Dor dá trégua, Lucarelli joga bem e Brasil arrasa a Itália na Liga Mundial

Lucarelli recebe os cumprimentos de toda a seleção, na vitória por 3 a 0 sobre a Itália (Foto: Divulgação/FIVB)
Lucarelli recebe os cumprimentos de toda a seleção, na vitória por 3 a 0 sobre a Itália (Foto: Divulgação/FIVB)

A dor nas costas deu uma trégua. Não gritou nos testes feitos durante o aquecimento, nem roubou de Lucarelli o ímpeto de se jogar para salvar cada bola ou saltar alto para passar pelo bloqueio montado à sua frente. Com uma lombalgia, o ponteiro foi para a quadra com uma
proteção no local, recebeu apoio dos companheiros a cada boa jogada – além de palavras ao pé do ouvido de Bernardinho – e deu sua contribuição para que o Brasil vencesse a Itália com tranquilidade na estreia da fase final da Liga Mundial, disputada em Cracóvia: 3 sets a 0 (25/18, 25/20 e 25/19).

O próximo compromisso será contra os Estados Unidos, na sexta-feira. Assim como os italianos, os americanos também estão no chamado “Grupo da Morte” dos Jogos Olímpicos, ao lado de Brasil e França. Na primeira etapa da Liga, disputada no Rio, a seleção venceu Matt Anderson & Cia. por 3 a 1.

A Itália começou pressionando, enquanto o Brasil pegava ritmo aos pouquinhos, do mesmo modo que Lucarelli: o ponteiro subia, virava uma bola e ganhava confiança. Sempre que acionado, o oposto Wallace correspondia à altura. Para completar o dia favorável, Lucão sabia direitinho como parar Vettori, seu ex-companheiro de Modena, no bloqueio. O placar marcava 15/12, e o Brasil seguia ditando o ritmo. Preciso, Lucarrelli arrancou dois pontos de saque em cima de Zaytsev. Faltava apenas um para levar a parcial. Com Maurício Souza cravando a cortada, não faltava mais: fim do primeiro set em 25/18.

Veio o segundo set e a seleção parecia ter mais facilidade do que o esperado. Zaytsev sacou na arquibancada e ficou se lamentando. Juantorena parou no bloqueio de Lucarelli. A defesa funcionava bem e o Brasil deslanchava no placar, abrindo 15/8. Wallace continuava subindo mais do que o muro italiano.

Contudo, uma sequência de falhas no ataque, saque e recepção permitiu aos rivais encostarem de vez, em 20/19. Mas foi só. O bloqueio logo retomou a atenção, somando pontos preciosos. O técnico Gianlorenzo Blengini só balançava a cabeça, e Maurício Borges não perdia tempo: 25/20 em mais uma parcial brasileira.

Da arquibancada, o time dos EUA observava cada movimento do próximo adversário. Em quadra, Zaytsev tentava acordar a equipe azul. Pedia bola, vibrava, mas a variação de saque confundia os italianos. Ora com Wallace, ora com Maurício Borges. Bruninho fazia boas escolhas e o jogo do Brasil fluía naturalmente.

Lucarelli chegou a se lamentar de uma bobeada na cobertura, desculpando-se com os companheiros. Na sequência, se redimiu defendendo uma pancada de Juantorena. No meio decorrer do set, a Itália conseguiu igualar as ações, chegando a cravar 12/12. Mas Lucão se apresentou e deu um freio na subida italiana. Juantorena insistia na força e, por vezes, obtinha resultado. Focada, a seleção cometia poucas falhas e abria 20/15. Mas Zaytsev não se dava por vencido e dava trabalho. Só que Maurício Souza minava as forças com uma pancada no meio de rede (23/17). O Brasil estava seguro e com a vitória na conta: 25/19.

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *