Maior rivalidade mineira, duelo entre Cruzeiro x Atlético completa 99 anos do primeiro confronto

Redação CSul – Alisson Marques/Foto: Torcedores.com

A maior rivalidade do Estado de Minas Gerais e uma das maiores do país, duelo entre Cruzeiro x Atlético-MG completa 99 anos do primeiro confronto. 

Primeiro encontro 

O primeiro confronto entre o até então, Sportiva Palestra Italia (Cruzeiro) x Athletico (Atlético-MG), foi em 17 de Abril de 1921, no antigo Estádio do Prado Mineiro.

O Palestra Itália dominou o primeiro tempo e antes dos 45 minutos iniciais já vencia o jogo por 3 x 0, gols de Atilío 2x e Nani.

No segundo tempo, o Palestra administrou a boa vantagem e venceu pelo placar construído na primeira etapa.

Número de clássicos e o desencontro 

Com quase 500 jogos disputados, o clássico mineiro vive ainda uma grande indefinição sobre os números e estatísticas. Pelas estatísticas dos dois clubes, a diferença das partidas disputadas é de 20 jogos entre os dois lados. O consenso é que o Atlético tem mais vitórias.

Nas contas alvinegras, são 514 clássicos, enquanto o Cruzeiro considera 496. O Galo considera que 217 vitórias, já a Raposa diz que são 194 triunfos.

Atlético com mais vitórias; Cruzeiro com mais títulos

Se por um lado a torcida atleticana comemora mais vitórias, por outro a torcida cruzeirense se gaba por ter mais títulos do que o rival. Entre as principais conquistas a diferença é enorme. Em Copas do Brasil, o Cruzeiro soma seis conquistas, enquanto o Atlético uma. Em Libertadores, o placar mostra 2×1 pra Raposa. Campeonatos Brasileiros, o Cruzeiro contabiliza quatro, enquanto o Atlético soma apenas um.

Atlético comanda o Campeonato Mineiro 

O lado alvinegro de Belo Horizonte e Minas Gerais no geral, vibra por ser o maior vencedor do Estado. O Galo tem 44 títulos, a Raposa soma 38.

Torcedores do Cruzeiro contestam o rótulo do rival. Segundo os adeptos do time celeste, o clube surgiu depois de sete anos do primeiro campeonato.

Atlético comemora título histórico contra o rival 

Se por um lado o Cruzeiro tem seis Copa do Brasil, a conquista atleticana também mostra um sabor muito especial para os alvinegros. Em 2014, o Galo venceu o rival na decisão do torneio com duas vitórias incontestáveis.

No primeiro jogo disputado no Estádio Independência, o Atlético venceu por 2 x 0, com gols de Dátolo e Luan. Na volta, dessa vez no Mineirão, o Galo bateu o rival novamente, dessa vez por 1 x 0 gol anotado por Diego Tardelli.

Goleadas seguidas do Cruzeiro

Um outro fator marcante no clássico são as goleadas seguidas aplicadas pelo Cruzeiro sobre o Atlético em apenas três anos. Em 2008 e 2009, ambos pelo primeiro jogo da final do Campeonato Mineiro, o time celeste não tomou conhecimento do rival e aplicou sonoros 5×0.

Já em 2011, um jogo inesquecível para os cruzeirenses. Era a última rodada do Campeonato Brasileiro da época, Cruzeiro x Atlético se enfrentariam na Arena do Jacaré, uma vitória alvinegra decretava o rebaixamento celeste. No entanto, o que se viu dentro de campo foi um jogo inesquecível para a torcida cruzeirense. Comandados pelo meia Roger, que brilhou no clássico daquele 04 de Dezembro de 2011 com um gol e duas assistências, o Cruzeiro massacrou o Atlético e venceu por 6 x 1.

Jogadores que já vestiram as duas camisetas 

O CSul listou alguns jogadores que já vestiram a camiseta dos dois maiores clubes mineiros.

A lista de jogadores que já atuaram pelos dois clubes é bastante extensa. Ídolos como Nelinho, Reinaldo, Toninho Cerezo, Éder Aleixo, entre outros. Casos de Leonardo Silva, Procópio Cardoso, Alessandro ‘Cambalhota’, Paulo Roberto, Gulherme e Fred também se encaixam nesse tópico.

A mais recente troca de camiseta foi do goleiro Rafael. Revelado pelo Cruzeiro, ficou por mais de 10 anos no clube celeste. No início deste ano, Rafael foi para o Atlético Mineiro.

Dirigentes e treinadores também já comandaram os dois clubes

Alguns dirigentes e treinadores históricos em ambos os clubes, passaram pelo os dois lados dos clubes de Belo Horizonte. Entre os dirigentes destaque para o falecido, Eduardo Maluf colecionador de títulos pelo Cruzeiro, trocou o lado celeste pelo alvinegro em 2010, após 11 anos de Cruzeiro. Maluf ficou no Galo até 2017, ano de seu falecimento. Vale lembrar que, antes de assumir o Cruzeiro o executivo de futebol teve uma passagem pelo rival.

Alexandre Mattos é outro caso de executivo a comandar os dois arquirivais. Entre 2012 e 2015, Mattos teve uma grande passagem pelo Cruzeiro onde colecionou dois títulos brasileiros.

O dirigente retornou no início do ano ao Cruzeiro, no entanto, ficou apenas quatro dias alegando lealdade à Pedro Lourenço que teria se desligado do clube, até então um dos homens fortes dos bastidores cruzeirenses.

Pouco tempo depois, Alexandre Mattos foi anunciado como novo dirigente atleticano.

Alguns treinadores também marcaram época trabalhando pelos dois clubes, são os casos de Marcelo Oliveira, Vanderlei Luxemburgo e o mais emblemático entre eles, Levir Culpi.

Marcelo Oliveira ídolo do Atlético-MG, começou seus trabalhos na categoria de base atleticana. Depois teve uma rápida passagem pelo time principal atleticano. Após dois vices da Copa do Brasil com o Coritiba, Marcelo foi contratado pelo Cruzeiro em 2013, mesmo com grande reprovação da torcida pelo passado atleticano o treinador conseguiu superar a desconfiança e terminou com dois títulos do Campeonato Brasileiro.

Vanderlei Luxemburgo é outro caso de treinador que comandou as duas equipes. Em 2003, fez grande sucesso ao vencer a tríplice coroa com o Cruzeiro (Campeonato Mineiro, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro). No ano de 2010, Luxemburgo foi para o Atlético, contudo não repetiu o brilho que obteve no rival. No alvinegro, Luxa conquistou apenas o título de Campeão Mineiro.

Levir Culpi é um caso de sucesso e respeito entre as duas torcida. No Atlético foram cinco passagens e títulos importantes, como: três títulos mineiros (1995, 2007 e 2015), uma Série B (2006), uma Copa do Brasil (2014) e uma Recopa Sul-Americana (2014).

No Cruzeiro, o grande feito de Levir Culpi foi a conquista da Copa do Brasil de 1996 sobre o poderoso time do Palmeiras, em pleno Parque Antártica, em São Paulo. Na Toca, ele ainda ergueu duas taças de Mineiro (1996 e 1998), uma da Recopa Sul-Americana (1998) e uma Copa Centro-Oeste (1999).

À frente do grande time do Cruzeiro de 1998, Levir deixou escapar três conquistas de expressão: foi vice-campeão do Brasileiro, da Copa do Brasil e da Copa Mercosul. Em 1996, ainda foi vice da Supercopa da Libertadores.
Ao todo, na carreira como treinador, Levir Culpi foi campeão 16 vezes, sendo 11 em Minas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *