Mulheres na torcida marcam volta da seleção

 

Nesta quinta-feira (29), no estádio do Pacaembu, a seleção brasileira venceu fácil a Argentina por 5 a 0 em jogo que marcado menos pela tensão do clássico sul-americano e mais pela forte presença feminina nas arquibancadas, de onde se ouviu críticas ao presidente Jair Bolsonaro (PSL).

O jogo marcou a estreia da treinadora Pia Sundhage no comando do time feminino e também a volta do Brasil ao país após dois anos sem atuar diante de sua torcida, que durante o segundo tempo entoou, mais de uma vez e em coro, cantos contra o atual governo.

“Eu achei incrível esse lance de ver a seleção jogar no Pacaembu, por um valor baixo”, comemora Kassiane, 32 anos e integrante do grupo de mulheres boleiras Passa a Bola.

Para quem está acostumado a assistir jogos do futebol masculino, era impossível não se atentar para a quantidade de grupos de mulheres reunidas para acompanhar o Brasil, que venceu com gols de Ludmilla, Formiga e Debinha no primeiro tempo, e Érika e Juncos (contra) no segundo.

Não só a presença hegemônica de mulheres é notada por quem acompanha a partida das arquibancadas. “Tem muito mais respeito, elas tentam falar coisas mais positivas para incentivar. O público é outro nas arquibancadas masculinas e femininas”, diz Bruna, 21.

Bandeiras LGBT com as cores do arco-íris contracenam com as camisas da seleção e com diversas faixas de coletivos feministas e de mulheres no futebol. 13.180 pessoas vieram ao Pacaembu assistir ao jogo.

Letícia, veterinária de 24 anos, comemora o avanço das meninas lésbicas dentro do futebol, que para ela mostram como mulheres podem jogar “tanto quanto homens”.

“Sinto maior representatividade, porque eu sou mulher, então é motivador” diz Mirian, 31, que integra um coletivo para mulheres jogarem bola em Cotia (SP).

É consenso entre todas as pessoas ouvidas pela reportagem que a Copa do Mundo foi a grande responsável pelo aumento na visibilidade dada, no Brasil, para o futebol feminino.

Fonte: Notícias ao Minuto / Foto: Reprodução / Instagram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *