• (35) 2105-5555
  • csul@correiodosul.com
  • Rua Marcelino Rezende, 26 - Parque Catanduvas

Índice da cesta básica de Pouso Alegre tem queda de 4,77% em julho

As maiores quedas ocorreram com o tomate, batata, feijão carioquinha e banana. Já as elevações mais consideráveis foram com a manteiga, café em pó, açúcar refinado e óleo de soja.

Foto: Grupo Unis

Reforçando a volatilidade de preços que tem ocorrido na primeira metade deste ano de 2024, o valor da cesta básica na cidade de Pouso Alegre (ICB – Faculdade Unis Pouso Alegre) apresentou recuo de -4,77% neste início de julho comparado com o mesmo período de junho.

As maiores quedas ocorreram com o tomate, batata, feijão carioquinha e banana. Já as elevações mais consideráveis foram com a manteiga, café em pó, açúcar refinado e óleo de soja. No período de 12 meses, o valor da cesta básica na cidade acumula alta de 3,26%.

No início de julho, o valor médio da cesta básica nacional de alimentos para o sustento de uma pessoa adulta em Pouso Alegre era de R$647,13, correspondendo a 49,55% do salário mínimo líquido (salário mínimo total menos o desconto do INSS). O trabalhador que recebe um salário mínimo mensal precisa dedicar 100 horas e 50 minutos por mês para adquirir essa cesta.

Entre junho e julho, dos 13 produtos componentes da cesta básica pesquisada em Pouso Alegre, sete tiveram alta nos preços médios: Manteiga (7,92%), Café em pó (6,71%), Açúcar refinado (3,55%), Óleo de soja (3,50%), Farinha de trigo (2,32%), Arroz (1,62%) e Pão Francês (1,02%).

A previsão que realizamos no relatório anterior se confirmou mais uma vez. A intensificação da colheita da safra de inverno dos hortifrutigranjeiros, a melhoria na previsão de produção feita pela Conab e a estabilização nos preços do leite integral, da carne bovina e do arroz contribuíram diretamente para a queda no valor da cesta básica em Pouso Alegre. Porém, é importante destacar que neste ano de 2024 os preços dos produtos básicos têm sofrido fortes volatilidades e isso impacta profundamente o planejamento orçamentário das famílias.

Nossas previsões para o próximo mês indicam uma possível elevação no índice devido à desvalorização cambial e altas que podem ocorrer nos preços do café, óleo de soja, farinha de trigo e carne bovina. Já os hortifrutigranjeiros, o arroz e o feijão devem continuar em queda e contribuir para que o comportamento do valor da cesta seja menos volátil do que nos últimos meses.

Fonte: Grupo Unis