Com apenas um ponto na Libertadores, Cruzeiro tem decisão no Chile nesta noite

Vida e morte se apresentam à Raposa em Santiago, no Chile, na noite desta quinta-feira (19). Com apenas um ponto na chave 5 da Libertadores, o Cruzeiro chega à terceira rodada da fase de grupos encarando uma verdadeira decisão contra a Universidad de Chile, no estádio Nacional, às 21h30.

No grupo celeste existe a consciência da situação delicada, além da necessidade de uma apresentação convincente na Libertadores.

“A gente está animado para este jogo, importantíssimo para nós, partida que todo o jogador quer estar em campo. Temos exemplos positivos no Cruzeiro, na semana da final (do Mineiro) todos estavam fazendo a mesma pergunta (sobre a irregularidade do time) e fomos campeões”, destaca o zagueiro Dedé.

“Vai ser um jogo chave para encostarmos no grupo e embolar essa disputa por uma vaga nas oitavas de final. Estamos focadíssimos”, complementa o defensor.

Partida que, além dos três pontos, vale também para o Cruzeiro como um ponto chave para tirar aquela desconfiança que ainda paira sobre o rendimento do time. Afinal de contas, tirando o 2 a 0 sobre o Atlético na decisão do Mineiro, nos grandes desafios que o time teve no ano, o Cruzeiro registrou tropeços frente a rivais em jogos relevantes: derrotas para Racing-ARG por 4 a 2, Atlético por 3 a 1 (no primeiro jogo da final do Estadual) e Grêmio por 1 a 0 (pelo Brasileiro), levando oito gols, além do 0 a 0 com o Vasco em casa (pela Libertadores).

Mesmo com os resultados aquém do esperado, os jogadores do Cruzeiro discordam das oscilações do time em 2018. No entanto, admitem que a pressão bate à porta. “Todos têm de estar acostumados com o peso da camisa do Cruzeiro. Jogar aqui é motivo de orgulho e também de muita cobrança, pela grandeza do clube”, diz o goleiro Fábio.

E se o retrospecto de quatro vitórias contra a Universidad de Chile em quatro jogos anima, há também a certeza de que o time chileno, mesmo tendo perdido para o rival Colo-Colo no fim de semana, anda bem diferente em termos técnicos do que os últimos encontros com a Raposa.

“A gente não pode se atirar de qualquer forma em cima da La U, é um adversário que tem uma transição muito rápida, que joga muito no contra-ataque, mas também a gente não pode esperar o tempo todo. O Cruzeiro é muito grande para só respeitá-los. Tenho certeza que vai ser um jogo franco, um jogo aberto”, conclui o lateral-direito Edílson.

Fonte: O Tempo / Foto: Moisés Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *