Cruzeiro enfrenta o Boca Juniors hoje na La Bombonera pela Libertadores

Após dez anos, Boca Juniors e Cruzeiro voltam a se enfrentar por uma fase eliminatória da Libertadores. Em 2008, os argentinos eliminaram os brasileiros nas oitavas de final da competição. Agora, os clubes duelam pelas quartas de final. A primeira partida acontece hoje, quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), na Bombonera, em Buenos Aires.

O duelo opõe um Boca Juniors reconhecidamente forte em seus domínios e um Cruzeiro que vem se notabilizando por conquistar bons resultados como visitante em competições de mata-mata nesta temporada.

Os argentinos acumulam sete vitórias consecutivas como mandante, sendo cinco na Bombonera. A última derrota em casa foi para o Palmeiras, por 2 a 0, na quarta rodada da fase de grupos da Libertadores. A Raposa, por sua vez, vem de quatro triunfos consecutivos como visitante em duelos eliminatórios: contra Atlético-PR, Santos e Palmeiras pela Copa do Brasil, e diante do Flamengo, nas oitvas de final da Libertadores.

O confronto entre Boca Juniors e Cruzeiro coloca frente a frente, também, dois dos melhores ataques da Libertadores. O setor ofensivo celeste é o mais positivo da competição, com 17 bolas na rede, enquanto o time argentino marcou 14 gols – Palmeiras e Flamengo estão empatados em segundo, com 16.

Estádio estará lotado para primeiro jogo das quartas / Foto: Reprodução Google

Cruzeiro

O Cruzeiro entrará em campo com apenas uma modificação em relação ao time que venceu o Palmeiras, por 1 a 0, na semana passada, pela semifinal da Copa do Brasil. Com Arrascaeta fora em função de dores na coxa esquerda, Rafinha é o favorito para atuar no lado esquerdo do setor ofensivo cruzeirense. O comandante do ataque será Hernán Barcos, que pôs fim a um jejum de 11 jogos sem marcar justamente diante do time paulista.

Boca Juniors

O Boca Juniors vai para o duelo, praticamente, com o que tem de melhor. Os únicos desfalques são o atacante Ramón Ábila, ex-Cruzeiro, e o lateral Frank Fabra. O centrovante cumpre uma suspensão que estava pendente na Conmebol. O defensor, por sua vez, está lesionado. Na lateral-esquerda e no meio-campo estão as dúvidas. Emmanuel Más e Olaza são os concorrentes por uma vaga no lado esquerdo da defesa, enquanto Pérez, Cardona e Almendra lutam por lugar no setor de meio, com o primeiro sendo favorito.

Duelo dos técnicos

Mano Menezes e Guillermo Barros Schelotto, técnico do Boca Juniors, estão há mais de dois anos em seus cargos. Enquanto o técnico cruzeirense foi contratado em julho de 2016, o argentino chegou em março do mesmo ano. Ambos contratados em momento de turbulência.

Entretanto, tanto Boca, como Cruzeiro, tiveram a paciência necessária para esperar os resultados e acabaram colhendo frutos. Enquanto Schelotto chegou na vaga de Rodolfo Arruabarrena e conseguiu levar o Boca às oitavas de final da Libertadores de 2016, após uma quase desclassificação do time xeneize, Mano foi contratado para a vaga de Paulo Bento e conseguiu impedir um inédito rebaixamento no Campeonato Brasileiro.

No ano seguinte, colheram frutos. O Boca voltou a ser campeão argentino, levantando a taça por duas. O Cruzeiro foi pentacampeão da Copa do Brasil no ano passado e levou também o Campeonato Mineiro nesta temporada. Ambos figuram na parte de cima da tabela dos seus campeonatos locais, estão vivos nas copas nacionais e prosseguem no título de ser campeões, mais uma vez, da Libertadores.

 Fonte: Globo Esporte / Foto: Arte/GloboEsporte.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *