‘Governança Municipal para Cidades Inteligentes, Inovadoras, Transformadoras e Sustentáveis’ – Francisco Graça de Moura lança novo livro

O Cientista Social Prof. Francisco Graça de Moura concluiu e já entregou a editora o seu novo livro denominado “Governança Municipal para Cidades Inteligentes, Inovadoras, Transformadoras e Sustentáveis”. A obra é destinada aos futuros gestores públicos municipais, vereadores e lideranças da sociedade civil, responsáveis pela implantação da intersetorialidade e pela transversalidade na gestão das políticas públicas, inclusivas, participativas e democráticas.

O livro indica as diretrizes, as estratégias e os fundamentos basilares para elaboração e implantação de uma governança municipal para compatibilizar o desenvolvimento econômico essencial com a preservação do meio ambiente, “como reduzir significativamente as desigualdades e a exclusão sociais, como eliminar as raízes e matrizes da violência e da marginalidade pelo aceso às oportunidades, pelo fomento à geração de oportunidades de trabalho e emprego, pelo apoio estratégico aos pequenos produtores e à agricultura familiar, pelo resgate da qualidade de vida e pela construção de parcerias entre os entes públicos, a empresa privada e a sociedade civil para implantação de um processo de desenvolvimento sustentável capaz de revitalizar a economia local”, explicou o Francisco.

No rol destas prioridades, incluir uma política eficaz, eficiente e humana de mobilidade urbana. A obra indica, finalmente, como sair da crise de pós-pandemia – coronavírus – com uma Governança Municipal alicerçada no arcabouço de uma Cidade Inteligente, Inovadora, Transformadora e Sustentável.

O professor aproveitou para enfatizar sua colocação e opinião sobre o momento vivido devido à pandemia da Covid-19. Confira:

“Após a pandemia teremos uma situação profundamente dolorosa na nossa realidade. 52% da população da nossa cidade ganha um salário mínimo, ou abaixo de um salário mínimo. Essa equação deve sofrer significativos aumentos, inclusive por causa do desemprego, da exclusão social e econômica, que o Coronavírus está proporcionando. Por outro lado, nós vamos ter uma taxa de desemprego altíssima. A vulnerabilidade social que hoje está em 30% da população deve dobrar. Então nós teremos problema de exclusão do mercado de trabalho, os vulneráveis estarão em situação de absoluta pobreza. Por outro lado jovens, de 16 a 21 anos, terão suas oportunidades ceifadas e correm os riscos de as raízes e matrizes da violência e marginalidade aumentarem significativamente. Então, existe a necessidade dos gestores públicos se prepararem para fazerem uma governança que possa responder a esse desafio: o desenvolvimento econômico compatibilizado com a preservação do meio ambiente; a redução das desigualdades e da exclusão sociais; o apoio ao micro e pequenos empresários; o apoio ao pequeno agricultor familiar; a criação de um ambiente de negócios que facilitem novos investimentos para absorver a mão de obra penalizada por esse processo; teremos também a necessidade com os idosos, o centro de convivência dos idosos, ter a cidadania social e econômica dos idosos resgatadas, porque eles estarão em uma situação ainda mais de vulnerabilidade. Então você tem um quadro que você precisa reativar os negócios. A união entre o poder executivo, a sociedade civil e a empresa privada tem que ser cada vez mais forte, porque juntos é que as políticas públicas poderão resgatar todo esse quadro de vulnerabilidade e pobreza que nos vamos enfrentar na nossa realidade. Então é preciso revitalizar a economia, aumentar as oportunidades e criar uma forma de resgatar a qualidade de vida. É esse o espírito de instrumentar os gestores públicos, a liderança da sociedade civil e os futuros parlamentares mirins a tomarem consciência de que deverão realmente inpovar, transformar e criar um sistema sustentável de criar um sistema justo e com oportunidades para todos”, afirmou.

Foto: Arquivo Pessoal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *