Cruzeiro vence o Corinthians e é Hexacampeão da Copa do Brasil

É hexa. Após vencer por 1×0 na partida de ida no Mineirão, o Cruzeiro voltou a vencer o Corinthians na noite desta quarta-feira (17), por 2×1, fora de casa, em duelo marcado por participação decisiva do VAR (árbitro de vídeo), que trabalhou em dois lances capitais da partida. O Cruzeiro não teve vida fácil em campo, mas contou com atuação impecável de Dedé, e a estrela de Arrascaeta que, após jogar pela seleção uruguaia na terça-feira, pegou voo e conseguiu chegar para a partida, fazendo o gol da vitória celeste. O torcedor celeste pode comemorar! O clube é, agora, isoladamente o que mais vezes ergueu o troféu da competição. Além disso, tornou-se o único a vencer o torneio duas vezes consecutivas.

Foto: Marcos Ribolli

O Jogo 

Um primeiro tempo truncado, com muitas faltas e cartões amarelos distribuídos. Nos primeiros 15 minutos de jogo, o árbitro Wagner do Nascimento já havia marcado 15 faltas e amarelado dois corintianos. Em jogos decisivos, erros podem ser fatais para o esquema tático montado, ensaiado e estudado. Aos 27 minutos, Léo Santos errou pela direita, perdeu a bola para Rafinha, que tocou para Barcos na entrada da área. O centroavante limpou para o meio, bateu na trave, e viu a bola sobrar caprichosamente nos pés de Robinho, que, com cinco jogadores corintianos à sua frente, chutou de primeira e estufou as redes. O jogo continuou estudado, com muitas bolas aéreas, e com atuação de gala de Dedé que não perdia uma na defesa. Aos 33, o zagueiro foi pra área dos paulistas e aproveitando cruzamento de Thiago Neves, cabeceou muito forte na trave de Cássio. Dois minutos depois, foi a vez do alvinegro Henrique assustar pelo alto. Ele aproveitou cobrança de Jadson para testar sozinho, mas a bola passou raspando a trave da meta defendida por Fábio.

Foto: Marcos Ribolli
 Precisando de uma virada para levar a decisão para os pênaltis, o Corinthians não fez alterações para o segundo tempo e começou a partida em cima da equipe celeste. Logo aos sete minutos, depois de muita polêmica e uso do VAR, o árbitro Wagner do Nascimento marcou pênalti de Thiago Neves em Ralf, e a cobrança foi convertida por Jadson, explodindo a Arena do timão (“É uma jogada interpretativa. Pelas imagens que nós temos à disposição, eu não tomaria a mesma decisão que o árbitro tomou. Eu não marcaria a penalidade”, disse o comentarista Leonardo Gaciba, comentarista de arbitragem da TV Globo). Aos 15, Léo chutou forte e Cássio fez uma defesa milagrosa praticamente em cima da linha. Aos 24, um susto para o time cruzeirense. Pedrinho aproveitou a sobra de fora da área e marcou um golaço, levando os torcedores, jogadores e comissão técnica a loucura na Arena, mas, novamente com o auxílio do árbitro de vídeo, Wagner do Nascimento anulou o que seria o segundo gol do Corinthians (Uma das funções é analisar a origem do lance, e Jadson leva a mão ao peito de Dedé. Nesse caso, ele acertou, afirmou Gaciba, para o lance). A partir daí os paulistas não conseguiram mais levar perigo a Fábio, e, aos 36 minutos, Arrascaeta, que foi acionado por Mano durante a segunda etapa, marcou um golaço, após boa jogada de Raniel, para dar números finais à partida e garantir o hexacampeonato celeste.

Fonte: Redação CSul – Iago Almeida

Título, R$ 62 milhões no caixa e vaga na Libertadores

A conquista do título fez com que a Raposa conseguisse um “strike” na atual temporada. Pelo investimento feito pela diretoria que assumiu o clube em janeiro deste ano, a expectativa era de que o time tivesse condições de brigar nas três principais competições que tinha para disputar: a Taça Libertadores, o Campeonato Brasileiro e a Copa do Brasil. Vencer a competição mata-mata deu ao time mineiro três grandes prêmios: primeiro, claro, mais um título nacional para a sua galeria. Depois, pelo valor milionário pago pela CBF ao campeão. A Raposa faturou, no total, cerca de R$ 62 milhões. Por fim, a vaga direta (para a fase de grupos) na Libertadores do ano que vem.

Foto: Marcos Ribolli

Cofres cheios

A confirmação do título da Copa do Brasil rendeu ao Cruzeiro mais R$ 50 milhões, prêmio dado ao campeão (se fosse vice, levaria R$ 20 milhões). Com isso, a premiação acumulada na competição foi de R$ 61,9 milhões (R$ 2,4 milhões pelas oitavas de final, R$ 3 milhões por ter chegado às quartas, R$ 6,5 milhões por ter avançado às semifinais e o prêmio pela conquista).

Desta forma, se levarmos em conta a premiação recebida na Libertadores, o valor total arrecadado em 2018 chega aos R$ 73 milhões. Na competição continental, o clube recebeu US$ 1,8 milhão (R$ 5,95 milhões) pelas três partidas como mandante, US$ 750 mil (R$ 2,48 milhões) nas oitavas, e US$ 950 mil (R$ 3,14 milhões) nas quartas de final.

Diretoria celeste

Após a vitória a diretoria fez a festa, comemorou muito no gramado do estádio de Itaquera e falou dos planos para o futuro. Para a Raposa, a conquista ainda selou a vaga na fase de grupos da Libertadores do ano que vem. O vice de futebol cruzeirense, Itair Machado, minimizou as críticas com relação ao alto investimento feito no time neste ano, o primeiro da nova gestão, e sobrou até para o rival.

“A gente quer, realmente, só fortalecer o time. Muitas pessoas criticaram os valores das contratações, que foram 20 e poucos milhões, mas eles esquecem que vários clubes, por exemplo, o Atlético-MG, gastou todo o dinheiro que gastamos só com um jogador, que é o Chará, que custou US$ 6 milhões. Nós gastamos R$ 23 milhões. Acho que foi bem aproveitado. Acho que a nossa felicidade é dar felicidade à nossa torcida, que merece. Veio aqui (em São Paulo), calou o estádio do Corinthians, como fez contra o Flamengo, o Palmeiras. Acho que temos que trabalhar dobrado para que Minas gerais seja cada vez mais forte. Vamos tentar, com muita força, ganhar a Libertadores no ano que vem”, disse em entrevista à rádio Itatiaia.

 “O Mano Menezes já teve várias propostas, e eu adianto para a torcida que o Mano não sai. Nós até conversamos sobre isso na semana passada. E não é porque está sendo campeão não, que a gente sabe que ser campeão é consequência de um bom jogo no dia da final. Até acho que em alguns momentos nós não fizemos um bom jogo, mas prevaleceu a força do grupo. O Mano vai ficar. E já estamos com alguns jogadores adiantados para reforçar o nosso elenco. O nosso objetivo é a Libertadores”, encerrou.

Fonte: Globo Esporte / Foto: Marcos Ribolli

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *