Goleiro Bruno é apresentado no Poços de Caldas e TV Alterosa é barrada em coletiva

Bruno chegou para a coletiva acompanhado da filha, da esposa e da advogada; Equipe de TV foi obrigada a retirar microfone da mesa e impedida de realizar perguntas

Redação CSul – Iago Almeida /Foto destaque: Alex de Jesus/O TEMPO
Informações de Estado de Minas e Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais

O goleiro Bruno foi apresentado neste sábado no Poços de Caldas. Com a filha mais nova no colo, ele disse que busca agora um “novo eu” para conquistar a torcida.

A apresentação estava marcada para as 10h, mas já passava das 11h30 quando Bruno chegou ao Centro de Treinamento do clube. Ele estava acompanhado também da esposa e da advogada. Na chegada, foi acompanhado por dois seguranças.

“Acho que as pessoas esperam o mesmo goleiro que atuou no Flamengo, no Corinthians, no Atlético-MG. Faço disso um desafio, e somente o dia a dia, o trabalho diário, através da minha vontade, da força de vontade, vai mostrar aonde eu posso chegar. E eu tenho muita lenha para queimar. Tem jogadores aí hoje chegando aos 40, tenho 34 anos, na posição ainda como goleiro ajuda”, disse ele.

O contrato do goleiro com a equipe mineira vai até janeiro de 2020, mas a expectativa é que o time de Poços de Caldas só dispute uma competição oficial em agosto, na terceira divisão do Campeonato Mineiro. Até lá, Bruno irá treinar em Varginha com um personal trainer.

“Nós apostamos na questão jurídica, a partir de janeiro, quem sabe, fevereiro, alguns ajustes. Talvez eu até mude para Poços de Caldas, seja até liberado. Se continuar desta forma, nós sabemos da dificuldade, mas se eu tiver autorização de pelo menos três vezes na semana estar junto com o grupo, não vejo problema algum”, explicou. “Meu contrato vai até janeiro, mas eu vou ter o tempo necessário para treinar, para poder resolver meus problemas pessoais. E quem sabe, quando começar a competição, eu possa já ter ajustado esses detalhes”, concluiu.

Primeiro jogo

A primeira partida oficial do goleiro aconteceu na tarde de sábado, após a apresentação. Bruno começou no banco e assistiu o primeiro tempo aflito, que terminou em 0x0 contra o Independente, equipe amadora de Juruaia. No intervalo, ele entrou e recebeu a faixa de capitão, estreando no gramado pela equipe.

Durante a partida, o goleiro fez poucas defesas e quase foi surpreendido em um lance. O Vulcão venceu o Independent por 2 a 0. No final, Bruno comemorou o resultado.

“Todo mundo quer fazer um golzinho, deixar uma marca, ficar na história. Os meninos do outro lado estão motivados. O pessoal da imprensa aí, uma chance de ser visto por outras equipes. Graças a Deus deu tudo certo, a gente acabou não sofrendo gol. A gente passa confiança pra todo sistema defensivo. E parabéns ao Vulcão por voltar”, disse ele.

Alex de Jesus/O TEMPO

Polêmica com a Alterosa

Pouco antes de a coletiva de imprensa começar, a equipe da TV Alterosa – Sul de Minas foi impedida de acompanhar a entrevista dele. Isso por conta de uma reportagem que foi exibida pela emissora no ano passado, que mostrava Bruno em um encontro com mulheres na Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac) de Varginha, no Sul de Minas. No fim da coletiva, Bruno pediu desculpas à equipe.

“Gostaria de pedir desculpas pelo que ocorreu. É apenas uma questão com a TV que está sendo resolvida judicialmente. Peço desculpas a todos por isso”, disse Bruno.  A assessoria do time disse que não foi informada sobre a proibição da equipe da TV Alterosa no local. A advogada do goleiro preferiu não falar sobre a proibição.

Alex de Jesus/O TEMPO

Situação de Bruno

Bruno foi condenado a 20 anos de prisão pelo homicídio triplamente qualificado de Eliza Samudio, com quem havia tido um caso extraconjugal. O jogador já cumpriu mais de nove anos, o que corresponde a aproximadamente 44% da pena.

Em fevereiro deste ano, Bruno foi condenado pela Justiça mineira por falta grave após o flagrante da reportagem do SBT/Alterosa em que ele aparecia com mulheres e bebida. O encontro foi marcado por celular. Em reportagem exibida pela emissora em 18 de outubro do ano passado, o goleiro foi encontrado em um bar da Associação de Esportes, que fica ao lado da Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac) de Varginha, no horário em que ele deveria trabalhar. Ele estava na companhia de mulheres e, na mesa, havia uma lata de cerveja. Em uma troca de mensagens com as mulheres, o goleiro explicava onde fica o local.

Na época, a Justiça mineira determinou que ele fosse transferido da APAC de Varginha para a Penitenciária de Segurança Máxima Nelson Hungria, em Contagem, na Grande BH, mas um desembargador concedeu liminar argumentando que a transferência só poderia ocorrer após a apreciação do recurso apresentado pela defesa do ex-jogador do Flamengo. Em março, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) decidiu manter Bruno no Sul de Minas.
Em julho, Bruno obteve progressão de pena para o regime semiaberto domiciliar. A decisão foi tomada pelo juiz Tarciso Moreira de Souza, da 1ª Vara Criminal e de Execuções Penais de Varginha, no Sul de Minas, onde ele cumpre pena. A decisão anulou a falta grave cometida pelo réu, aplicada devido à reportagem de televisão. Ele deixou o presídio no dia 19 daquele mês.
No mês seguinte, foi divulgado que o goleiro voltaria ao futebol após acertar contrato com o Poços de Caldas.

Nota de repúdio

Após a decisão de barrar a equipe da TV Alterosa, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais manifestou repúdio contra a decisão da diretoria do Poços de Caldas Futebol Clube. Segundo nota divulgada, a equipe foi credenciada e se deslocou de Varginha até Poços de Caldas, 153 quilômetros, para cobrir a apresentação e foi impedida. “Foi uma retaliação ao trabalho de reportagem exemplar da emissora”, disse o sindicato. Confira a nota completa abaixo:

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais vem a público manisfestar seu repúdio veemente a mais uma censura imposta a jornalistas, dessa vez pelo Poços de Caldas Futebol Clube, da terceira divisão, a uma equipe da TV Alterosa Sul de Minas, de Varginha. A equipe, que havia sido credenciada e se deslocou 153 quilômetros para cobrir a apresentação do goleiro Bruno pelo clube, no sábado 5/10, foi impedida de participar da entrevista coletiva e teve seu microfone retirado da mesa.

A censura, feita a pedido da advogada do goleiro, Mariana Nicolini, profissional que deveria zelar pelo respeito à Constituição, foi uma retaliação ao trabalho de reportagem exemplar da emissora. Há um ano, a TV Alterosa Sul de Minas flagrou Bruno acompanhado de mulheres e cerveja em um bar, no horário em que deveria estar cumprindo pena prestando serviços em uma associação de proteção e amparo aos condenados. Em consequência da reportagem, o goleiro não obteve progressão da pena para o regime semiaberto, o que só veio a acontecer em julho deste ano.

O SJPMG solidariza-se com os jornalistas da emissora e conclama imprensa e sociedade a resistirem e denunciarem a censura que se espalha pelo país, cometida por todo tipo de autoridade e agente privado, sob as mais diversas alegações. O artigo 220 da Constituição veda a censura e garante a liberdade de informação jornalística. Não podemos aceitar esses retrocessos. Censura nunca mais!

Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *