De dentro da Casa Branca, assessora de Trump defende marca de Ivanka Trump na TV

Kellyanne Conway, alta conselheira do governo de Donald Trump, em imagem de arquivo (Foto: Reuters/Carlos Barria)
Kellyanne Conway, alta conselheira do governo de Donald Trump, em imagem de arquivo (Foto: Reuters/Carlos Barria)

Uma das principais assessoras do presidente americano Donald Trump, Kellyanne Conway, apoiou nesta quinta-feira (8) durante uma entrevista à televisão o consumo de roupas da marca de Ivanka Trump, a filha mais velha do presidente. A marca de Ivanka deixou de ser vendida em uma rede de lojas, o que foi criticado pelo presidente nesta quarta.

Kellyanne Conway, conselheira do presidente, defendeu os comentários de Trump contra a Nordstorm, rede que deixou de vender roupa da marca Ivanka Trump. “Saiam e comprem coisas de Ivanka. Eu vou sair e comprar algo”.

“É um linha de roupa maravilhosa. Eu tenho algumas peças. Vou fazer publicidade gratuita. Saiam e comprem (roupas de Ivanka)”, acrescentou Conway em uma entrevista ao canal “Fox News” emitida desde a sala de imprensa da Casa Branca.

Conway, cujo salário está a cargo dos contribuintes americanos, disse que Ivanka é uma “bem-sucedida empresária” e uma “uma defensora do empoderamento da mulher e da presença da mulher no trabalho”.

Chris Liu, ex-vice-secretário de Trabalho com o ex-presidente Barack Obama, afirmou nesta quinta que Conway violou a lei federal que regula o comportamento de funcionários públicos com seus comentários.

Ver imagem no TwitterVer imagem no Twitter

Em mensagem no Twitter, Liu especificou que as normas proíbem que todo funcionário faça uso de um escritório e cargo público para apoiar um produto, empresa ou serviço, tanto se for para benefício privado como para o de um amigo ou familiar.

‘Ataque direto’

Nesta quarta, o presidente americano utilizou o Twitter para criticar a Nordstorm por tratar “injustamente” sua filha ao retirar sua marca de roupa, medida que a empresa justifica pelas decepcionantes vendas da linha Ivanka Trump.

“No ano passado, particularmente na última metade de 2016, as vendas da marca caíram constantemente até chegar num ponto que não fazia sentido dar continuidade às vendas dessa linha de roupa”, explicou hoje a Nordstorm em comunicado.

No mesmo dia o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, afirmou que a decisão da Nordstorm é um “ataque direto” contra o nome de Ivanka, que se manteve afastada da polêmica ao não fazer comentários públicos.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *