Prefeita de Liberdade rebate críticas e se diz vítima de ataque dos vereadores

A prefeita de Liberdade, Rita Rodrigues (PMDB), ocupou a Tribuna da Câmara de Vereadores recentemente para se defender das acusações da qual, segundo ela própria declarou, se diz vítima.

A prefeita solicitou um Direito de Resposta à Mesa Diretora da Câmara, que prontamente atendeu à solicitação da chefe do Executivo Municipal. Rita Rodrigues apontou cada um dos comentários feitos pelos vereadores durante as últimas sessões ordinárias, citando nomes e datas dos comentários feitos por ele. Ela rebateu a cada uma das críticas feitas pelo edis.

Abaixo, a íntegra do Direito de Resposta feito pela prefeita Rita Rodrigues da Câmara de Vereadores de Liberdade:

“Excelentíssimo senhor presidente da câmara, excelentíssimos senhores vereadores, colegas de trabalho, população aqui presente e ouvintes da web.
Pedi ao excelentíssimo presidente dessa nobre Casa Legislativa, meu Direito de Resposta pelos ataques que a muito venho sofrendo por parte de alguns vereadores. Diante disso, faço as seguintes considerações:
Na reunião do dia 20 de abril, o excelentíssimo senhor vereador Amarildo de Seixas Farias, fez um comentário sobre a questão do cemitério, da falta de espaço, que o problema estava porta adentro. E que, se o Executivo não tem condições de criar, procure copiar.
Quero lhe dizer o seguinte, nobre vereador, uma das primeiras verbas que busquei foi justamente para o muro do cemitério e construção de gavetas, recurso este que recebemos. Infelizmente a quantia não contempla as gavetas. Para tanto busquei ideias em cemitérios de municípios próximos. Esclareço que ideias de outros municípios que deram certo, nada tenho contra para trazer de modelo para executar aqui. Um exemplo foi a feira rural, que acontece uma vez por mês.
Nessa reunião, o excelentíssimo senhor vereador Amarildo de Seixas Faria, falou ainda sobre o raio X, que quando feita a concessão para Aiuruoca, eles acharam melhor fazer Raio X lá, pois tinham o técnico e o médico ortopedista. Então tenho e devo dizer que, da mesma forma que o senhor me chamou de mentirosa em uma das reuniões da câmara, perante os aposentados, eu digo e provo que quem faltou com a verdade foi o excelentíssimo vereador, pois na ocasião o raio X foi lacrado pela vigilância sanitária, conforme o documento que tenho aqui. E não porque acharam melhor. E mais, minha equipe com muito esforço, garra e competência buscou e conquistou novamente a liberação do raio X, que atualmente está atendendo o nosso povo de forma gratuita desde 18 de abril deste ano.
Na reunião do dia 20 de junho, o excelentíssimo vereador disse que o MDB, o partido político do qual faço parte, é: Mato, Ditadura e Buraco; pois mais uma vez provo que o senhor falta com a verdade. O MDB foi e continua sendo o partido que mais fez por Liberdade: construção do hospital, construção da Seltur, campo de futebol, pracinha, calçamento de ruas, além dos R$ 3.618.758,82 indicados nesta gestão. Quando o senhor fala de mau caratismo da prefeita que administra a prefeitura como se fosse vice-diretora puxada por um diretor, mais uma vez o senhor falta com a verdade; lá na escola onde trabalhei, ninguém puxava ninguém, era um trabalho em equipe onde um respeitava e ajudava o outro. Bem se mostra que não [o senhor] tem noção do que fala. E hoje, mulher que é independente não precisa ser puxada por homem nenhum, ela age sozinha.
Quando o senhor disse que quem somos nós, para julgar a incompetência do outro? Daí devolvo-lhe a pergunta: Qual é a palavra mais usada pelos senhores ao atacar os secretários desta gestão? Se os senhores estão acostumados a usar direto este termo aqui, porque o advogado não pode usar na defesa? Já que a servidora também fez parte da equipe.
Quando o senhor fala para ter mais respeito com funcionário, tenho certeza que não fala da prefeita, pois não fui eu que tirei os direitos dos funcionários municipais e os destratei. Jamais fiz isso. Mais uma vez quem falta com a verdade?
Quando fala do carnaval, da Exposição Agropecuária, onde a outra gestão só gastou R$ 500, eu, prefeita, lhe pergunto: Tinha exposição? Exposição de quê? Tinha torneio leiteiro? Tenho certeza que não. E, se houve um gasto maior, este foi dentro do orçamento previsto para isso e não houve atraso de pagamento, nem dos aposentados e nem do pessoal da ativa.
Excelentíssimo senhor vereador Amarildo, o senhor disse que não houve planejamento na exposição. Mais uma vez o senhor falta com a verdade, sabe por quê? Queríamos cortar gastos, tentamos terceirizar o evento sem custo algum para o município, só que a licitação deu deserta, e mesmo assim a exposição aconteceu. Ou não aconteceu? Inclusive elogiada pelos produtores do torneio e população.
Mais um equívoco do senhor vereador Amarildo, quando fala em cassar prefeito que saiu. Prefeito que saiu não se cassa, se processa, ele já saiu, o mandato já acabou.
E com relação a minha popularidade no dia carreata, lhe digo que ela foi feita no momento por quem ali estava ao meu lado, não tinha nada combinado e muito menos gasolina paga para que as pessoas pudessem participar. Quero deixar claro que esta administração continuará a buscar o melhor para o município de Liberdade.
Na reunião do dia 20 de abril, o excelentíssimo senhor vereador José da Paixão Costa disse que nessa reunião houve uma sucessão de reclamações e repetições, que nunca houve uma administração tão ruim, tão irresponsável, centralizadora, incompetente, que só faz burrice! Então, deixe-me dizer ao nobre vereador: administração ruim para mim é aquela que deixa os aposentados 78 dias sem pagamento. Administração incompetente é aquela que tem dinheiro em conta para fazer um calçamento e não o faz! Que tem dinheiro em conta para comprar um trator e não compra. Para comprar um caminhão e não o faz. Isso, nobre vereador, é se dar atestado de incompetência, principalmente porque não podiam buscar os recursos indicados por falta de regularização do CAGED e CAUC, o que a nossa administração colocou em dia e com isso conseguiu atrair recursos para o município.
Se conseguir para um município o total de R$ 3.618.758,82 de verbas em um ano e meio de mandato é ser irresponsável, ruim e incompetente, a competência, então, deve estar naquele governo e naqueles vereadores que aprovaram uma Lei que terceirizou a saúde de nossa cidade. Ao aprovarem a terceirização, basicamente fecharam o hospital municipal de Liberdade. Esses são os competentes? Falando em incompetência, que é a palavra que o senhor tanto gosta de usar para atingir meus secretários e minha administração, pergunto: Quantos projetos o competente vereador em seus anos de mandato, fez para o benefício de nossa cidade.
O senhor, excelentíssimo vereador, disse que a Saúde na gestão passada estava dando certo, que esta gestão veio e mudou. A mudança não foi porque quis. O senhor enquanto vereador da base na gestão passada algum dia pegou o contrato executado para analisá-lo? Se o tivesse feito, teria visto o erro. Foi alguma vez verificar junto à Vigilância Sanitária se a documentação a qual o senhor aprovou estava correta? Se tivesse ido teria constatado as irregularidades. Quem é incompetente então?
Outra indagação: O senhor vereador alguma vez na gestão passada, pediu ao prefeito para acabar com a buraqueira da cidade? Já que a mesma citada pelo senhor como problema atual, veio como herança? Pois lhe digo, estamos empenhados e vamos mudar esse cenário.
Nessa mesma reunião ouvi o senhor repetindo o juramento que todos os senhores vereadores tiveram que fazer no ato de sua posse: “Prometo cumprir a Constituição Federal, Estadual, a Lei Orgânica do município, Regimento Interno, observar as leis e desempenhar com retidão o mandato que me foi confiado e trabalhar pelo progresso do município e o bem estar do povo.” Em que momento o senhor, fez uso desse juramento enquanto presidente da comissão processante? O senhor feriu o princípio da legalidade e isonomia de provas. Da Lei Orgânica e Regimento Interno, e não cumpriu o rito estabelecido para dar processo legal.
O excelentíssimo senhor ainda disse que era para parar de pagar jornal, e fazer um boletim informativo para tudo que acontece na cidade. Mas quando faço os banners com as conquistas para o município e prestando uma homenagem àqueles que de uma forma ou de outra, trouxeram benefícios para o nosso povo, o senhor e os demais vereadores me denunciaram no Ministério Público. Que coisa hein?! Parece que está meio perdido. Deixo bem claro, o que tiver que ser feito para o povo será feito. Estamos aqui pra isso e vamos continuar com as divulgações.
Na reunião de 20 de abril, o excelentíssimo senhor vereador José da Paixão Costa disse que é triste ver uma pessoa que estava na prefeitura há quatro mandatos ser demitida. Acho que não ouvi em nenhum momento esse tipo de colocação quando o Executivo da gestão passada, na qual o senhor vereador era da base, demitiu vários funcionários concursados, inclusive funcionários estes que estão na Justiça, pleiteando os seus direitos.
Quando o senhor fala do portão fechado da prefeitura, esclareço que é para que a população tenha um único acesso a todos os setores de atendimento ao público, já que o setor de transporte foi transferido para o andar superior. O prédio público da Prefeitura é do povo sim, senhor vereador. Mas não fui acusada pelo senhor, como presidente de uma Comissão Processante, de negligenciar bens públicos? A acusação serviu como alerta. Sendo assim, o portão fechado nos ajuda a controlar melhor os bens públicos que ali estão. Quando o senhor fala que o processo não acabou, é por bem lembrá-lo que o seu recurso na Instância Superior foi derrotado. O Parecer da Meritíssima Juíza de Aiuruoca prevaleceu.
Na reunião do dia 20 de abril, o excelentíssimo senhor vereador Marcelo de Jesus Domingues, disse que o deputado que encontramos em Juiz de Fora, orientou que era para continuar com o gestor de Aiuruoca, excelente gestor, e que eu, prefeita, queria tomar conta de tudo sozinha e montei minha equipe. E mudei a gestão do hospital. Lógico, como fizeram todos os prefeitos que por aqui passaram e montaram sua equipe; montei a minha equipe que, por sinal, é muito boa e competente, não desmerecendo as outras, justamente porque temos a secretária de Saúde que continua a mesma da gestão anterior. Pois foi essa equipe que percebeu os erros na execução do contrato terceirizado do hospital.
O senhor disse que a educação continua a mesma coisa. Engraçado, se não estou enganada, foi o senhor quem disse numa reunião passada que eu e a secretaria Laís, iriámos gastar o recurso da Educação Integral em outro lugar. Quero lembrar ao senhor vereador, que usar recurso destinado para Educação, Saúde ou qualquer outro setor em outro finalidade é crime e nós não fazemos isso, e ainda temos um Assessoria Jurídica de excelência e financeira que de forma nenhuma iria nos deixar cometer tal absurdo.
Gostaria de lembrar ao excelentíssimo senhor vereador, que em momento algum ou para alguém, muito menos para o nobre vereador, proibi postagem em redes sociais. Ou melhor, não tenho poder para isso, de proibir as pessoas de postarem em redes sociais. Mas o senhor vereador deve saber que as postagens – se não quiserem ser processadas – que usem apenas verdades e não injúrias e difamação. E pegando o gancho, na sua fala, da mesma forma que o senhor foi eleito pelo povo, eu também fui! E junto com a minha equipe continuaremos a buscar mais pela população.
Na reunião de 20 de abril, o excelentíssimo senhor vereador Dênis Alexandre Alves disse que, no encontro que tivemos com o deputado estadual apoiado pelo mesmo, sobre os custos de um hospital meia boca, a Prefeitura gastaria R$ 250 mil, e para um hospital de nível superior, precisaríamos de R$ 750 mil, o que nosso município não tem condições de manter. O senhor deve ter esquecido que esse mesmo deputado sugeriu para nós todos que deveríamos ter somente ao atendimento de UBS e que, à noite, segundo as palavras do mesmo deputado, não teríamos muito atendimento, e que, assim, irámos gastar dinheiro à toa com Pronto Atendimento. O que nós prontamente fomos contra, pois sabíamos da necessidade da nossa população em um socorro noturno. E quanto a não assumir o P.A. ficaríamos como?
1º – A gestão anterior estava devendo mais de dois meses para o Hospital de Aiuruoca e eles não quiseram renovar; 2º – foram verificados uma série de erros na execução do contrato. O senhor queria que continuasse no erro?; 3º – A vigilância sanitária não ia autorizar o funcionamento do mesmo junto a Aiuruoca para o ano de 2017. E aí? Esperar lacrar para reabrir quando? E o povo seria atendido onde? Fiz o que tinha de ser feito para o bem do povo e continuarei fazendo junto com a minha equipe de governo.
Na reunião do dia 20 de abril, o excelentíssimo senhor vereador João Batista de Carvalho estava indignado ao ponto que chegou o Pronto Atendimento. “Era favorável ao governo para ter uma saúde melhor. Mas só tem mentira na saúde.” Pergunto ao nobre vereador: O Raio X funcionando é uma mentira? Os dois carros que conseguimos para a saúde foi uma mentira? E as ambulâncias? Os exames gratuitos para a população é mentira? O atendimento médico 24 horas, é uma mentira? Mentira foi falar que o calçamento da rua de sua residência foi fundo perdido da Caixa Econômica. O senhor vereador tem como provar esse fundo perdido? Quando o senhor João Batista de Carvalho disse que há uma ditadura por processar um casal que divulgou inverdades sobre a administração, que há perseguição, Eu, Rita de Cássia Rodrigues lhe digo: conheço e sei o que é ditadura. Conheço, sei e vivo e pratico a democracia; e democracia é não faltar com a verdade. Nunca importei quando colocaram a verdade nas redes sociais, inclusive tais postagens servem para nortear os trabalhos, através da avaliação da população. Mas denegrir, atacar a administração e os funcionários públicos no exercício de suas funções, eu não posso e não vou admitir, doa a quem doer, principalmente com inverdades.
O senhor ainda disse que estamos sem Saúde, sem Segurança e sem Educação. Devo lembrá-lo que, se hoje perdemos um projeto que foi aplaudido de pé pela Superintendência Regional de Ensino de Caxambu, onde as nossas crianças estariam de 9 às 17 horas na escola, tendo várias atividades e gerando empregos, foi porque o referido projeto não teve dotação aprovada em tempo hábil. Isso levou o nosso Município a perder recurso de R$ 600 mil previsto para o próximo ano.
Na reunião de 20 de junho, o excelentíssimo senhor vereador João Batista de Carvalho disse que “tem vergonha dessa corja de cabideiros”. Mais respeito, senhor vereador! Todos os secretários dessa gestão trabalham com afinco pelo bem do município e só não fazem mais, porque realmente a situação do Estado – e consequentemente, do Município – não permitem. O senhor não precisa sentir vergonha deles, não! São pessoas de caráter, trabalhadores que querem o melhor para o Município e no meio desta “corja”, como disse, tem eleitores do nobre vereador.
Quanto à ambulância, duas novas estão para chegar no município. Mas, esqueci…, enquanto procuram me atacar e me acusar, vossas excelências perdem momentos de vitórias e conquistas da população.
Com relação à rua da sua casa, se o calçamento ainda não se iniciou é devido à burocracia. Se está demorando, não é por nós. E a hora que o senhor pedir a interdição da rua, seu pedido vai ser prontamente atendido. Leve junto a assinatura dos moradores.
Quando disse que é para largar de te perseguir, não estava falando da prefeita, não é?! Pois não tenho tempo e nem disposição para isso. E mais, os seus problemas profissionais tem que ser resolvidos na organização na qual o senhor trabalha. O senhor não ganha para usar o cargo de vereador em benefício próprio. Não é o senhor que sempre disse que trabalha com o povo e para o povo? O que o seu assunto com a empresa tem a ver com a população? Isso vai diminuir a conta de água das pessoas?
O excelentíssimo senhor vereador Marcelo de Jesus Domingues, pediu uma explicação ou uma convocação a gerente da COPASA, para prestar esclarecimentos nessa nobre Casa. O assunto é referente à população de Liberdade ou a um só indivíduo? Quero lembrar que a gerente da COPASA não é funcionária e nem secretária da Prefeitura. Ela não tem obrigação alguma em prestar esclarecimento a uma Câmara Municipal, sobre um funcionário e suas ações na empresa a qual gerência.
Na reunião do dia 20 de abril, o senhor Israel da Costa Landim, disse que no projeto “Mais Educação Municipal” nós não estávamos visando as crianças e sim a parte financeira; criticou a execução do projeto onde afirmou ter falta de estrutura, excesso de aluno, cardápio ruim, entre outros. Quero lhe dizer, excelentíssimo senhor vereador, que o projeto foi elogiado pela Superintendência Regional de Ensino de Caxambu, sendo sua execução considerada como modelo na região. Porém sabemos que todo início não é fácil, mas com o apoio de todos os professores, ajudantes de serviços gerais, secretários, diretores, secretária de Educação mantivemos com esforço o direito de as crianças estarem na escola em tempo integral. Sua posição contradiz com a conversa que o senhor mesmo teve com um policial quando esteve na Delegacia, onde esse mesmo policial colocou que a questão da droga está muito difícil. Então, quero lembrá-lo que a Educação Integral que o senhor tanto criticou ia ajudar a tirar as mesmas crianças de situação de risco da qual mencionou em sua conversa com o policial. Lembrando ao nobre vereador que o incentivo ao Esporte também ajuda a afastar a juventude do mal do século.
Agora tenho a consciência tranquila que em momento nenhum da minha gestão incentivei o consumo de substâncias psicotrópicas. Não houve nenhum show na exposição que ficasse incentivando o uso de drogas, como aconteceu por duas vezes, na gestão passada.
E quando falou do convênio da Polícia Civil, o senhor, com certeza, não sabia que já estava em andamento a abertura do Posto da Polícia Civil aqui no município, e deve que o senhor também não sabia que o mesmo convênio que foi oferecido a essa gestão, também foi oferecido à gestão anterior, e que essa, pelo que temos ciência, não teve interesse.
Com relação à Polícia Militar, o senhor tem todo direito de oficializar ao comando para perguntar o quanto tínhamos de policial em 2016 e quanto temos hoje. Provo que a Segurança foi aumentada. Sabemos que ainda não é o ideal, mas demos um grande passo. Quando o senhor disse que o povo tem medo de ir na Prefeitura, o senhor deve estar confundindo, não está não? Pois não maltrato ninguém, trato a todos com igualdade e, principalmente, com respeito. E mais, sempre pautando na verdade.
No momento em que o senhor disse que não se deve calar a boca do povo, que a população tem que participar para parar com o disse-me-disse, que implantei uma ditadura na Prefeitura, tenho certeza que o senhor quer o povo ouvindo só o seu lado. Pois quando dei ciência a população no princípio da Transparência e da Informação, o senhor e seus companheiros entraram com uma nova Comissão Processante. Onde está então a ditadura? O senhor não está sendo coerente. Ao mesmo tempo que disse que a população tem que participar, ela tem que ser comunicada não só das ações do Executivo, que os senhores fazem questão de denegrir todos dia 5 e 20 do mês nesta casa.
Mas quando são mostradas as atitudes tomada pelos senhores, enquanto vereadores, servidores do povo, nessa Casa, que é do povo, aí não pode!? Por isso, pergunto: o que é democracia mesmo? De onde está vindo a ditadura que quer tirar o direito de informação do povo? Quem é o senhor vereador Israel da Costa Landim de ficar indignado e falar de falta de respeito para com as pessoas. O senhor aqui é um vereador, recebe para isso, como bem disse seu colega, o senhor José da Paixão Costa, com relação ao juramento feito na posse onde diz: “trabalhar pelo progresso do município e o bem estar do povo”. Quero saber do senhor, o que minha vida particular – de ter ou não constituído família – diz respeito a trabalhar pelo progresso do município?
Quero saber se o progresso e o bem estar da população têm a ver com me comparar a um animal, e estar ofendendo esse animal? O que isso traz de benefício? O que isso mostra de respeito? O benefício seria ajudar a buscar o que é de melhor para município. Cadê os projetos de sua autoria? Quantos são? E mais, para podermos falar em família, principalmente de sua constituição, temos que ser exemplo. E o senhor tem exemplo para quem?
Em relação a ter marido, ou filhos, falo ao senhor: tenho família sim! Meus pais, meus irmãos, meus sobrinhos, tios, etc. Se o conceito do senhor para família é marido e filho apenas, então o senhor está muito atrasado. Hoje uma mulher não precisa viver agarrada a um homem. Ela tem livre escolha e essa livre escolha minha, nobre vereador nada tem a ver com sua função nesta Casa Legislativa. O senhor não é pago pelo dinheiro público para tratar de assuntos da vida pessoal da prefeita. O senhor é pago para legislar em favor do povo e não legislar sobre minha vida e perder tempo nessa Casa para falar de fato o que é de ciência de toda comunidade.
Não sou casada, não tenho filhos. Mas tenho irmãos de sangue e irmãos do coração e muitas pessoas – quer queira o senhor ou não – que me admiram e que estão comigo. Esses sim são minha família.
Quanto aos fogos do resultado da Comissão Processante, eu não gastei dinheiro público neles. Então, não é da conta do senhor vereador. E se o referido policial achou um absurdo soltarem foguetes em frente à câmara, como o senhor mesmo já disse, ele está equivocado em dois pontos: 1º – não estavam soltando fogos em frente a câmara; 2º – ele tinha toda autoridade para não permitir que os fogos fossem soltos no espaço em que foram. Gostaria que o senhor citasse o nome desse policial.
E outra coisa, os senhores agora exigem respeito, não é isso? Comecem então a respeitar. Numa reunião, o excelentíssimo senhor vereador Marcelo de Jesus Domingues, num momento em que eu que tratava os vereadores por vocês, me corrigiu e pediu para que usasse vossa excelência. Então agora venho exigir de vossas excelências o mesmo tratamento.
A prefeita não é “aquela mulher”, não é “ela, a prefeita”, para as vossas excelências, estou como autoridade máxima do município e peço para ser tratada como tal: “vossa excelência, senhora prefeita Rita de Cássia Rodrigues”. Ou esse tratamento é difícil por eu ser mulher?
Agradeço a atenção de todos e ressalto que estamos a frente do município de Liberdade, minha equipe e eu. E o que tiver que ser feito para o benefício de todos nós que aqui vivemos, será feito. Pois, foi para isso que fui eleita. Peço a compreensão de toda a população, pois, aos poucos, estamos reestruturando o município, apesar de toda dificuldade que encontramos e falta de apoio de alguns membros dessa Casa Legislativa. Obrigada.”

Fonte e fotos: Jornal Panorama

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *