Enderson Moreira analisa desafio de assumir Coelho: “Pressão muito forte”

Novo treinador do América-MG, Enderson Moreira, e integrantes da comissão técnica (Foto: Laura Bernardes)
Novo treinador do América-MG, Enderson Moreira, e integrantes da comissão técnica (Foto: Laura Bernardes)

O América-MG corre contra o tempo. Quase no fim do primeiro turno do Campeonato Brasileiro eum dia após a chegada de cinco reforços, o clube apresentou o novo treinador: Enderson Moreira. O principal desafio é tirar o time da lanterna do Campeonato Brasileiro e, depois, da zona de rebaixamento.

Enderson Moreira, que foi para campo orientar o primeiro trabalho logo após a apresentação oficial, se mostrou disposto a utilizar os reforços já no primeiro compromisso do time sob o comando dele: segunda-feira, contra o Flamengo, às 20h (de Brasília), em Cariacica-ES. Mas observou que vai analisar caso a caso e esperar que todos estejam regularizados junto à Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

– Ainda vou me inteirar. Vai ser uma coisa muito rápida, estamos aguardando, temos tempo até segunda. Tempo hábil para poder regularizar os jogadores, e vamos aguardar. Acho que uma coisa que pode limita-los é o treinamento, a parte física.  Temos que verificar se tem condições físicas de participar do jogo e, caso contrário, ter paciência para esperar que entrem da melhor forma possível.

Resquícios do antecessor

Enderson Moreira garantiu que continuará com alguns dos aspectos usados pelo antecessor, Sérgio Vieira. Mas avisou que dará ao time mais características de sua comissão técnica.

– Nesse primeiro instante, tem que aproveitar o que já foi feito. Tenho certeza que o Sérgio já desenvolveu conceitos importantes. E, a partir de agora, tem que ter também a cara da nova comissão técnica, a cara que acreditamos. Teremos modificações, dentro de uma conduta. Futebol não é feito de modificações constantes, tem que manter a mesma base. O calendário te obriga a mudar algumas peças, por lesão, advertência ou cansaço, mas tem que ter padrão e confiança.

Com apenas duas vitórias, dois empates e 11 derrotas, o time se demonstrou muitas vezes apressado, cometendo erros grotescos por ansiedade. Acostumado a lidar com as categorias da base, o novo treinador falou da importância de se trabalhar com a pressão em cima dos jogadores, que muitas vezes, mesmo com experiência, não sabem lidar com ela.

– Não acredito em desânimo. O que pesa nesse momento é a pressão. A pressão é muito forte, e os jogadores são seres humanos que sentem o momento, como os torcedores. Sabem que o trabalho e a qualidade pesam muito. Sei que estão se empenhando ao máximo. Quando as coisas dão errado, já entram desanimado parecem que as pernas não obedecem.

Olho em 2017

Na quarta-feira, quando o pacote de cinco reforços foi apresentado, o presidente Racilan disse que o perfil de treinador que procuravam era alguém que começasse com o clube neste ano, e permanecesse até 2017. Enderson garantiu que pretende fazer este trabalho, independentemente da divisão que o time esteja disputando.

– Tenho objetivo claro de contribuir para que, no início de 2017, o América tenha equipe melhor, mais forte em todos os aspectos. Não venho aqui fazer trabalho a curto prazo, mas contribuir a longo prazo. Isso vai ser muito importante, independentemente de Série A ou B. Tenho que aproveitar o momento de todas as formas, para ter equipe mais forte, ter base mais alinhada, buscar boas alternativas no mercado para ficar na Série A.

Fonte: G1/EPTV

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *