultura do Senhor, esperar com amor, a sua Ressurreição.

No Domingo da Páscoa, celebramos a vitória de Cristo sobre a morte. Lembrando aquilo que os anjos disseram as mulheres naquela manhã: “Porque procurais dentre os mortos, aquele que está vivo? Ele não está aqui. Ele já Ressuscitou”. Na noite do sábado para domingo, já celebramos esta festa, na Vigília Pascal, quando acendendo nossas velas no Fogo Novo, cantamos o Aleluia e deixamo-nos envolver pela alegria do Ressuscitado. Banhados nas águas do batismo, somos lavados, somos nova criatura, somos imagem de Cristo, e, pelo batismo, morremos, sepultamos e Ressuscitamos com Cristo para uma vida nova. Aí chegamos à festa da Páscoa. A páscoa que é a passagem do Cristo, da morte parta a vida. E é também a nossa passagem, da condição de pecadores, pelo batismo, à condição de filhos e filhas de Deus, livres, na vida da graça, da santidade, rumo a nossa ressurreição final, no último dia.

A Ressurreição do Senhor é a grande verdade da nossa Fé. Ressuscitar não significa voltar a essa vida corpórea, terrena, passageira e cheia de sofrimentos. Ressuscitar não é andar para trás, é caminhar para frente. Cristo Ressuscitou como primícias, como primeiro, depois aqueles que pertencem a Cristo pela ocasião da sua vinda, nos lembra o Apóstolo São Paulo. Ressuscitar é vida nova, é eternidade, é graça, é salvação, é vitória. E tudo isso celebramos na Páscoa, a maior festa para nós cristãos. E a certeza que a vida vence a morte, que a dor dá lugar a vitória, que o sofrimento cede lugar a paz. Pela cruz se chega à luz, a luz do Cristo Ressuscitado que vem iluminar os nossos corações, para sempre.”

Santa Ceia

A santa ceia é uma cerimônia estabelecida por Jesus e participar da mesma, se reafirma a crença em Sua morte e ressurreição (por isso Ele disse: “… fazei isto em memória de mim” – Lucas 22:19, 1 Coríntios 11:24-25). A verdadeira cerimônia da Santa Ceia deve ser acompanhada pelo lava-pés a fim de que a mesma seja completa de acordo com o que Jesus ensinou. Podemos encontrar este ensinamento no Evangelho de João 13:1-10.

Mas qual é o seu significado? No verso 10 lemos: “Declarou-lhe Jesus: quem já se banhou (foi batizado) não necessita de lavar senão os pés, quanto ao mais está todo limpo…” Podemos ver que o lava-pés é uma espécie de “mini batismo”. Mas por que precisamos dele? Porque na vida tropeçamos e caímos. Temos de constantemente sermos purificados de nossos pecados, e a cerimônia do lava-pés é uma oportunidade para isso. É importante que renovemos nossa fé e comunhão com Cristo.

(Texto retirado do site Canção Nova)

Missa dos Santos Óleos

O Bispo Emérito da Diocese da Campanha, Dom Frei Diamantino Prata de Carvalho participou da celebração em 2018 / Diocese da Campanha

Nesta quinta-feira também é celebrada a Santa Missa dos Santos Óleos, ou Missa do Crisma, na Catedral de Santo Antônio, em Campanha, sede da Diocese local, às 9h, presidida pelo Bispo Dom Pedro Cunha Cruz. A celebração tradicional na Semana Santa contará apenas com os vigários forâneos, que levarão os Santos Óleos para suas Foranias após a celebração da missa, que terá transmissão pelas redes sociais da Catedral de Campanha.

Durante o ritual, são abençoados os óleos dos catecúmenos e dos enfermos e será consagrado o óleo do Crisma, utilizados pelas paróquias nos Sacramentos do Batismo, Unção dos Enfermos e Crisma, ao longo do ano.

Óleo do Crisma
É uma mistura de óleo de oliveira e bálsamo do Oriente, significando plenitude do Espírito Santo, revelando que o cristão deve irradiar a força e o perfume de Cristo. É usado no sacramento da Confirmação (Crisma), quando o cristão é confirmado na graça e no dom do Espírito Santo, para viver como adulto na fé. Este óleo é usado também no Sacramento da Ordem (diaconato e sacerdócio). A cor que representa esse óleo é o branco. Assim, a ampola que o contém é revestida de um véu branco.

Óleo dos Catecúmenos
Catecúmenos são os que se preparam para receber o Batismo. Este óleo significa a força de Deus que penetra no catecúmeno (como o óleo que penetra em seu coração), o liberta e prepara para o nascimento pela água e pelo Espírito. A cor do véu que reveste a ampola ou o vaso que o contém é vermelha.

Óleo dos Enfermos
É usado no sacramento dos enfermos. Este óleo significa a força do Espírito de Deus para a provação na doença, para o fortalecimento da pessoa a fim de enfrentar a dor e, inclusive a morte, se for vontade de Deus. A cor do véu que cobre a ampola é roxa.

O Bispo Dom Pedro Cunha Cruz presidirá a celebração neste ano / Diocese da Campanha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *