Estádio Ronaldão completa 40 anos – A inauguração e o primeiro gol

Nesta quarta-feira, 04 de setembro, o Estádio em Poços de Caldas completou 40 anos

Sempre que um estádio é inaugurado, começa aquele dilema: quem será o autor do primeiro gol? E com o Ronaldão, em Poços de Caldas, não foi diferente. O Estádio Municipal Dr. Ronaldo Junqueira foi idealizado em 1976. O governo estadual doou um terreno para Poços de Caldas e a prefeitura municipal concedeu recursos para a construção. Além disso, foram vendidas inúmeras cadeiras cativas para levantar recursos. A obra começou em 78 e levou um ano para ser concluída.

Volante Donizete

Após tudo pronto, a diretoria alviverde agendou uma série de amistosos para comemorar o lançamento do estádio e o aniversário de 54 anos do clube. A partida de estreia do novo campo ocorreu no dia 04 de setembro de 1979, contra o Corinthians. 11744 torcedores assistiram à aquele jogo, e viram as redes do Ronaldão serem balançadas pela primeira vez. Basílio, do Corinthians, foi o responsável por alcançar o feito.

“Olha o Corinthians, que desce com Palhinha. Palhinha para Wilsinho, os jogadores da Caldense reclamam impedimento, é goooool. Basílio, para o Corinthians. É o primeiro gol no Ronaldo Junqueira” – dessa forma narrou o saudoso Lázaro Walter Alvisi.

Restava agora saber quem seria o primeiro jogador da Caldense a marcar um gol no novo estádio. A oportunidade veio três dias depois, contra o Londrina. O árbitro assinalou um pênalti para a Veterana. Era só fazer e correr para o abraço.

“Quando eu fui bater o pênalti, soltaram foguetes e o gol não aconteceu” – lembra o então cobrador oficial Paulo Roberto. “De fato ele assustou com o barulho do foguetório, apavorou e mandou pra fora” – confirma o volante Donizete.

Realmente estava difícil para algum jogador da Veterana desencantar. A derrota por 2 a 0 para o Londrina adiou mais uma vez o tão sonhado gol. Mas no dia 09 de setembro os atletas alviverdes entraram em campo esperançosos. E, logo aos quatro minutos de jogo, aconteceu o gol.

“Peguei a bola com o Orlando e lancei o Paulo Roberto. Ele deu no Márcio, que foi para o fundo. Eu acompanhei a jogada, parecia que estava sentindo alguma coisa no ar. O Márcio foi, cortou o defensor e bateu para trás cruzado. Eu estava chegando na grande área e o gol estava escancarado. Aproveitei e só dei um toque sutil, no lado oposto do goleiro” – relembra Donizete.

O lateral esquerdo e capitão Paulo Roberto poderia ter marcado esse gol histórico, mas entregou de bandeja para o amigo Donizete. “Inclusive até hoje nós brincamos. Ele diz que seria o autor do primeiro gol. Mas eu digo que não. Sou eu o autor, o pai da criança. Então está lá registrado” – brinca Donizete.

Fonte e fotos: Assessoria de Imprensa Caldense / Foto destaque: Lúcia Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *