Da lanterna ao otimismo: a revolução do Cruzeiro em apenas uma semana

Cruzeiro venceu duas seguidas e se afastou da luta contra o Z-4 (Foto: Washington Alves/Light Press)
Cruzeiro venceu duas seguidas e se afastou da luta contra o Z-4 (Foto: Washington Alves/Light Press)

O Cruzeiro terminou a nona rodada do Campeonato Brasileiro na lanterna. A derrota para o Grêmio, em Porto Alegre, por 2 a 0, fez o time despencar na tabela. O futebol apresentado estava abaixo do que a torcida está acostumada. O time tinha o pior ataque da competição e a defesa estava entre as cinco piores. Além disso, a torcida cobrava ansiosa a contratação de reforços e protestava muito, no estádio e nas redes sociais. Bastou uma semana, porém, para o quadro mudar totalmente. O pessimismo deu lugar uma onda de otimismo. O Cruzeiro usou a lanterna como estímulo para reagir e dar a volta por cima no Brasileirão, vencendo duas partidas e não se deixando abater. Além disso, contratou Ramón Ábila e Rafael Sobis, nomes que agradaram à torcida.

Tudo começou na quarta-feira, 22. O time mostrou postura totalmente diferente da que teve três dias antes, no jogo em Porto Alegre. Jogando um futebol eficiente e com as linhas compactadas, o Cruzeiro goleou a Ponte Preta, por 4 a 0, em pleno Moisés Lucarelli, em Campinas, e deixou a zona de rebaixamento, terminando a rodada na 16ª colocação.

Mais três dias, e outra vitória convincente. Desta vez sobre o então líder Palmeiras. O Cruzeiro marcou sob pressão, teve mais posse de bola e criou muitas chances de gol. Venceu por 2 a 1 e respirou aliviado na tabela de classificação, terminando a rodada na 10ª posição. O triunfo sobre o Palmeiras foi o primeiro dentro do Mineirão neste Brasileirão.

Há clubes que sabem usar as dificuldades como estímulo para crescer. É aquela história de usar os limões para fazer uma limonada, ao invés de reclamar do quão azedo eles são. O Cruzeiro é um deles. Como todo grande clube, passa por momentos difíceis, mas, na Toca da Raposa, crises não têm demorado muito. Prova disso é que o time nunca foi rebaixado. Nas 14 edições do Brasileirão na era dos pontos corridos, foram disputadas 525 rodadas. O Cruzeiro terminou na zona de rebaixamento em 16, ou seja, 3,04%, e na lanterna em apenas duas, o que representa 0,38% do total. O momento mais crítico do clube foi na última rodada de 2011, quando poderia ser rebaixado, caso perdesse o clássico para o rival Atlético-MG. O time buscou forças de onde não tinha e venceu o jogo por 6 a 1.

Futuro

Além dos recentes resultados convincentes sobre Ponte Preta e Palmeiras, o cruzeirense tem motivo para vislumbrar um futuro melhor. O clube anunciou dois reforços de peso para o restante da temporada. São os atacantes Rafael Sóbis e Ramón Ábila. O lateral esquerdo Emmanuel Más também está na mira, assim como o lateral direito Maicon, que não vai continuar no futebol italiano.

Emmanuel Mas está na mira da diretoria do Cruzeiro para o restante da temporada (Foto: Reuters)
Emmanuel Mas está na mira da diretoria do Cruzeiro para o restante da temporada (Foto: Reuters)

É claro que ainda falta muito trabalho para Paulo Bento e os jogadores levarem o time para as posições superiores da tabela, mas é inegável que a lanterna, ainda que por uma rodada, do Brasileirão, mexeu com os brios de todos no clube, e que ninguém quer que a situação volte a se repetir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *