Melhores livros de 2017: de samba, futebol de várzea a heroínas negras

O EL PAÍS perguntou a três críticos e curadores com formações e atuações diferentes no mercado cultural brasileiro quais foram os cinco melhores lançamentos de 2017. A lista, que não se limita a literatura, forma um panorama amplo que abarca títulos de autores consagrados até os menos conhecidos. Há espaço para as grandes editoras e também para as pequenas e médias. A seguir, as indicações e uma breve apresentação de quem as escolheu.

Manuel da Costa Pinto é jornalista, colunista do jornal Folha de S. Paulo, mestre em teoria literária e literatura comparada pela USP e foi um dos fundadores da revista Cult.

  • A Noite da Espera, de Milton Hatoum (Companhia das Letras). Na primeira parte da trilogia O Lugar Mais Sombrio, o renomado autor conta a história de Martim, um jovem que vive em Brasília o início da ditadura militar brasileira.
  • Noite Dentro da Noite, de Joca Reiner Terron (Companhia das Letras). O novo romance do autor conta a história familiar de um garoto de 11 anos que, depois de sofrer um trauma, perde suas memórias e esquece quem é.
  • O Livro da Imitação e do Esquecimento, de Luis Krausz (Benvirá). Novo romance do professor de literatura hebraica e judaica da Universidade São Paulo, fala sobre Manfred Braunfels, um historiador que está empenhado em publicar uma pesquisa sobre escravos na Palestina durante o domínio romano.
  • Adeus, Cavalo, de Nuno Ramos (Iluminuras). Novo livro do escritor e artista plástico, fala sobre o papel do artista em um texto híbrido que fica entre o conto e a dramaturgia.
  • Uma História do Samba (Vol. 1), de Lira Neto (Companhia das Letras). Novo livro do autor de uma aclamada biografia de Getúlio Vargas é a primeira parte de uma trilogia que pretende contar a história do samba no Brasil.

Josélia Aguiar é jornalista cultural, historiadora e atual curadora da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip). Na edição atual do evento, trouxe mais diversidade para a programação ao equiparar o número de autores homens e mulheres convidados para os debates, além de dar mais destaque para a literatura produzida por escritores negros.

  • Ode a Mauro Shampoo e Outras Histórias da Várzea, de Luiz Antonio Simas (Morula). Shampoo foi o centroavante do pior time de futebol do mundo, o Ibis. E isso basta para saber do que se trata o livro de Simas: um corolário aos vencidos e perdedores do esporte mais amado do país.
  • Lima Barreto – Triste Visionário, de Lilia Moritz Schwarcz (Companhia das Letras). A biografia do autor homenageado na Festa Literária Internacional de Paraty veio para colocar luz em uma faceta pouco explorada de sua obra: a luta de Lima Barreto contra o racismo e a escravidão
  • O Martelo, de Aledaide Ivánova (Garupa). Terceiro livro de poesia da jornalista, tradutora e fotógrafa que nasceu no Recife, Pernambuco, em 1982. Os textos tratam de machismo, estupro e da liberdade sexual feminina.
  • Como se Fosse a Casa: Uma Correspondência, de Ana Martins Marques e Eduardo Jorge (Relicário). O livro se constrói a partir de poesias trocadas como forma de correspondência entre os autores. Ela escrevia de Belo Horizonte no apartamento de Jorge, enquanto ele viajava pela França.
  • qvasi, de Eduardo de Almeida Pereira (Editora 34). Com vários livros publicados, o autor reúne no último lançamento os principais pontos de sua pesquisa poética: literatura, antropologia, cultura popular e religiosidade.

Ketty Valencio é bibliotecária, gestora cultural e tem uma pesquisa acadêmica sobre gênero e diversidade sexual. No começo de dezembro, Valencio abriu um espaço físico de sua Livraria Africanidades, dedicada exclusivamente à literatura feita por mulheres negras.

  • Heroínas Negras Brasileiras em 15 Cordéis, de Jarid Arraes (Polén). Através de cordéis, o livro conta a história de 15 mulheres negras brasileiras, como as escritoras Maria Carolina de Jesus, de Quarto de Despejo, e Maria Firmina dos Reis, autora do primeiro romance abolicionista do Brasil.
  • Tudo Nela Brilha e Queima: Poemas de Luta e Amor, de Ryane Leão (Planeta). Livro de estreia da autora de Cuiabá traz poesias que dão enfoque ao ambiente urbano e o cotidiano de lutas e opressões de mulheres negras.
  • O Punho Fechado no Fio da Navalha, de Patrícia Naia (Castanha Mecânica). Primeiro livro de poesia da escritora fala sobre suas vivências em Recife e foi lançado pela editora artesanal Castanha Mecânica.
  • De Lágrimas, Revides e Futuros, de Vagner Souza (Edições Incendiárias). Livro de estreia de poesias do autor que participa do Sarau Poesia na Brasa, na Vila Brasilândia, periferia na zona Norte de São Paulo.
  • Antologia Jovem Afro (Quilombhoje Literatura). Quatorze autores integram essa coletânea de jovens escritores negros entre 18 e 24 anos. O lançamento, em outubro, aconteceu em ocasião do Dia da Consciência Negra.

Fonte: El País / Foto:  LUIS SEVILLANO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.