Apesar da crise sanitária, Sul de Minas apresenta saldo positivo de empregos desde o início da pandemia

De acordo com dados do Caged, Extrema e Santa Rita do Sapucaí estão entre os 10 municípios da região que mais criaram novas oportunidades para o mercado de trabalho com carteira assinada, nos últimos 14 meses. Na contramão, Poços de Caldas é a cidade que mais decaiu em postos de trabalho.

Redação CSul/Foto destaque: Reprodução Wikimédia

Apesar da crise que assola o país, ocasionada, principalmente, pela pandemia da Covid-19, cidades do Sul de Minas seguem se destacando na geração de novas vagas de emprego. Extrema e Santa Rita do Sapucaí estão entre os 10 municípios da região que mais criaram novas oportunidades para o mercado de trabalho com carteira assinada, nos últimos 14 meses. Na contramão, Poços de Caldas é a cidade que mais decaiu em postos de trabalho.

Os dados pertencem ao Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), emitidos nesta quarta-feira (26), pelo Ministério da Economia. Conforme levantamento, Extrema lidera a geração de empregos na região desde o início da pandemia, com 4.099 novas vagas de trabalho preenchidas. Santa Rita do Sapucaí vêm logo em seguida com 2.408 novos postos de trabalho e Pouso Alegre, que somou 1.847. Campo Belo (+1.028), Varginha (+843) e São Sebastião do Paraíso (+746) aparecem na sequência com saldos positivos.

CidadeSaldo de geração de empregos desde início da pandemia
Extrema+4.099
Santa Rita do Sapucaí+2.408
Pouso Alegre+1.847
Campo Belo+1.028
Varginha+843
Caxambu-102
Itaú de Minas-135
São Lourenço-196
Bandeira do Sul-202
Poços de Caldas-1.850
Divulgação Caged

Por outro lado, Poços de Caldas foi o município mais prejudicado na relação geração de empregos/pandemia no Sul de Minas. Desde o início da pandemia, a cidade perdeu 1.850 empregos. Todavia, se for levado em conta apenas o ano de 2021, o município apresenta saldo positivo de 510 vagas.

Além de Poços, Bandeira do Sul (-202), São Lourenço (-196), Itaú de Minas (-135) e Caxambu (-102) aparecem na sequência como cidades mais prejudicadas devido à crise estabelecida pelo coronavírus.

Segundo um levantamento realizado pelo Portal G1 Sul de Minas, o Sul de Minas chegou a fechar 22 mil postos de trabalho logo nos três primeiros meses da pandemia, mas depois disso, já gerou outros 45 mil.

*Com informações: G1 Sul de Minas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.