Raulzinho guarda camisa do Jogo dos Calouros para museu feito pela mãe

Viver a experiência de estar ao lado dos principais jogadores para o futuro da NBA, a liga americana de basquete, deixou Raulzinho ainda mais consciente do seu espaço. Titular do Utah Jazz desde o início da temporada, ele participou na madrugada deste sábado, em Toronto, do Jogo dos Calouros, defendendo o Time Mundo. Saiu de quadra com a derrota por 157 a 154 para o Time EUA, mas com a sensação do dever cumprido, com dois pontos e nove assistências, em 18 minutos.

O resultado do jogo é apenas uma formalidade, mas participar do evento pode ser tratado como algo histórico por Raulzinho. Ele foi apenas o segundo brasileiro a ter essa honra – o primeiro havia sido Nenê, em 2003 e 2004. Por isso, as lembranças desse momentos serão bem guardadas por sua mãe, Cláudia.

Raulzinho vai para a bandeja e marca seus dois únicos pontos no Jogo dos Calouros (Foto: Getty Images)
Raulzinho vai para a bandeja e marca seus dois únicos pontos no Jogo dos Calouros (Foto: Getty Images)

Tanta gente pede camisa, tênis, meia mas essa (camisa) vai ficar comigo. Minha mãe coleciona tudo e pensa em um dia fazer um quarto ou usar uma parte da casa para fazer um museu meu. Pouco a pouco, está construindo. Tenho bolas, tênis. É algo especial – afirmou Raulzinho.

No Jogo dos Calouros, o brasileiro começou no banco de reservas. Quando teve a oportunidade de entrar, mostrou seu talento com bonitas assistências, inclusive para uma ponte-aérea do calouro letão Kristaps Porzingis, que defende o New York Knicks.

– Pude aproveitar a oportunidade. Esse é o jogo para isso. Não queria me machucar ou sofrer algo inesperado. Foi divertido e estranho. Ninguém defendia e eu não queria parecer louco sendo o único a defender. No final, teve um pouco mais de competitividade. Afinal, jogador da NBA tem que ser competitivo. Todo mundo no fim quer ganhar, mas o importante foi se divertir dentro e fora de quadra – comentou Raulzinho, que cumpriu boa atuação.

Durante o jogo, o brasileiro teve a oportunidade de dividir a quadra com dois companheiros de Utah Jazz. O canadense Trey Lyles também defendeu o Time Mundo, e Rodney Hood atuou pelo Time EUA.

– Ameacei pressionar o Hood na marcação, mas foi só uma brincadeira. Não era para isso o jogo – disse Raulzinho.

Muito do futuro da NBA estava em quadra ao lado do brasileiro. Ele acredita nisso e espera um dia atuar no evento principal do fim de semana do All-Star Game, realizado na noite de domingo. Por enquanto, vai acompanhar apenas como espectador.

– Não é nesse jogo (dos calouros) que alguém vai mostrar sua capacidade. Claro, há espaço para apresentar o talento que às vezes no jogo real não existe. Mas tenho certeza que daqui vão sair grandes jogadores da NBA – avisou Raulzinho.

O All-Star Game tem transmissão ao vivo e cobertura em Tempo Real do SporTV.com neste fim de semana. Confira a programação:

Sábado (13.02)

23h – Desafio de habilidades, desafio de 3 pontos e torneio de enterradas

Domingo (14.02)
23h30 – Jogo das estrelas: Conferência Leste x Conferência Oeste

*Horários de Brasília

Globo Esporte / Sul de Minas

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *