Notificações crescem e Minas investiga 135 casos suspeitos de sarampo

Apesar de ter atingido a meta de vacinação contra o sarampo, alcançando a meta de imunizar 97% do público alvo durante a campanha nacional, as notificações de casos suspeitos da doença continuam crescendo. Até essa segunda-feira (24), a Secretaria Estadual de Saúde (SES) registrou 281 casos suspeitos, mas até o momento não há nenhuma confirmação de sarampo em Minas. A campanha chegou ao fim, mas as vacinas continuam disponíveis gratuitamente nas unidades do Sistema Único de Saúde (SUS).

De acordo com boletim divulgado nesta tarde, 146 casos foram descartados laboratorialmente e 135 que se encontram em processo de investigação, aguardando a pesquisa laboratorial para processamento das amostras pela Fundação Ezequiel Dias (Funed).

Quatro pacientes já apresentaram amostras soropositivas para anticorpos IgM, o que ser um indicativo da atuação do vírus do sarampo. No entando, a SES esclarece que é necessária uma segunda amostra soropositiva para a confirmação da doença, já que outras enfermidades provocam a mesma reação no corpo dos pacientes. Desses casos, dois são de moradores de Nova Lima, na Grande BH, e outros dois são de Passa Quatro e Poços de Caldas, no Sul de Minas.

O sarampo é uma doença viral, infecciosa, grave, transmissível, altamente contagiosa e comum na infância. Os primeiros sintomas são febre, manchas avermelhadas que se distribuem de forma homogênea pelo corpo, e problemas respiratórios e oculares. As manifestações incluem tosse, coriza, rinite aguda, conjuntivite, fotofobia (aversão a luz), e pequenos pontos esbranquiçados presentes na mucosa oral. A evolução da doença pode causar complicações infecciosas como amigdalites – mais comum em adultos -, otites – mais comum em crianças -, sinusites, encefalites e pneumonia, que podem levar ao óbito. As complicações frequentemente acometem crianças desnutridas e menores de um ano de idade.

A transmissão ocorre de pessoa a pessoa por meio de secreções (ou aerossóis) presentes na fala, tosse, espirros ou até mesmo respiração.

Fonte: O Tempo / Foto: Reprodução O Tempo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *