• (35) 2105-5555
  • csul@correiodosul.com
  • Rua Marcelino Rezende, 26 - Parque Catanduvas

Emater-MG investe em microusina de energia solar fotovoltaica

Projeto-piloto vai reduzir gastos com eletricidade na unidade central da empresa, em Belo Horizonte.

Foto: Emater-MG / Divulgação.

Já estão em andamento as obras da primeira micro usina solar fotovoltaica da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), em Ponto dos Volantes, no Vale do Jequitinhonha. Ainda no formato de projeto-piloto a empresa passará a gerar energia, o que representará uma economia de cerca de 90% do consumo em sua unidade central, em Belo Horizonte. A previsão é que a micro usina comece a funcionar até o final deste ano de 2022.

A unidade está sendo construída numa área de 800 metros quadrados, em terreno da própria Emater-MG. A empresa responsável pela obra foi contratada por meio de processo de licitação. O valor do investimento é de R$ 440 mil. A verba é da própria empresa.

A micro usina da Emater-MG será conectada à rede de distribuição da Cemig, pois a empresa aderiu ao Sistema de Compensação de Energia Elétrica (SCEE). O objetivo é que a energia gerada pela micro usina em Ponto dos Volantes seja compensada, posteriormente, no consumo de energia elétrica da unidade central da Emater-MG, em Belo Horizonte. O SCEE está de acordo com a Resolução Normativa nº 482/2012 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Segundo o responsável pelo projeto-piloto, o gerente da unidade regional da Emater-MG em Belo Horizonte, Vitório Freitas, a micro usina terá capacidade de gerar cerca de 12 mil quilowatts-hora por mês. De acordo com ele, em cerca de quatro anos, a Emater-MG terá recuperado o investimento feito na micro usina.

“Quando se sabe que é uma usina que tem uma vida útil de 25 anos, a iniciativa é muito positiva financeiramente. Por outro lado, é a Emater trabalhando com foco na sustentabilidade, gerando energia limpa. Além disso, futuramente, essa usina será uma referência para qualificar e incentivar os produtores a gerarem a sua própria energia”, diz Freitas.

Fonte: Agência Minas.