Chuva de gols perdidos e grandes defesas- Boa Esporte empata com Luverdense em Varginha

Maqueiro passou mal durante partida e foi encaminhado à UPA; jogo precisou ser paralisado pela arbitragem até que ambulância retornasse ao estádio

Noite fria e chuva de gols perdidos. Foi esse o resumo da noite dos poucos torcedores que compareceram ao Estádio Municipal, em Varginha, nesta segunda-feira (5). O Boa Esporte recebeu o Luverdense em partida de ‘6 pontos’ pela Série C do Brasileiro, mas que terminou empatada em 0x0 e valeu apenas 1 ponto para cada lado.

O Boa Esporte até tentou na primeira etapa, mas parou na falta de sorte e no goleiro adversário. Atrás, Renan Rocha fez defesas incríveis e fechou o gol. No segundo tempo, desesperadas para se distanciar do rebaixamento, as equipes esfriaram a partida e o placar zerado permaneceu até o fim. O Boa ainda teve um jogador expulso na etapa final.

Destaque da partida, o goleiro Renan Rocha fez defesas importantes que salvaram a equipe. Em entrevista exclusiva ao CSul, Renan disse que o Boa fez um bom jogo, faltou aproveitar as oportunidades criadas. “Somos uma equipe, fico triste pelo resultado, pois tivemos chance de vencer a partida, mas feliz em poder ter ajudado a equipe a conquistar um ponto importantíssimo contra um adversário direto”, disse o goleiro.

Para o goleiro, “podíamos ter aberto o placar ainda na primeira etapa e ter matado o jogo ainda no primeiro tempo, acredito que com a expulsão perdemos força ofensiva, mas ainda assim tivemos chance de ter a vitória nos contra ataques. Se vencêssemos eles, estaríamos praticamente livres do rebaixamento e poderíamos sonhar com uma classificação, com esse resultado temos de primeiro pensar em vencer o próximo jogo pra acabar com as chances de cair, para classificar precisamos de uma combinação de resultados, e um sonho bem distante”, completou.

O Boa ficou na 8ª colocação com 16 pontos, três a mais que o Luverdense em 9º. Na próxima rodada, o Boa recebe o vice-líder São José-RS no Melão, no domingo, (11), ás 16h.

O jogo

O Boa Esporte começou a partida bem, explorando os lados de campo e buscando o ataque. Mostrando superioridade desde o início, os donos da casa tiveram chance de abrir o placar. A primeira foi logo aos 5 minutos, quando Kaio Cristian recebeu na intermediária e bateu cruzado, meio sem ângulo, mas Edson caiu para fazer grande defesa. Aos 10′, Kaio Cristian levantou na área, a bola chegou em Edimar, que completou e acertou a trave. Na primeira chegada dos visitantes, aos 16′, Igor invadiu a área e tentou o cruzamento, o zagueiro Edimar errou o corte e mandou contra o próprio gol, exigindo ótima defesa de Renan Rocha. Aos 22, Raphael Luz cruzou na área, Gustavo chegou cabeceando bem, mas o goleiro do Luverdense voou para mandar para escanteio. Gustavo ainda perdeu outra grande chance ao mandar a bola por cima do gol aberto.

Na segunda etapa, logo no primeiro minuto, o Boa Esporte chegou com Kaio Cristian cruzando na medida para Gustavo, que cabeceou forte, mas Édson manou para escanteio. O Boa caiu de produção e não mostrada força de vontade para vencer a partida. Aos 14 minutos, Chiquinho Alagoano recebeu o cartão vermelho direto do árbitro Leo Simão Holanda, por falta dura. A torcida pegava no pé do juiz quando um maqueiro passou mal na beira do gramado e precisou de atendimento. A partida então teve que ser paralisada por alguns minutos. Quando voltou, o Luverdense mostrou que com um a mais buscaria a vitória. Helder avançou com liberdade, abriu espaço pelo meio e soltou um canudo, mas o goleiro do Boa subiu no terceiro andar para mandar para escanteio. Aos 28′ o jogo foi paralisado novamente pois a ambulância precisou sair do estádio para levar o maqueiro e sem o veículo a partida não poderia acontecer. Aos 46′ minutos a bola voltou a rolar. Daí em diante o Boa mostrada falta de eficiência na marcação, se recuou ao campo de defesa e deixou que o time adversário tomasse conta do jogo. Aos 63′, Tozin soltou a bomba da entrada da área, mas Renan Rocha mais uma vez fez a defesa. Evandro ainda mandou a bola no travessão e Tozin mandou para fora o rebote. 0x0 e chuva de vaias nas arquibancadas.

Maqueiro socorrido

Quando o maqueiro passou mal aos 17 minutos do segundo tempo, a partida foi paralisada para atendimento. De imediato os policiais do tático móvel, que faziam a segurança da partida em campo, prestaram os primeiros socorros à vítima, até a chegada da ambulância que estava do outro lado do gramado e precisou ser alertada pelo árbitro com o apito, que encaminhou o homem até a UPA (Unidade de Pronto Atendimento), onde ele permaneceu sob cuidados médicos.

A primeira paralisação, para ele ser atendido, durou pouco mais de seis minutos. A segunda, até que a ambulância deixasse o estádio e retornasse, outros 18 minutos.

Fotos

Redação CSul – Iago Almeida / Fotos: Ana Luísa Alves/CSul

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *