Parte da diretoria do Cruzeiro aceita renunciar, porém Wagner Pires de Sá e seus diretores impõem condição

Diretor de comunicação do Cruzeiro, Valdir Barbosa afirmou na última segunda-feira (16), em entrevista na porta da Sede Administrativa, que o presidente Wagner Pires de Sá aceita renunciar ao cargo caso os empresários dispostos a assumirem a gestão do clube assinem documento oficializando esse desejo.

O atual mandatário quer que integrantes do grupo virem avalistas de parte das dívidas feitas em sua gestão. O valor final é mantido em absoluto sigilo, mas não há, neste momento, qualquer chance de os empresários se responsabilizarem por dívidas que não contraíram.

 

Ou seja, na prática, o desejo de Wagner e seus vices, Hermínio Lemos e Ronaldo Granata, é de que os empresários dispostos a assumirem a gestão do clube, também passem a ser
avalistas de empréstimos feitos pelo Cruzeiro. O clube é sempre o principal responsável, mas os dirigentes participam do contrato como fiadores.

 

Durante toda tarde da última segunda-feira (16), Dalai Rocha já articulava a montagem do Conselho Gestor que assumirá assim que Wagner deixar o Cruzeiro – essa é uma certeza entre oposicionistas. Dos cinco integrantes, dois seriam Pedro Lourenço, da rede Supermercados BH, e Emílio Brandi, do grupo Nova Safra. Outro provável componente é o empresário Aquiles Diniz, fundador do banco Intermedium, hoje Banco Inter, administrado pelo grupo MRV.

 

A partir de uma renúncia, caberia a José Dalai Rocha convocar novas eleições para a escolha do novo presidente do Cruzeiro.

 

Fonte: Thiago Mattar/Superesportes MG
Foto: Reprodução Redes Sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *