“5ª dor – Maria aos pés da Cruz” é meditada hoje; Confira mensagem especial do seminarista Gabriel Henrique

A semana que antecede a Semana Santa é, para os católicos, a Semana das Dores. Esta festa celebrada sobretudo pela Ordem dos Servos de Maria, foi estendida á Igreja universal pelo Papa Pio VII, em 1814. É uma semana em que sete dores de Maria, mãe de Jesus, são relembradas, mas podem ser as dores de qualquer mãe. As dores de Nossa Senhora são parte integrante da História da Salvação para o catolicismo. Com a mãe das Dores aprendemos que a salvação passa pelo caminho do sofrimento.

Quinta dor

Nesta quinta-feira (11), a quintador de Maria é meditada. Confira mensagem especial e programação das nove paróquias de Varginha, abaixo.

“Amados filhos, na meditação desta minha dor encontrareis consolo e força para vossas almas contra mil tentações e dificuldades e aprendereis a ser fortes em todos os combates de vossa vida. Vede-me aos pés da Cruz, assistindo à morte de Jesus, com a alma e meu coração transpassados com as mais cruéis dores! Não vos escandalizeis com o que fizeram os judeus! Eles diziam: ‘Se Ele é Deus, por que não desce da cruz e se livra a si próprio?!’ Pobres judeus, ignorantes uns, de má fé outros, não quiseram crer que Ele era o Messias. Não podiam compreender que um Deus se humilhasse tanto e que a sua divina doutrina pregava a humildade. Jesus precisava dar o exemplo, para que seus filhos tivessem a força de praticar uma virtude, que tanto custa aos filhos deste mundo, que têm nas veias a herança do orgulho. Infelizes os que, à imitação dos que crucificaram a Jesus, ainda hoje não sabem se humilhar! Depois de três horas de tormentosa agonia, meu adorável Filho morre, deixando-me a alma na mais negra escuridão! Sem duvidar um só instante, aceitei a vontade de Deus, e no meu doloroso silêncio, entreguei ao Pai minha imensa dor, pedindo, como Jesus, perdão para os criminosos. Entretanto, quem me confortou nesta hora angustiosa? Fazer a vontade de Deus foi o meu conforto; saber que o Céu foi aberto para todos os filhos foi meu consolo! Porque Eu também no Calvário fui provada com o abandono de toda consolação! Amados filhos, sofrer em união com os sofrimentos de Jesus encontra consolo; sofrer por ter feito o bem neste mundo, recebendo desprezos e humilhações encontra força. Que glória para vossas almas, se um dia por amar a Deus com todo o vosso coração, fordes também perseguidos! Aprendei a meditar muitas vezes nesta minha dor, que ela vos dará força para serdes humildes: virtude amada de Deus e dos homens de boa vontade.”

Mensagem especial

O Seminarista Gabriel Henrique, do 3° ano de Filosofia do Seminário Diocesano Nossa Senhora das Dores, em Campanha-MG, enviou mensagem especial ao CSul. Confira:

Reprodução Google

MARIA AOS PÉS DA CRUZ

Neste dia somos convidados a refletir a quinta dor da Virgem Santíssima, quando ela, aos pés da cruz, vê a crucifixão e morte de Jesus. O evangelista João afirma: “Perto da cruz de Jesus, permanecia de pé sua mãe” (Jo 19, 25). Maria foi presença firme na vida de Jesus e não hesitou em estar junto da cruz, unida ao filho, no ápice da dor e do sofrimento.

Maria sofreu profundamente. Com efeito, a constituição dogmática Lumen Gentium nos diz que ela esteve associada de coração maternal ao sacrifício de Jesus (cf. LG, n. 58). Ter permanecido de pé, mais que uma postura corporal, significa sua confiança inabalável em Deus mesmo diante da dor e da angústia e sua esperança firme de que as trevas da morte dariam lugar à aurora da ressurreição que, mais tarde, resplandeceria reluzente.

Diante disso Maria permaneceu no silêncio, guardando tudo em seu coração (cf. Lc 2, 19) e, assim, entregando tudo ao Pai celeste: sua vida, sua história, seu sofrimento, o fruto do seu ventre. Ao martírio do filho imolado na cruz, uniu-se o martírio da Virgem no coração transpassado pela espada (cf. Lc 2, 35).

