Esporte em cavernas contribui para o bem-estar de participantes, aponta estudo da UFMG

Uma pesquisa do Instituto de Ciências Agrárias da UFMG explorou a relação entre o caving, modalidade esportiva voltada para a aventura em cavernas, e o bem-estar dos seus praticantes. Ao verificar como se estabelecem as relações socioambientais por meio da atividade, o estudo mostrou que há uma correspondência direta entre as duas variáveis.

A pesquisa, desenvolvida pela professora Marilda Teixeira Mendes, foi feita através de entrevistas semiestruturadas com todos os membros de dois grupos praticantes do caving. Os resultados demostraram existir, entre os participantes, a percepção de um cansaço bom, que surgiria com o exercício físico demandado pelo esporte. Também foi notada a propensão para momentos de sociabilidade, lazer e educação ambiental.

A professora ressalta ainda a importância de valorizar uma prática que divulga as potencialidades das cavernas, considerando o fato de Minas Gerais ser o estado com maior número de ocorrências do ambiente.

Saiba mais sobre a pesquisa em entrevista com Marilda Teixeira para o programa Veredas da Ciência, veiculado pela Rádio UFMG Educativa Montes Claros. A reportagem é de Amanda Lelis.

Fonte: Assessoria de Imprensa do Instituto de Ciências Agrárias da UFMG / Foto: Iago Almeida/CSul

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *