Falso médico usa dados de hospital para aplicar golpes em Varginha

Direção do Hospital Regional acredita que computadores possam ter sido invadidos por hackers, Varginha (Foto: Divulgação )
Direção do Hospital Regional acredita que computadores possam ter sido invadidos por hackers, Varginha (Foto: Divulgação )
Famílias de Varginha denunciaram à polícia terem sido vítimas de um golpe aplicado por um falso médico. Ele estaria agindo em nome do Hospital Regional desde a segunda-feira (11). Segundo a polícia, um homem liga para a família de pacientes internados na instituição, com informações sobre a pessoa, e cobra um valor acima de R$ 1 mil para cobrir custos extras. Nenhum suspeito foi localizado.
A polícia registrou três vítimas em apenas um dia. Uma delas, uma mulher que preferiu não ser identificada, conta que está com a mãe internada no hospital há 12 dias por causa de uma cirurgia no coração. Segundo ela, a ligação foi feita perto da hora do almoço.
“Ele já sabia meu nome, sabia que eu era responsável pela paciente, ‘né’, e aí ele disse que a minha mãe estava…tinha piorado, estava com hemorragia interna, que ela teria que passar por um procedimento que não era coberto pelo SUS e que eu teria que fazer um depósito”, conta.
A mulher, então, disse ao médico que precisava de alguns minutos para ver com o pai se eles tinham R$ 1,5 mil. Nesse momento, o suposto médico passou a conta onde deveria ser feito o depósito.
Quando a mulher viu que era uma poupança, ela desconfiou de um golpe. “Na hora que eu liguei no hospital eles falaram que era mentira, que o médico não tinha ligado na minha casa e que era um trote”, explica.
A segunda vítima foi um homem, que está com o pai internado após passar por uma cirurgia no Hospital Regional. Para ele, o suposto médico disse a mesma coisa, que os R$ 1,5 mil eram para exames laboratoriais em outro hospital.
“Ele sabia o estado clínico exato do meu pai, ele sabia que ele já tinha operado, ele sabia que já tinha chegado na UTI, sabia até do exame que ele tinha feito ontem. Ao invés da gente ir em uma agência, a gente veio primeiro para o hospital pra ter notícia. Quando chegou aqui a gente ficou sabendo que era golpe”, conta o homem, que também preferiu não ser identificado.
Já a terceira vítima, uma mulher que está com o marido internado há mais de um mês, acreditou no falso médico e acabou fazendo o depósito. A agência bancária para onde o dinheiro foi depositado é do Mato Grosso.
 
Reincidência
Segundo o diretor geral do Hospital Regional, essa não é a primeira vez que esse golpe é aplicado usando o nome do hospital.
“Não só no Hospital Regional como em outros hospitais. Esse é um evento que tem aumentado muito, infelizmente, num momento desse que nós estamos vivendo, de todo tipo de violência contra o cidadão, o que nós podemos fazer é tentar um mecanismo, com [uma] estratégia, evitar que o paciente caia num golpe desse”, disse Aniel Braga.
Ainda segundo o diretor do hospital, nenhum procedimento é comunicado à família por meio de telefone. “Em hipótese alguma faz telefonema cobrando, pedindo valor financeiro, principalmente se o paciente for do SUS. É proibido, terminantemente, qualquer cobrança financeira de paciente do SUS”, completa Braga.
A direção do hospital acredita que hackers estão invadindo os computadores e tendo acesso a nomes, endereços, números de telefone e prontuários. A Polícia Militar não descarta a possibilidade de que essas informações estejam saindo de dentro da instituição.
“Alguém consegue invadir o sistema, por meio de ‘n’ ferramentas pelo computador e ter acesso a todas as informações de internação, alta, cirurgia, etc”, completa o tenente da Polícia Militar, Tony Kleiser.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *