Artigo Juarez Alvarenga – Os caminhos da modernidade

A prioridade da produtividade do trabalhador brasileiro precisa de uma sacudida evolutiva, acima dos patamares atuais, refletindo no lucro e na política salarial.

         Desde das corporações de ofício a linha ascendente do processo evolutivo da produtividade do trabalhador do brasileiro é ínfima.

         Não se corrige  as distorções sem passado. O pretérito, sem investimento no ser humano, camuflou a explosão de uma politica salarial convincente.

         Já que não temos passado, e, por isso está lastima imediatista,  é preciso acordar, para o presente, pois só assim construiremos  um Brasil mais igualitário e cheio de equidade.

         Determinada região do território brasileiro, tem produtividade da África subsaariana, criando uma vergonha, para contemporaneidade.

         Não se aceita mais na modernidade o homem permanecer no seu primitivismo existencial. O homem, tosco, é um desajuste, para o habitat do progresso. O homem moderno, deve ser lapidado pela sociedade e pelo estado, sendo um agente transformador de sua própria história. Para isso, é necessário sindicatos fortes e educação massificada. A massificação é instrumento potente, que contém mais velozmente, a desigualdade econômica.

         Não é só interessante para o trabalhador o sindicato fortem e sim, para sociedade como um todo, envolvendo a classe patronal. Uma classe trabalhadora forte é sinônima  de uma produtividade robusta, aumentando a politica salarial, e consequentemente, aumentando o lucro dos agentes produtores.

         A burguesia nunca na sua história humana, dará dadiva, para classe trabalhadora, mesmo porque, a manutenção de seu patrimônio se dá através de suor. Ela não preocupa, nem mesmo com seus descendentes familiares, se irão deteriorar o patrimônio. Muito menos com um estranho. Então, o que lhe resta é aumento de barganha do trabalhador. A única politica salarial, mais recompensadora, para o trabalhador. Isso só acontece em regime democrático, com a classe trabalhadora sendo protagonista do processo, juntamente com a classe produtora, formando uma simbiose de reciprocidade e sucesso.

         Onde todo o mundo seja forte não há lugar, para fragilidades.

         O Brasil organizado é como uma maré alta levanta todos os tamanhos de barcos.

         Da fortaleza, sairá o processo evolutivo de aumento de produtividade,  beneficiando a sociedade como um  todo. Para isso, devemos conter a luta de classe, porém liberar o conflito de interesses legalizado.

         Não temer a luta entre empresários e trabalhadores ambos fortes, é a mais destemida estratégia, para os novos caminhos da modernidade.

Juarez Alvarenga
Advogado e escritos
Rua Antônio B. Figueiredo, 29
Coqueiral-MG
CEP: 37235-000
Telefone: (35) 99176-9329
E-mail: juarezalvarengacru@gmail.com

 

Foto: Reprodução site https://pixabay.com/pt/photos/tecnologia-processador-modernidade-2818664/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *