• (35) 2105-5555
  • csul@correiodosul.com
  • Rua Marcelino Rezende, 26 - Parque Catanduvas

Índice da cesta básica sobe 2,98% em Cataguases no mês de dezembro

Resultados apurados em Cataguases e em outras cidades já pesquisadas neste início de dezembro demonstram que a inflação dos alimentos voltou a impactar fortemente o consumidor.

Foto: CSul.

Após três meses de queda e estabilidade, o Índice da Cesta Básica de Cataguases (ICB-FIC/UNIS), calculado pelo Departamento de Pesquisa do Grupo Unis, voltou a ter alta. Neste início do mês de dezembro o valor da cesta subiu 2,98% em comparação com o mesmo período de novembro.

Os produtos com maiores elevações nos preços médios foram tomate, carne bovina, feijão carioquinha e óleo de soja. Já as quedas mais consideráveis foram batata e leite integral. Considerando 12 meses, entre dezembro de 2021 e dezembro de 2022, a inflação da cesta básica acumula alta de 8,60%.

A pesquisa usa uma metodologia semelhante à do DIEESE e consiste na coleta de preços dos 13 produtos que compõem a cesta básica nacional de alimentos nos principais supermercados da cidade.

No começo deste mês de dezembro, o valor da cesta básica nacional de alimentos para o sustento de uma pessoa adulta em Cataguases é de R$632,22. Este valor representa 56,39% do salário mínimo líquido. Um trabalhador que recebe o salário mínimo precisa trabalhar 114 horas e 46 minutos por mês para adquirir essa cesta de alimentos para o seu sustento.

Entre novembro e dezembro, dos 13 produtos componentes da cesta básica pesquisados em Cataguases, oito apresentaram alta nos preços médios: Tomate (8,94%), Carne bovina (8,10%), Feijão carioquinha (8,09%), Óleo de soja (5,80%), Arroz (3,99%), Café em pó (1,89%), Manteiga (0,62%) e Pão francês (0,13%). Cinco produtos apresentaram diminuição em seus preços médios: Batata (-13,23%), Leite integral (-6,79%), Farinha de trigo (-4,27%), Banana (-2,59%) e Açúcar refinado (-2,28%).

Os resultados apurados em Cataguases e em outras cidades já pesquisadas neste início de dezembro demonstram que a inflação dos alimentos voltou a impactar fortemente o consumidor. Os relatórios deste mês indicam que no curto prazo os preços continuarão sendo muito influenciados pelos comportamentos da oferta, especialmente no que se refere às safras dos hortifrutigranjeiros, e também pela dinâmica da demanda externa. Essa realidade exigirá do consumidor uma atenção especial na pesquisa de preços e gestão do orçamento doméstico.

Fonte: Unis.