É necessário que todos nós permaneçamos juntos da cruz, porque através dela percebemos a misericórdia de um Deus que se doou para que fôssemos salvos. Jesus crucificado é o reflexo mais evidente do amor de Deus por cada um de seus filhos e a cruz, sinal de dor e de morte, é também o lugar da esperança na ressurreição, da glória, da salvação. Diante dos nossos sofrimentos, temos o exemplo e a intercessão da Mãe do Senhor, que sempre está perto daqueles que são maltratados e desgastados pelo pecado e por suas dramáticas consequências.

Rogai por nós, ó Virgem Dolorosíssima, para que sejamos dignos das promessas de Cristo!

Gabriel Henrique da Silva
Seminarista do 3º ano de filosofia – Diocese da Campanha

Programação em Varginha

As nove paróquias da cidade prepararam celebrações especiais com mensagens e temas importantes para lembrar as sete dores de Maria. O CSul traz a programação completa de cada uma das paróquias (confira abaixo):

Paróquia Matriz do Divino Espírito Santo

Domingo (7):
18h – Abertura da Semana das Dores com celebração da Santa Missa na Matriz do Divino

Segunda (8) à sábado (13):
19h – Celebração da Santa Missa na Matriz de São José, no bairro Vila Barcelona

 

Paróquia Nossa Senhora do Rosário

Domingo (7) à sábado (13):
7h – Celebração da Santa Missa na Matriz do Rosário
19h30 – Momento devocional a Nossa Senhora na Matriz do Rosário

Sexta (12):
19h30 – Via Sacra Luminosa em todas as comunidades da Paróquia do Rosário

Paróquia Nossa Senhora de Fátima

Domingo (7):
17h30 – Terço na Matriz de Fátima
18h – Abertura da Semana das Dores com celebração da Santa Missa na Matriz de Fátima

Segunda (8) à sábado (13):
18h30 – Terço na Matriz de Fátima
19h – Celebração da Santa Missa na Matriz de Fátima

Paróquia Mártir São Sebastião

Domingo (7) à sábado (13):
19h – Celebração da Santa Missa na Matriz do Mártir, no bairro Centro

Cada dia haverá um padre convidado para presidir a celebração e a pregação das Dores de Maria.

 

 

Paróquia Cristo Luz dos Povos

Domingo (7) à sábado (13):
19h30 – Celebração da Santa Missa na Matriz de Nossa Senhora Aparecida, no bairro N. S. Aparecida ao lado do Cidade Nova

 

 

Paróquia Sant’Ana

Sábado (6) à sexta (12):
19h – Celebração da Santa Missa na Matriz de Sant’Ana, no bairro Santana

Sábado (13):
“Vinde, voltemos ao Senhor.” (Os 6, 1a)
19h – Celebração da Santa Missa na Matriz de Sant’Ana e encerramento do Retiro Popular da Quaresma

Paróquia Santo Antônio de Sant’Ana Galvão

Domingo (7) à sábado (13):
19h – Celebração da Santa Missa na Matriz de Frei Galvão, no bairro Damasco

 

Paróquia Imaculada Conceição

Sábado (6):
19h30 – Celebração da Santa Missa e 1ª Dor de Maria na Comunidade São Pedro

Domingo (7):
09h30 – Celebração da Santa Missa e 2ª Dor de Maria na igreja São Judas Tadeu

Segunda (8) à sexta (12):
19h30 – Celebração da Santa Missa e meditação das Dores de Maria nas comunidades: Matriz da Imaculada Conceição (3ª dor), São Judas (Rural) (4ª), Comunidade São José (5ª), Comunidade São Lourenço (6ª) e Comunidade Santa Teresinha (7ª).

Sábado (13):
19h30 – Celebração do Desagravo na Comunidade Nossa Senhora das Dores

Paróquia São José

Domingo (7) à sábado (13):
19h – Celebração da Santa Missa na Matriz de São José, no bairro Vila Barcelona

 

Campanha

Igreja das Dores
Catedral Santo Antônio

Domingo (7):
19h – Celebração da Santa Missa na Catedral Santo Antônio, em seguida procissão com a imagem de N. S. das Dores para a Igreja das Dores

Segunda (8) à sábado (13):
18h30 – Recitação da Coroa de Nossa Senhora das Dores na Igreja das Dores
19h – Celebração da Santa Missa na Igreja das Dores

 

 

Redação CSul – Iago Almeida / Foto: Reprodução Google

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *