Liniker remonta estruturas

Há dois anos, quando apareceu para o cenário nacional com o lançamento do EP “Cru”, Liniker ainda atendia por ele, mas hoje faz questão de ser chamada no feminino. E essa não é a única mudança que o tempo exerceu sobre a cantora. Nesta quinta-feira (13), ela apresenta em Belo Horizonte, ao lado da banda Caramelows, o repertório do disco “Remonta”, lançado no ano passado e que nasceu, justamente, “da remontagem das três faixas do primeiro disco, que receberam novas roupagens, acrescidas de outras composições”, explica.

Assim como o visual da artista ganhou em brincos, colares, vestidos, batons, sem falar nos cabelos que se tornaram mais longos, a nova roupa das músicas explicita “o que sempre esteve dentro delas”. “A gente não tinha nenhum recurso para fazer o EP ‘Cru’. Gravamos na sala do (William) Zaha, nosso guitarrista. Mas foi um momento de muita entrega e verdade por parte de todos os integrantes, por isso comunicou e chegou às pessoas. Já o disco ‘Remonta’ foi feito com a ajuda dos nossos fãs. Fizemos um financiamento coletivo na internet e pudemos realizar o trabalho com outras possibilidades”, compara a artista.

Entre esses diferenciais está a produção de Marcio Arantes, autor da canção “Reclame”, que também esteve presente no terceiro álbum de estúdio da cantora Tulipa Ruiz. Ela, aliás, está entre as participações especiais de “Remonta” ao lado de As Bahias, Marcelo Jeneci e Cozinha Mineira.

Para Liniker “essa troca e interatividade entre os músicos da nossa geração é fundamental”. “O saber conviver coletivo é muito importante, precisamos retomar esses valores em tempos tão tomados pelo individualismo egoísta. Tem muita coisa boa acontecendo na música brasileira e as plataformas digitais ajudam muito. De certa maneira, o acesso das pessoas fica mais democrático”, garante.

Representatividade. Todas as 12 músicas que compõem o álbum têm letras de Liniker e melodias pensadas em conjunto pela banda – Rafael Barone (baixo), William Zaharanszki (guitarra), Pericles Zuanon (bateria), Márcio Bortoloti (trompete) e Renata Éssis (backing vocal). Além delas, algumas novidades estão no roteiro do show, como é o caso da canção “Pra Ela”. “Essa é uma faixa que escrevi para uma mulher muito importante na minha vida, que me diz desde pequena que eu sou maravilhosa do jeito que eu sou. É uma música para uma mulher preta. É uma música para a minha mãe”, salienta Liniker.

A questão da representatividade e a presença de mulheres fortes também foi uma premissa do novo álbum, e marcou decisivamente as escolhas feitas para “Remonta”. Um dos exemplos é a faixa “BoxOkê”, gravada em parceria com a rapper paulista Tássia Reis e a banda instrumental Aeromoças e Tenistas Russas. Além de rodar o país, Liniker “pretende levar o trabalho para uma turnê internacional” e não descarta um DVD”.

Show. Liniker e os Caramelows mostram repertório do álbum “Remonta” nesta quinta-feira, às 21h, no Grande Teatro do Sesc Palladium
Show. Liniker e os Caramelows mostram repertório do álbum “Remonta” nesta quinta-feira, às 21h, no Grande Teatro do Sesc Palladium

Participações

Faixa 4 – “Prendedor de Varal”, com Xênia França
Faixa 5 – “Tua”, com Tássia Reis
Faixa 8 – “Sem nome, mas com endereço”, com Marcelo Jeneci
Faixa 13 – “Ralador de Pia”, com Tulipa Ruiz e Assucena Assucena

 

Se, no EP de estreia, as mais de 4 milhões de visualizações chamaram a atenção da crítica para o disco “Cru”, em “Remonta” foi a crítica que se antecipou ao público na hora de destacar as qualidades. Crítico da revista “Rolling Stone Brasil”, Gabriel Nunes escreveu que “‘Remonta’ é álbum intenso com influências do soul, do funk e do R&B norte-americano, afastando-se do lado mais suave da MPB radiofônica”. Já o jornalista Mauro Ferreira diagnosticou em seu blog que o disco “tem cacife para fazer a banda transcender o hype passageiro em torno da singular figura andrógina do líder do grupo”. O soul de Liniker tem alma”, considerou.

Inspiração. Liniker explica que “as músicas de ‘Remonta’ são cartas”. “Escrevi e não entreguei. Falam bastante de amor, de coisas que vivi. Muitas são lembranças, não são mais sentimentos atuais, mas fazem parte do que sou, do que passei. A gente está sempre em transformação”, ratifica. Influência notória, Tim Maia tem versos da canção “Chocolate” citados em “Prendedor de Varal”.

Depois de despontar para o estrelato, a compositora aproveita o sucesso do momento para marcar posição em questões que lhe são caras, tanto com sua presença na cena quanto com músicas que versam sobre temas semelhantes, mas não se esquece do caminho que a trouxe até aqui. “Cresci vendo meus tios em roda de samba e minha mãe dançava samba rock. Estudei teatro na Escola Livre de Teatro de Santo André, onde fiquei até me reunir ao projeto musical com os Caramelows. Eu sempre fui ligada à arte. Devo muito a todas essas pessoas”, afiança Liniker.

Luto. Infelizmente, a realização do disco sofreu com momento de extrema tristeza para todos os integrantes. Em junho de 2016, Bárbara Rosa, backing vocal do conjunto, faleceu aos 21 anos, vítima de um câncer. Na contracapa de “Remonta”, uma dedicatória assinada por todos em homenagem à cantora a define como “a que tá ligada que é linda”. “E sempre soube que é Fênix”, completa o texto. Bárbara acompanhou a banda nas turnês de 2015 e 2016 do EP “Cru”, mas não chegou a participar das gravações de “Remonta”, iniciada no segundo semestre do ano passado. (RV)

 

AGENDA

O quê. Show “Remonta” com Liniker e os Caramelows
Quando. Nesta quinta-feira (13), às 21h
Onde. Sesc Palladium (Rua Rio de Janeiro, 1.046, Centro)
Quanto. R$ 35 (meia) a R$ 80 (inteira)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *