II Simpósio Municipal de Saúde Mental será realizado no Theatro Mestrinho

Em Varginha, o Dia Nacional de Luta Antimanicomial, comemorado em 18 de maio, será lembrado por meio do II Simpósio Municipal de Saúde Mental, que ocorrerá dia 16 de maio, no Teatro Mestrinho.

Evento será a partir das 8horas, com o tema “Uma Clínica para o CAPS”. Informações e inscrições antecipadas podem ser obtidas pelo site: www.capsvarginha.tumblr.com.

Para enriquecer os debates na estruturação de uma clínica para o CAPS, Simpósio contará com a presença dos médicos psiquiatras Dr. Anderson Michel Furtado e Dr. Maurício Miguel Gadbem, profissionais com ampla experiência e vivências clínicas no campo da Saúde Mental.

Ação, direcionada aos profissionais da Rede Intersetorial de Varginha, universitários e público interessadoé uma realização da Prefeitura do Município de Varginha, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, CAPS Adulto, CAPSad e CAPSi.

Sobre o Movimento da Luta Antimanicomial

Se caracteriza pela luta pelos direitos das pessoas com sofrimento mental. Dentro desta luta está o combate à ideia de que se deve isolar a pessoa com sofrimento mental em nome de pretensos tratamentos, ideia baseada apenas nos preconceitos que cercam a doença mental.

Ação faz lembrar que como todo cidadão, estas pessoas têm o direito fundamental à liberdade, de viver em sociedade, além do direto a receber cuidado e tratamento sem que tenham que abrir mão de seu lugar de cidadãos.

Por esta razão, o Movimento tem como meta a substituição progressiva dos hospitais psiquiátricos tradicionais por serviços abertos de tratamento e formas de atençãodignas, diversificadas de modo a atender às diferentes formas e momentos em que o sofrimento mental surge e se manifesta.

Esta substituição implica na implantação de uma ampla rede de atenção em saúde mental que deve ser aberta e competente para oferecer atendimento aos problemas de saúde mental da população de todas as faixas etárias e apoio às famílias, promovendo autonomia, descronificação e desinstitucionalização.

A discussão sobre a possibilidade de uma intervenção social para o problema da saúde mental, especificamente dos absurdos que aconteciam nos manicômios ganhou relevância, permitindo o surgimento específicodeste movimento.

Desde então, a participação de usuários de serviços e seus familiares se tornou característica deste movimento que tem como lema: “Por uma sociedade sem manicômios”, e o 18 de maio foi definido como o Dia Nacional da Luta Antimanicomial, data comemorada em todo o país. Dessa forma, a Reforma Psiquiátrica tem avançado no Brasil; com o número de leitos psiquiátricos reduzido e o número de CAPS (Centros de Atenção Psicossocial) aumentado – e aumentando.

O Movimento da Luta Antimanicomial tem a necessidade de se reunir para definir seus objetivos e suas estratégias de ação no sentido de afirmar e lutar pelo avanço da Reforma Psiquiátrica no Brasil, enfatizando seu caráter democrático, contando com a participação ativa e efetiva dos usuários de serviços de saúde mental, seus familiares, profissionais, estudantes e quaisquer interessados em defender uma postura de respeito aos diferentes modos de ser e a transformação da relação cultural da sociedade com as pessoas que sofrem por transtornos mentais.

Programação

Gésio Rafael Fonseca: Presidente da Associação Mente Saudável

  • 8h30 – Palestra:“Psicose e uso abusivo de álcool e outras drogas” com  Maurício Miguel Gadbem, médico Psiquiatra, membro efetivo da Associação Brasileira de Psiquiatria. Psicanalista, membro da IPA (InternationalPsychoanalyticAssociation). Professor universitário e Mestre em Ciências Médicas pela Unicamp.
  • 9h30: Coffee Break
  • 10h:  Palestra:“Manejo não biológico de pacientes graves – Psicoterapia no contexto do CAPS”, com  Anderson Michel Furtado, médico Psiquiatra, especialista em Psicologia Analítica, professor da UNIFAL, psiquiatra no CAPS adulto  Varginha.
  • 11h: Debates
  • 12h: Encerramento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *