• (35) 2105-5555
  • csul@correiodosul.com
  • Rua Marcelino Rezende, 26 - Parque Catanduvas

Hora do Empreendedor com Ibraim Gustavo – Hiperconectividade: O que o público procura na internet?

Hiperconectividade revela a dependência de redes sociais e recursos eletrônicos. Conheça a hiperconectividade, e como ela ajuda na obtenção de dados.

Você tem a sensação de viver conectado o tempo todo, e permanecer assim, em hiperconectividade, diariamente?

Atenção, apesar de trazer bons resultados para o empreendedor, o estado de hiperconectividade também pode ser prejudicial.

Conceito de hiperconectividade

Hiperconectividade é um profundo estado de valorização e dependência dos meios virtuais e dos recursos digitais.

Apesar de estar conectado ser algo muito importante para os nossos dias, a hiperconectividade tem suas questões.

Quanto mais tempo passamos na rede, mais informações e dados a nosso respeito damos às empresas.

Por isso mesmo você procura um produto ou serviço e ele passa a te perseguir por dias, com fotos e vídeos promocionais sobre ele.

Entretanto, você não é obrigado ou coagido a dar informações pessoais, mas em muitas lojas online, você só consegue uma oferta se fornecê-los.

Sempre que você dá o seu email, nome ou número de telefone para baixar um e-book ou participar de um sorteio, você entrega algum dado.

Entre os dados mais comuns que fornecemos, estão:

  • Nome
  • Idade
  • Gênero
  • Local de residência e de trabalho
  • Profissão
  • Email e número de telefone
  • Hobbies

Dados demográficos e geográficos dos usuários são muito importantes para a equipe de marketing.

Com essas informações, o time de marketing consegue encontrar o público certo, e definir a persona da marca ou empresa.

Além disso, os dados ajudam a criar uma campanha específica voltada a esse público, de forma mais personalizada e atraente.

A hiperconectividade em números

Os números falam por si só. Passamos muito tempo em frente às telas, e nos conectamos com o mundo pelo celular.

A hiperconectividade atinge a homens e mulheres, a adultos e crianças de várias localidades do mundo.

Vamos aos números:

Os índices de usuários entre mulheres e homens são semelhantes, sendo de 74% o grupo feminino, e de 73% o masculino.

Já em relação à localização desses internautas, há uma variação mais significativa, havendo uma variação grande dos números.

77% da população que vive na zona urbana utiliza a internet, enquanto que 53% dos que moram na zona rural estão conectados.

O dado interessante está no fato de que, pela primeira vez numa pesquisa do tipo, a conectividade no campo ultrapassou a metade da população dessa localidade.

97% do total da população que tem curso superior faz uso cotidianamente da internet. O índice cai para 16% entre os analfabetos.

Entre as principais ferramentas de conexão dos brasileiros, estão:

  • Smartphones e dispositivos móveis (99%)
  • Computadores (42%)
  • Televisores (37%)
  • Videogames (9%)

Com esses dados, a empresa vai criando um banco de dados rico, dando mais informações à equipe que trabalha com marketing digital.

O que as pessoas fazem na internet?

No mundo todo, cada pessoa passa seis horas e quarenta e dois minutos conectada por dia, em média. Isso, ao longo do ano, corresponde a 100 dias.

Já no Brasil, são nada menos que nove horas e vinte e nove minutos diários, ou 145 dias inteiros do ano dedicados à internet.

Esses números levam o Brasil ao segundo lugar entre os países do mundo que passam mais tempo online

E durante todo o tempo em que estão online, os internautas estão realizando pesquisas, trabalhando ou lendo.

Além disso, tanto no Brasil como fora, as pessoas ouvem música, assistem a filmes e séries, e também fazem compras.

O empreendedor deve ter conhecimento de onde seu público está no ambiente virtual e o que ele está fazendo.

Entre outras coisas, o empreendedor deve aproveitar a hiperconectividade do internauta para saber:

  • Quais sites frequenta;
  • Quais gostos e interesses têm;
  • Quanto tempo passa conectado;
  • Qual o período do dia que está online;
  • Quanto ele está disposto a pagar por determinado produto ou serviço.

Dessa forma, o empreendedor pode tentar se apresentar, conversar com ele, expor sua marca e transformá-lo em cliente.

Os perigos da hiperconectividade

Estar conectado é um benefício muito grande nos dias atuais. Apesar disso, o usuário deve ter muito cuidado.

Toda precaução é bem-vinda quando o assunto são dados pessoais e informações sigilosas.

Forneça seus dados apenas a empresas e sites extremamente confiáveis, tendo a certeza de que você não está sendo prejudicado.

Além disso, doenças psicológicas, crises de depressão e ansiedade já são vistas em larga escala por conta da hiperconectividade.

Todos nós devemos ter atenção para que a hiperconectividade não atrapalhe nossas relações sociais fora do ambiente virtual.

A hiperconectividade precisa somar à nossa vida, trazendo mais respostas e recursos, e não furtar de nós a realidade da vida.

Para não ter prejuízos na sua vida fora da internet, atente-se para que você não seja vítima da hiperconectividade.

Ibraim Gustavo – Jornalista, pós-graduado em Marketing (UNIP) e MBA em Comunicação e Mídia (UNIP). É também escritor, redator e radialista, e possui formação em Profissões do Futuro (plataforma O Futuro das Coisas), e no programa Restartse (plataforma StartSe).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.