Lâmpadas fluorescentes de prédios municipais ganham descarte correto

lampadas
Centenas de lâmpadas fluorescentes queimadas de prédios públicos municipais terão a destinação correta

Centenas de lâmpadas fluorescentes queimadas de prédios públicos municipais terão a destinação correta nesta quinta-feira (1º). A iniciativa é decorrente de uma parceria entre a Prefeitura de Varginha, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semea) e a empresa Reciclagem Santa Maria (RSM).

O analista ambiental da RSM, Ismael Sérgio de Andrade, explica que “as lâmpadas fluorescentes, normalmente possuem pó fosfórico e vapores de mercúrio necessários ao funcionamento, sendo o vapor de mercúrio altamente contaminante, podendo colocar em risco a saúde humana e animal, devido ao fato de os vapores metálicos serem bioacumuladores. Quando respirados por esses organismos, podem ser cancerígenos ou causadores de outras doenças”.

Por representar tais riscos ao meio ambiente e à saúde, as lâmpadas fluorescentes são consideradas resíduos perigosos, pela ABNT NBR 10004/2004, devendo receber atenção especial, quanto ao armazenamento, transporte e destinação final.

Coleta na Prefeitura

Desde julho, um Ecoponto instalado na Secretaria Municipal de Obras (Sosub), no bairro Pinheiros, recebe dezenas de lâmpadas fluorescentes compactas e tubulares dos prédios públicos da Prefeitura. Nesta quinta-feira, um caminhão “papa-lâmpadas” da RSM irá até à Sosub para realizar o descarte correto. O processo é simples e eficiente. O equipamento é adaptado a um tambor metálico, onde ficam armazenados os resíduos de vidro e as partes de alumínio. A operação é feita através da trituração das lâmpadas e sucção dos gases por meio de um sistema de vácuo, passando por um processo de filtragem composto por três etapas.

As micropartículas do vidro, o pó fosfórico e os vapores de mercúrio passam pela filtragem em três estágios, sendo o último, feito de carvão ativado, onde fica retido o mercúrio podendo ser recuperado posteriormente ou destinado ao aterro industrial. “Desta forma os resíduos de vidro, resultantes da trituração das lâmpadas, deixarão de ser resíduos perigosos – classe I, passando a serem classificados como Classe II-A – não perigosos. Somente o filtro de carvão ativado, onde ficará retido o mercúrio, será considerado resíduo perigoso – classe I e deverá receber tratamento especial”, esclarece Ismael.

Processo

Uma área de raio de 10m será isolada. O funcionário da Reciclagem, devidamente protegido pelos Equipamentos de Proteção Individual (EPI) vai comandar o processo. Todas as etapas seguem criteriosamente o Plano de Controle Ambiental.

Para o secretário municipal de Meio Ambiente, Joadylson Barra Ferreira, “essa é mais uma ação do Município que demonstra a preocupação e comprova iniciativas que zelam pela conservação e proteção do meio ambiente e da saúde da população e dos animais”.

Nesta quinta-feira, um caminhão “papa-lâmpadas” da RSM irá até à Sosub para realizar o descarte correto. O processo é simples e eficiente.
Nesta quinta-feira, um caminhão “papa-lâmpadas” da RSM irá até à Sosub para realizar o descarte correto. O processo é simples e eficiente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *