Começa júri popular de família acusada de matar casal em Cristais

O júri popular da família acusada de matar um casal em Cristais (MG) em setembro de 2015. começa nesta terça-feira (5) em Campo Belo (MG). O julgamento acontece no Fórum Tabelião Américo Massote. Em janeiro deste ano, mulher, marido e os dois irmãos dela foram apresentados pela Polícia Civil como os mentores do crime.

Os réus são acusados da morte do operador de máquinas Adilson Moreira Neves, que tinha 37 anos na época, e a funcionária de confecção Priscilla Alves Giradelli, de 24 anos. Os dois foram encontrados mortos no sítio onde moravam na zona rural de Cristais. A mulher foi encontrada com o corpo parcialmente carbonizado e o rapaz com marcas de tiros pelo corpo.

Os quatro acusados respondem pelos crimes de homicídio por motivo fútil e vilipêndio de cadáver. Se condenados, a pena pode chegar a 30 anos de prisão.

Inicialmente, o caso foi tratado como latrocínio, que é roubo seguido de morte, pois a polícia não havia encontrado a motocicleta de Neves no sítio, mas o inquérito apontou que o crime foi motivado por vingança.

Motivo do crime

As investigações da Polícia Civil apontaram que o operador de máquinas teria mantido um relacionamento com a mulher acusada de participar das mortes cerca de um ano antes do crime. Ao descobrir o caso, Priscilla, companheira de Adilson, a teria agredido. Irritada com as agressões, a mulher teria contado toda a história para o marido e aos dois irmãos, que ajudaram ela a premeditar os assassinatos.

“A vítima, Adilson, tinha tido um caso com a suspeita. Um caso que ficou comprovado nos autos, até inclusive todos os investigados confirmaram a existência desse caso. Na verdade, o marido da suspeita que é investigado, ele teve conhecimento da traição da esposa dele, assim como a Priscila, vítima, que ficou sabendo que o marido dela tinha traído com a suspeita. A partir daí, começou uma série de desavenças entre as duas famílias. Tanto que eles eram vizinhos e as vítimas se mudaram, posteriormente, para a zona rural para afastar disso”, explicou o delegado José Rubens Nogueira Neto em entrevista à época.

Na época, corpo de uma das vítimas foi queimado em Cristais (MG) (Foto: Reprodução EPTV)
Na época, corpo de uma das vítimas foi queimado em Cristais (MG) (Foto: Reprodução EPTV)

Julgamento

A previsão é que o julgamento acabe ainda no final da tarde desta terça-feira, mas uma nova sessão pode ser convocada ainda nesta quarta-feira (6) para complementar os trabalhos caso o juiz ache necessário. O júri conta com sete pessoas que vão analisar os quesitos levantados pela procuradoria.

Inicialmente serão ouvidos os depoimentos das testemunhas de defesa e acusação, seguidas dos réus. Depois será aberto espaço para debate entre as teses de acusação e defesa. Por fim, procuradoria e advogados devem fazer as réplicas e tréplicas.

Antes do julgamento final, o corpo de jurados irá avaliar uma série de quesitos pré-definidos, que vão determinar se os réus são ou não culpados pelos crimes.

Fonte: G1 Sul de Minas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *