• (35) 2105-5555
  • csul@correiodosul.com
  • Rua Marcelino Rezende, 26 - Parque Catanduvas

Inflação desacelera em Varginha no mês de junho

São coletados os preços de 5 grupos de gastos: Alimentação, Habitação, Transporte, Educação e Comunicação.

Foto: Grupo Unis

Após a forte elevação ocorrida no mês de maio, a inflação em Varginha, medida pelo Índice Municipal de Preços ao Consumidor (IMPC-Unis), teve uma leve alta de 0,09% em junho comparado com o mês anterior. Em doze meses o acumulado do indicador atinge 8,35% e neste ano 5,03%.

O IMPC-Unis é um indicador calculado pelo Departamento de Pesquisa do Grupo Unis e GEESUL que demonstra o comportamento geral dos preços na cidade de Varginha. São coletados os preços de 5 grupos de gastos: Alimentação, Habitação, Transporte, Educação e Comunicação.

No mês de junho o grupo comunicação apresentou a maior alta (5,61%), devido aos reajustes de alguns planos básicos de internet (7,40%) e dos planos básicos de telefonia móvel (2,33%).

Como já era previsto, o grupo transporte novamente apresentou elevação (0,75%) em razão do aumento no etanol (2,48%) e na gasolina (1,01%).

No grupo habitação a alta foi de 0,75% com destaque para energia elétrica (3,44%), itens de higiene pessoal (2,48%) e produtos de limpeza geral da residência (1,71%). Por outro lado, o gás de cozinha teve queda de -0,39%.

Após a forte elevação no mês anterior, o grupo alimentação teve queda de -1,38%. As maiores elevações foram com o café em pó (9,53%) devido à alta na cotação internacional do café, ovos (4,50%) graças à maior demanda interna e externa, e alimentação fora do domicílio (3,82%) em razão de reajustes ocorridos devido às elevações recentes dos alimentos. As quedas mais consideráveis ocorreram com tomate (-46,49%) e batata (-14,59%) devido à intensificação da colheita da safra de inverno, e pão francês (-8,35%) em função da diminuição recente da farinha de trigo.

O grupo educação apresentou estabilidade.

Nossas previsões constantes no relatório anterior se confirmaram em sua maior parte, como no caso da queda na alimentação devido à intensificação das colheitas e as altas nos combustíveis e energia elétrica. No entanto, a elevação no grupo comunicação foi bem acima do esperado na cidade de Varginha. O índice oficial de inflação do Brasil (IPCA) medido pelo IBGE também desacelerou em junho com resultado de 0,21% e abaixo das expectativas do mercado. Notamos uma convergência do resultado geral e do grupo habitação tanto a nível local quanto nacional, mas divergência em relação aos grupos alimentação, comunicação e transporte.

Apesar da desaceleração inflacionária em Varginha, um fator importante que precisa ser destacado é o nível de difusão inflacionária, ou seja, a quantidade de produtos pesquisados que apresentaram alta, que atingiu 50%, resultado bem maior que na última pesquisa quando foi de 37%.

Nossas expectativas para o curto prazo apontam para uma nova aceleração inflacionária local e nacional, em função da desvalorização do real, maior demanda externa e reajustes de preços dos combustíveis, gás de cozinha e energia elétrica. No caso dos alimentos, nossas previsões indicam a possibilidade de elevações nos preços do café em pó, óleo de soja, farinha de trigo e carne bovina. No entanto, os hortifrutigranjeiros, o arroz e o feijão devem continuar em queda e contribuindo para uma menor volatilidade na inflação.

Fonte: Grupo Unis