Fred pede perdão a Mano: “Estava enganado” e projeta ano com mais gols na carreira

Após dizer que voltou ao clube do coração, Fred também falou de gols. E ele estabeleceu uma espécie de meta ousada: fazer mais gols em 2018 do que em qualquer outro ano na carreira, apesar de não querer estabelecer um número de gols que pretende marcar.

 Comentando sua primeira passagem pelo Cruzeiro, quando marcou em uma temporada 56 gols em 71 partidas, Fred falou que não quer não quer estabelecer uma meta, mas que deseja fazer mais gols do que em toda a carreira. O melhor ano foi no próprio Cruzeiro, em 2005, quando fez 48 gols.

– Se eu fizer isso aí, estou muito feliz, quero fazer mais gols que todo o ano na carreira. Sei que não é tão fácil. É difícil colocar meta. Agora, uma coisa eu garanto: vou dar a vida em todos os jogos, vou fazer tudo, dar passe, para ajudar os meus companheiros. Não tem nada melhor que o tempo para responder. Quero começar bem. Nós, jogadores de futebol, só encontramos paz e fazendo gols e conquistando títulos. Minha meta é ter um pouco de paz e levantar a taça no time que eu torço.

Fred acredita que vai ter muitas chances de marcar pelo que o Cruzeiro mostrou de criação de jogadas na temporada passada.

– O Cruzeiro não precisa nem mudar, principalmente na forma de jogar como vem jogando. A conversa nossa, no vestiária, é como a bola passa, como o time cria, como tem qualidade. É o sonho de qualquer atacante estar aqui nesse time. Estou tendo esse privilégio, com os jogadores que atuei. O time do Cruzeiro tem um padrão, então, assim, vamos disputar competições importantes, o clima é favorável. Só dar vida agora para dar liga o quanto antes. Estou muito esperançoso, sei que a bola vai chegar bastante, o Henrique com a qualidade na saída de bola, Arrascaeta, os jogadores que estão chegando, expectativa a mil. Se tem um time que todo centroavante que todo jogador gostaria de jogar é o Cruzeiro.

 Se tem um time que todo centroavante que todo jogador gostaria de jogar é o Cruzeiro

Perdão a Mano

Fred comentou sobre a rusga que teve com Mano Menezes em 2012, após não ser mais convocado para a Seleção.

Carrossel Fred e Mano 300 (Foto: Infografia)
Carrossel Fred e Mano 300 (Foto: Infografia)

– Eu estava enganado (em 2012), mas se eu não tivesse aval dele, eu não estaria aqui. Ele deu a benção para eu estar aqui hoje. Mas isso comprova que eu estava errado na época. O processo de maturidade vem ao longo dos anos. Li um livro do Augusto Cury, que diz que por trás de uma pessoa que fere, existe uma pessoa ferida. Não estava numa fase boa, era muito mais explosivo do que sou hoje, graças a maturidade, já tive muito desgaste. Hoje, o trato é totalmente diferente. Nunca tive problema, já conversamos, fico feliz. Quando a gente fere alguém, a gente está ferindo a família. Peço perdão. Eu represento a minha casa, nós temos o dever de reconhecer os nossos erros. Faz parte do passado. Estamos juntos, agora é dar a vida.

Fonte: Globo Esporte / Foto: Futura Press

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *