Hospital de Campanha é inaugurado e atendimentos terão início na segunda-feira

Segundo prefeitura, investimentos foram de aproximadamente R$3 milhões

Redação CSul / Iago Almeida / Foto destaque: Prefeitura Municipal

Com previsão de início estipulada para o último dia 20 de maio, o Hospital de Campanha do Município de Varginha (HCMUV) começará enfim os atendimentos após dias de atraso. A inauguração aconteceu na manhã desta sexta-feira (19), com culto ecumênico celebrado no campus da Universidade Federal de Alfenas (Unifal), onde foi montada a estrutura.

Na próxima segunda-feira (22), funcionamento HCMUV será exclusivo para internação de pacientes com suspeitas ou casos confirmados da Covid-19 que vão chegar dos prontos atendimentos e unidades de saúde via regulação dos SUS Fácil. A Prefeitura alterou o projeto, que inicialmente falava que os pacientes com Covid-19 seriam atendidos na UPA e os demais com outras doenças seriam atendidos no Hospital de Campanha. Assim, a Unidade de Pronto Atendimento funcionará normalmente, atendendo a população sem sintomas do Coronavírus.

“Quem tem sintomas de síndrome respiratórias que possam ser de coronavírus deve ir à UPA ou aos atendimentos de costume como unidades de saúde e hospitais que aí sim farão o encaminhamento via SUS Fácil para o HCMUV”, explica Rosana Moraes, diretora da UPA.

Serão 140 profissionais de saúde trabalhando no local. A seleção foi simplificada e caso a demanda aumente e não tenha profissionais interessados na lista do concurso, será aberto então um novo processo seletivo.

Solenidade

Na solenidade, na manhã desta sexta-feira (19), compareceram diversas autoridades, entre elas, o prefeito Vérdi Melo, a presidente da Câmara, Zilda Silva, os secretários municipais de Saúde Luiz Carlos Coelho e de Governo e Habitação e Desenvolvimento Social, Honorinho Ottoni. Representando a Unifal, o professor Silvio Antônio Bueno Salgado e o procurador-geral do Município, Evandro Santos.

O prefeito de Varginha, Vérdi Melo, ao fazer o seu pronunciamento agradeceu o empenho de todos que colaboraram com o HCMUV, como a equipe da UPA, e foi enfático ao afirmar que “Varginha venceu o primeiro desafio de conseguir montar um Hospital de Campanha e que prefere pecar pela precaução do que pela omissão”. Vérdi disse ainda estar atento e que poderá realizar a partir da próxima semana um mutirão que percorrerá principalmente os bairros onde muitos estabelecimentos comerciais não tem cumprido as regras do Decreto Municipal.

Ao final da solenidade, houve um momento de espiritualidade com a participação do pastor evangélico Paulo Marangão e Denise Costa, do Centro Espírita Francisco de Assis que com citações bíblicas ressaltaram a importância da fé juntamente com obras. A ausência de um representante da igreja católica deveu-se à comemoração do Dia do Sagrado Coração de Jesus, quando os padres tinham um momento on-line com o bispo da Diocese.

Logo após, houve o descerramento da fita na entrada do HCMUV e posteriormente, preservando o distanciamento, grupos de no máximo seis pessoas foram acompanhados para conhecer a estrutura que atenderá os pacientes.

Estrutura

O local conta com 56 leitos, sendo que, inicialmente, 20 de enfermaria e 8 de CTI já estão disponibilizados para o início dos atendimentos, e caso haja demanda, os demais entrarão em funcionamento.

A estrutura física conta com recepção, faturamento, enfermarias (2 setor que de imediato já vão receber pacientes e mais 3 que poderão entrar em funcionamento), UTI (com 8 leitos), farmácia, setor de raio X, setor Administrativo, setor de higiene e limpeza, refeitório, dormitório e sala de estar.

Essa estrutura se somará a já existente na rede de saúde de Varginha que conta com quatro hospitais. “Apesar dessa estrutura é importante a população não relaxar nas medidas de prevenção que são o uso correto da máscara cobrindo nariz e boca, a higienização das mãos, o distanciamento e o isolamento social”, reforça o secretário municipal de Saúde, médico infectologista Luiz Carlos Coelho.

Ele ressalta que principalmente os quintais das casas não devem, nesse momento, ser usado para confraternizações e que as pessoas só devem sair quando extremamente necessário. “Estamos caminhando para um cenário preocupante com o aumento do número de casos de infectados com o coronavírus e se a população não puxar para si a responsabilidade, não teremos leitos para atender todos os pacientes”, alerta o Secretário.

O CSul esteve no local para registrar como estavam as instalações, no dia em que o Hospital de Campanha foi apresentado à imprensa, em 5 de maio. Confira fotos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *