Mais quatro trechos da região poderão ser beneficiados com Plano Estratégico Ferroviário de Minas Gerais

Um dos trechos ligaria Varginha ao Vale do Paraíba, em São Paulo; outros dez trechos já estavam entre os que seriam contemplados

Redação CSul – Iago Almeida / Foto:Prefeitura de São Sebastião do Rio Verde

Outros quatro trechos do Sul de Minas poderão ser beneficiados com o Plano Estratégico Ferroviário de Minas Gerais (PEF), elaborado pela Fundação Dom Cabral, sob a liderança do deputado João Leite. O deputado Antonio Carlos Arantes anunciou que trabalha para que a região consiga as inclusões dos trechos, após outros dez terem sido apresentados anteriormente.

Segundo o deputado, o primeiro trecho ligaria os municípios de Passos, Itaú de Minas, São Sebastião do Paraíso e Altinópolis, com Ribeirão Preto, em São Paulo. O segundo trecho, prevê a interligação dos municípios de São Sebastião do Paraíso, Itamogi, Monte Santo de Minas, e Mococa, também em São Paulo. O terceiro abrange os municípios de Monte Belo, Muzambinho, Guaxupé e Guaranésia, até Mococa. E o quarto trecho ligaria Varginha até o Vale do Paraíba, em São Paulo . Os trechos somados cobririam cerca de 750 quilômetros de ferrovias.

“As linhas ferroviárias ainda existem nesses trechos, mas estão desativadas há mais de 20 anos. O fato delas existirem torna sua reutilização mais barata. Precisamos deixar claro que este ainda é um plano, que depois de aprovado, vai precisar do esforço de todos, inclusive dos prefeitos”, afirmou Arantes.

O PEF é composto por um portfólio de projetos priorizados para a implantação e operação de uma nova estrutura ferroviária em Minas Gerais. Como ponto de partida, está sendo construído um diagnóstico do atual sistema ferroviário mineiro, de forma a serem definidas estratégias, e elaborado um plano de investimentos que atenda à demanda do setor e da população mineira.

Prefeitura de São Sebastião do Rio Verde

O plano ferroviário está sendo discutido na Assembleia Legislativa de Minas Gerais e sua implantação prevê fases distintas que irão de 2025 a 2035. Os recursos para sua implantação viriam da mineradora Vale, como compensação ao Estado pelos danos ambientais causados com o rompimento das barragens, e do governo Federal, por meio do Ministério dos Transportes.

O gerente técnico da ANTF, Heider Gomes, apresentou o escopo técnico do trabalho. “Vamos ter um prognóstico até 2035, incluindo a integração do modal ferroviário com outros modos de transporte, com estratégias para aumentar a participação da matriz ferroviária. Estamos muito orgulhosos de participar do projeto”, afirmou.

Até o momento, foram elencadas 60 propostas, agrupadas por áreas temáticas, sendo 23 de transporte ferroviário regional de passageiros, 15 de transporte de cargas, 11 de transporte turístico, 7 contornos e trechos urbanos e 4 plataformas logísticas.

A metodologia que seria utilizada e o cronograma do PEF foram apresentados em audiência pública na ALMG no dia 16 de outubro de 2019 / Guilherme Dardanhan / ALMG

Outros trechos

Em março, o Sul de Minas, onde o turismo deverá crescer com a implantação, já era plano para receber 10 projetos da iniciativa.
As propostas foram apresentadas no auditório do DER-MG, em Belo Horizonte, em fevereiro, para cerca de 180 convidados, entre representantes da sociedade civil, do Poder Legislativo e de entidades ligadas ao setor. Confira:

Ferrovia para transporte de cargas:
Reativação da ferrovia entre Itaú de Minas, São Sebastião do Paraíso e Ribeirão Preto (SP)
 – 7º no ranking

Transporte regional de passageiros
Linha Divinópolis/Lavras
 – 1º no ranking
Linha Lavras/Três Corações/Varginha – 1º no ranking
Linha Varginha/Três Corações/Soledade Cruzeiro (SP) – 4º no ranking
Linha Poços de Caldas/Aguaí/Campinas (SP) – 7º no ranking

Trens turísticos de passageiros
Linha São Sebastião do Rio Verde a Passa Quatro
 – 1º no ranking
Linha Jacutinga (entre bairros Sapucaí e Mons. Dutra) – 4º no ranking
Linha Perdões a Lavras e Carrancas – 5º no ranking
Linha Poços de Caldas a Águas da Prata (SP) – 6º no ranking

Terminais multimodais de cargas
Integração do Porto Seco do Sul de Minas, em Varginha, ao ramal Varginha/Três Corações da FCA – 1º no ranking


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *