220 mortos nos ataques do Estado Islâmico na Síria nesta quarta

Mais de 220 pessoas morreram nesta quarta-feira na série de ataques reivindicados pelo grupo Estado Islâmico (EI) no sul da Síria, um dos balanços mais elevados desde o início da guerra em 2011.

Os ataques ocorreram na província meridional da Sureida, controlada pelo regime de Bashar Al-Assad. Os grupos do EI estão presentes em uma zona desértica no nordeste desta região.

Segundo a imprensa oficial síria, as forças do regime iniciaram uma contraofensiva para conter a ação dos extremistas.

O Exército sírio realizou bombardeios aéreos contra o EI, que sofreu até o momento 21 baixas entre seus combatentes, informou o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

“Quatro homens-bomba explodiram seus cinturões na cidade de Suneida”, informou o OSDH.

Mais ataques suicidas aconteceram em outros povoados do nordeste da província de mesmo nome, Suneida.

O grupo extremista conseguiu assumir o controle de três localidades.

“Além dos atentados suicidas, os jihadistas atacaram vários povoados, invadindo as casas e matando seus moradores”, acrescenta a ONG.

A agência oficial de notícias Sana e a cadeia de televisão estatal confirmaram os mortos e feridos nesses ataques, mas não deram um número exato.

Poças de sangue 

As imagens difundidas dos ataques pelos meios de comunicação oficiais mostram um corpo em meio a poças de sangue.

Segundo o OSDH, os ataques do EI nesta quarta-feira são os mais violentos dos últimos meses na Síria, onde a organização jihadistas sofre contínuas derrotas e controla menos de 3% do território.

Estes atentados acontecem quando o regime sírio já está no controle de 90% das províncias meridionais de Deraa e Quneitra, após sua devastadora ofensiva militar em junho.

De acordo com a agência Sana, os atentados do EI tentam diminuir a pressão militar do Exército sírio contra os últimos jihadistas na província de Deraa.

Como informou na terça-feira o general François Parisot, comandante das forças francesas na coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos contra grupos jihadistas, os combates contra o EI em Deir Ezzor, um de seus últimos redutos no norte da Síria, ainda vão durar dois, ou três meses.

Mais de 350.000 pessoas morreram desde o início do conflito na Síria em 2011, uma guerra que se intensificou com o envolvimento de países estrangeiros e de grupos jihadistas.

Fonte: Estado de Minas / Foto: Reprodução IG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *