• (35) 2105-5555
  • csul@correiodosul.com
  • Rua Marcelino Rezende, 26 - Parque Catanduvas

Fluir com densidade existencial é a logística natural que nos leva à felicidade.

Nada é tão duradouro dentro da existência.Sua mobilidade é impressionante.Fontes geradoras bifurcam para vários rios.Viver na margem é mais contagiante.As profundezas nos ensinam como proceder em calmaria nos momentos de aflição vivencial.

Fluir com densidade existencial é a logística natural que nos leva à felicidade.Aprender  andar sobre as ondas, por mais atrozes e imprevisíveis que elas sejam, mesmo falhando em atingir seu pico é um ato de sabedoria.

Não temer sua viagem é colocar no barco consistentes instrumentos para sua manutenção, e saber que alegria de atingir o topo de uma onda é ter a visão privilegiada de aumentar nossos horizontes rotineiros, muita vezes retido em nossos restritos espaços.Brincar com ritmo do mar é ter manejo existencial.

Ter um barco  juntamente com um estado de espírito poético nos levará  a qualquer porto seguro.Saber sondar as nuvens e com antecedência preparar para as tempestades e ter certeza do fim de qualquer viagem.Não existe tempestade capaz de paralisar o ímpeto dos amantes da vida.Para ser piloto existencial basta ser bravo condutor das truculências infiltradas nas suas ondas.

Encarar o mar como desafio natural, compreender seus ritmos e através deles impulsionar a velocidade é remar soberbamente.

Buscar leveza na vida não é ignorar sua carga pesada.É ter destreza para nos manter na sua superfície mesmo com toneladas de problemas dentro do navio.Ter faro das profundezas é acreditar que o trabalho de chegar ao fundo é recompensado com os tesouros retidos.Não  devemos entrar cegamente, pois isto impedirá de ver a extensão dos caminhos que Deus nos dá quando propormos a navegar.Mergulhar sempre, porque aprenderemos a impulsionar para superfície a mais pesada carga.

Cabe também dar estadia à nossa permanência marítima.A vida nos exige movimentos e repousos.Movimentos para conter em nosso armazém existenciais mercadorias que nos mantém permanentemente vivos, e repouso para admirar o pôr-do-sol tendo como espetáculo nosso barco.

Devemos ter noção exata da totalidade existencial e procurar mante-la dentro do todo o segmento não estragado, porque isto nos proporcionará  otimismo sempre.

Nós que somos o dono do mar e a penetração no seu íntimo não nos pode tornar forasteiros e nos expulsar de sua abundante generosidade.

Os momentos contemporâneos nos exigem algumas cautelas.Manter o barco com a vara de anzol nos fará preparado para sobreviver,assim como apreciar o entardecer nos dará a sensação da felicidade.Tirar da existência seus frutos é compreender que depois de qualquer sacrifício haverá leveza existencia.

Temos instrumentos de sobrevivência, e se juntarmos a eles apego à vida iremos perceber que com as entradas das estrelas a polidez humana se exalta.Ninguém é derrotado se não se sente derrotado.A derrota é um ato na construção da vitória final.Tirar lições e não desânimo dos erros cometido nos projetará para o sucesso.Ser guerreiro homérico quando a vida começa nos escapar nos tornará de volta com sua magia.

Seja timoneiro de seu próprio mar,e, se sentir que os picos das ondas não são atingíveis, diminua suas fontes de derrotismo que as águas baixarão e você serenamente saltará com folga.

Com o avanço da vida aprendemos a trocar os barcos para os navios.E com toneladas de situações vividas no decorrer da existência faz o porão se manter cheios e nós serenamente sobre a superfície, porque aprendemos a manusear a existência de leveza vivencial.

Fonte:Juarez Alvarenga