Jaqueline vê a atual Seleção como a ‘mais especial’ que já trabalhou

Após a tranquila vitória por 3 sets a 0, com parciais de 25/16, 15/19 e 25/11, sobre a Argentina, na noite desta segunda-feira, a ponteira Jaqueline revelou que o atual grupo da Seleção Brasileira é o “mais especial” em que já trabalhou. A jogadora de 32 anos também integrou o elenco bicampeão olímpico de Pequim 2008 e Londres 2012.

“Hoje, de todas as Seleções, esse grupo é o mais especial. As jogadoras sempre estão lá pra te dar uma força. Essa Olimpíada está sendo muito especial, ficamos 40 dias longe da família durante o Grand Prix, aqui eu espero que não seja diferente”, afirmou Jaque ao canal Sportv.

“Nosso grupo é muito forte, não só as que estão jogando, as outras também. As que estão esperando e entrando muito bem, o mais importante é o que o Zé (Roberto) está fazendo: não só as sete, mas o grupo inteiro está feliz, com todas esperando seu momento de jogar e unidas”, acrescentou, antes de ressaltar o apoio dado pela torcida, que lotou o Maracanãzinho nesta noite.

“É muito bom sentir isso no nosso País, saber o carinho que a torcida tem por você. A gente sempre representou muito bem o nosso País em todos os campeonatos que disputamos. Quando eu entro e a torcida me recebe gritando, é muito gratificante. Acho que isso faz parte do nosso reconhecimento”, atestou a ponteira, que marcou dois pontos diante das argentinas.

Com o fácil triunfo, o Brasil chegou aos seis pontos ganhos, os mesmos da Rússia, mas as anfitriãs lideram o Grupo A dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro pelo saldo de sets (6 a 5). Para ficar ainda mais próxima da vaga às quartas de final, a Seleção voltará à quadra nesta quarta-feira, às 22h35 (de Brasília), contra o Japão.

Sobre a partida, o técnico José Roberto Guimarães alertou que suas comandadas precisarão ter paciência daqui a dois dias por conta do estilo de jogo das japonesas. Mas antes, o treinador elogiou o sistema defensivo do time nacional.

“A gente tem batido na tecla do sistema defensivo, aquele que temos mais treinado. A relação bloqueio e defesa, e a transição do contra-ataque, isso tem acontecido de maneira natural, espero que isso melhore mais. Temos que pensar já no Japão, vamos precisar ter um volume de jogo ainda maior, mais paciência, porque elas (japonesas) são muito velozes, trabalham muitas largadas, são coisas que vão colaborar com aquilo que a gente anda fazendo”, projetou o comandante brasileiro.

20160809092938536983a
Seleção Brasileira não teve dificuldade para vencer a Argentina, nesta segunda-feira, por 3 sets a 0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *