Antônio Silva foi primeiro a administrar Varginha por quatro mandatos e também a renunciar; confira biografia completa

Antônio Silva renunciou ao cargo de prefeito de Varginha nesta segunda-feira (6), após quatro mandatos a frente do Executivo do município; foi o primeiro prefeito a conseguir a marca. Além disso, ele também foi o único prefeito na história da cidade que renunciou ao cargo.

Nos quatro mandatos, Antônio Silva buscou transparência e responsabilidade junto à população da terceira maior cidade do Sul de Minas. De origem humilde, sua mãe era professora e seu pai, alfaiate. Por onde passou e nos cargos que exerceu, deixa um legado de muitas obras e um exemplo de honestidade, probidade e integral dedicação à vida pública.

Ele deixa a prefeitura em meio a crise de pandemia do Coronavírus, talvez magoado pelas críticas que veio recebendo na internet nos últimos dias, de parte da população inconformada com a decisão de reabertura do comércio, que ele tinha decretado na última sexta-feira (3), e voltado atrás no domingo (5), mantendo o comércio fechado. Além disso, ele foi questionado pelo Ministério Público, Secretaria de Estado da Saúde, Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus, Associação Médica, Associação Comercial, Conselho Municipal de Saúde, o que pode ter agravado para sua decisão.

Antônio Silva e Vérdi Lúcio Melo com o presidente Jair Bolsonaro, em Varginha / Ascom Prefeitura de Varginha

Biografia

Antônio Silva, nasceu em Lavras, no dia 03/02/1942, terra natal de sua mãe e de seus avós maternos. Seu pai era de Itutinga, na época, Distrito de Lavras.

Passou sua infância e adolescência com seus pais nas cidades de Itutinga e Itumirim, onde permaneceram até 1960. De origem humilde, sua mãe era professora e seu pai, alfaiate e funcionário da Prefeitura de Itumirim.

Em 1960, sua família mudou-se para Varginha em virtude de seu pai ter sido aprovado em concurso público e nomeado Fiscal de Rendas do Estado de Minas Gerais.

De 1955 a 1961, cursou o ensino fundamental e médio, em regime de internato, na Escola Agrotécnica Federal de Barbacena, hoje Instituto Federal Sudeste.

Em dezembro de 1961, com 19 anos, foi aprovado em 5º lugar em Minas Gerais no Concurso Público para a Coletoria Federal, órgão arrecadador dos tributos federais do Ministério da Fazenda, tendo sido nomeado em 1963, trabalhando como Coletor Federal nas cidades de Joaíma e Carmo do Rio Claro e em 1969, com a criação da Receita Federal, passou a integrar o seu quadro de funcionários, na Delegacia da Receita Federal desta cidade, tendo ocupado o cargo de chefia da Turma de Preparo e Julgamento de Processos e o primeiro Coordenador local do antigo Centro de Treinamento de Pessoal do Ministério da Fazenda.

Em 1970, licenciou-se da Receita Federal, sem remuneração, demitindo-se dois anos depois,para assumir a direção da empresa PAULMAQ LTDA., Concessionária de Tratores Massey-Ferguson e de diversas marcas de implementos agrícolas, tendo expandido os seus negócios com a matriz em Varginha e filiais nas cidades de Formiga, Lavras e Boa Esperança, chegando a vender cerca de 500 tratores por ano.

Formado em Direito, pela FADIVA, a partir de 1981, deixou a empresa para dedicar-se à advocacia com ênfase na área tributária.

Em 1982, ano de eleições estaduais e municipais, interessou-se pela política, filiando-se ao PMDB, quando, por este Partido, Tancredo Neves elegeu-se Governador de Minas e Dilzon Melo Prefeito de Varginha.

Convidado pelo Governador, foi nomeado Superintendente Regional da CAMIG, função que exerceu nos anos de 1983 a 1985 e em 1986, foi Secretário Municipal de Administração na gestão do Prefeito Dilzon Melo.

Paralelamente, a partir de 1983, tornou-se sócio majoritário da empresa Mantiqueira Auto Peças Ltda. Que manteve até o ano de 1993.

Nas eleições de 1988, sucedeu Dilzon Melo na Prefeitura de Varginha, cumprindo o seu primeiro mandato de Prefeito de 1989 a 1992. Neste ano, o candidato por ele apoiado, Aloísio Ribeiro de Almeida, saiu vitorioso, assumindo a Prefeitura em 1993, em cuja administração, durante o ano de 1994, foi Secretário Municipal do Bem Estar Social.

De 1994 a 1996, assumiu o cargo de Diretor Executivo da empesa Rivecar Veículos Ltda., da cidade de Três Corações, do grupo CIVE, recuperando a empresa, de onde saiu para disputar as eleições de 1996, elegendo-se Prefeito pela segunda vez, para o quadriênio 1997/2000.

Não tendo sido reeleito em 2000, retornou à advocacia, fez cursos de pós-graduação em direito e advogou até 2012. Nesse ínterim, foi candidato, em 2002, a Deputado Federal, tendo obtido a expressiva votação de 34.000 votos, ficando como Suplente.

Em 2012, venceu novamente as eleições para Prefeito, cumprindo o seu terceiro mandato de 2013 a 2016 quando, reeleito, administrou a Prefeitura de janeiro de 2017 até hoje, 06/04/2020, quando, por razões de foro íntimo, decidiu renunciar ao cargo.

Por onde passou e nos cargos que exerceu, deixa um legado de muitas obras e um exemplo de honestidade, probidade e integral dedicação à vida pública.

Foi casado com Ieda Carvalho Silva, falecida em 1992, casando-se, pela segunda vez, em 1995, com Shirley C. Baroni Silva, com quem vive até hoje. Pai de 5 filhos e avô de 7 netos.

Redação CSul – Iago Almeida / Foto destaque: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *