Hora do Empreendedor com Ibraim Gustavo – Nanos gigantum humeris insidentes

Nanos gigantum humeris insidentes é a convicção de que toda evolução parte da inspiração de outras grandes ideias.

Impactante e muito revelador, o conceito de nanos gigantum humeris insidentes precisa ser compreendido por todos nós.

Nanos gigantum humeris insidentes nada mais é do que o exalar de humildade e reconhecimento pelas descobertas passadas.

A explicação de nanos gigantum humeris insidentes

Nanos gigantum humeris insidentes é um termo em latim que significa “anões sobre os ombros de gigantes”.

Isso significa que cientistas, pesquisadores, inovacionistas e inventores são inspirados em grandes conquistas anteriores.

Já falamos aqui na Hora do Empreendedor sobre a efemeridade das inovações e da tecnologia.

Ainda neste sentido, compreendemos esse pensamento quando internalizamos o propósito de se fazer ciência, inovação e tecnologia.

Tudo que é criado pelo homem é feito para a humanidade, ou assim deveria sê-lo, a fim de garantir à ela sua sobrevivência.

Além de mantermo-nos vivos, as descobertas científicas e as criações inovadoras e tecnológicas nos fazem evoluir.

Entretanto, vale a pena lembrar que tudo o que é desenvolvido está posto à prova, e pode ser superado mais tarde.

Por mais inovador ou especial que algo pareça ser – e muitas vezes o é – todas as coisas estão passíveis de serem suplantadas.

E isso, definitivamente, não é algo ruim. Ao contrário, nos faz crescer como seres humanos, e não parar nunca de buscar evoluir.

Todavia, o que não se pode fazer é deixar no esquecimento cada degrau que nos trouxe até aqui.

Isaac Newton e os gigantes

Isaac Newton é um dos mais célebres pensadores e inventores que a humanidade já conheceu.

O cientista inglês tem trabalhos extremamente relevantes em diversas áreas. Entre elas, destacamos:

  • Física;
  • Matemática;
  • Química;
  • Teologia.

Entre suas mais importantes descobertas, estão:

  • O Princípio da Inércia – Primeira Lei de Newton;
  • A Força – Segunda Lei de Newton;
  • Princípio da Ação e Reação – Terceira Lei de Newton.

O homem que definiu três importantes Leis da Física, que nos permitem desenvolver inúmeras outras inovações, não toma as glórias para si.

Um dos maiores cientistas de todos os tempos, Isaac Newton (1642 à 1726) definiu suas atividades com profundo senso de humildade.

Em uma carta datada de 5 de fevereiro de 1676, e enviada por Newton a Robert Hooke, o cientista escreveu:

“Se eu vi mais longe, foi por estar sobre os ombros de gigantes”.

O fato que levou Isaac Newton a citar a frase foi a contestação de um de seus estudos, feita por Robert Hooke na Royal Society.

Na ocasião, ambos estudavam o mesmo fenômeno, o das cores utilizando um prisma de vidro.

Sendo assim, Hooke teria ficado irritado com o fato de Newton também debruçar-se sobre a questão, levando-o a contestá-lo formalmente.

A resposta de Sir Isaac Newton foi a de que sua pesquisa se baseava na descoberta de outros brilhantes pesquisadores.

Ele citava o próprio Robert Hooke, e até hoje não se sabe se a frase foi uma provocação (dada à baixa estatura de Hooke), ou se foi uma homenagem sincera.

O que se pode dizer é que, de fato, Newton reconhecia que suas descobertas eram frutos de inspiração de seus antecessores.

A origem do termo

A frase não é de Newton, mas uma citação que faz referência a um conceito que teve origem no século 12.

Nanos gigantum humeris insidentes é atribuído a Bernardo de Chartres (1130-1160), importante filósofo platônico francês.

Chartres afirmava que “somos como anões aos ombros de gigantes, pois podemos ver mais coisas do que eles e mais distantes”.

Isso quer dizer que muitas pessoas já se esforçaram para que, hoje, alcançássemos um degrau a mais na nossa evolução.

Para o filósofo, possuir uma visão mais abrangente não é um mérito pessoal, mas é devido àqueles que nos inspiram.

Muito antes de nós houve quem se prestasse à inovação, à ciência e à tecnologia, construindo uma base para nossas criações.

Chartres afirma: “[…] não devido à acuidade da nossa vista ou à altura do nosso corpo, mas porque somos mantidos e elevados pela estatura de gigantes”.

Ou seja, se hoje criamos e desenvolvemos inovação e tecnologia, é porque temos uma base sólida para fazê-lo.

Se um dia te faltar ideia ou criatividade para inovar ou resolver algum problema, olhe para os gigantes que te inspiram.

Lembre-se que somos nanos gigantum humeris insidentes. Essa certeza é o que nos trouxe até aqui, e ainda mais longe nos levará.

Ibraim Gustavo – Jornalista, pós-graduado em Marketing (UNIP) e MBA em Comunicação e Mídia (UNIP). É também escritor, redator e radialista, e possui formação em Profissões do Futuro (plataforma O Futuro das Coisas), e no programa Restartse (plataforma StartSe).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.