Artigo de Juarez Alvarenga – Aristocracia Operária

Uma análise imparcial da sociedade percebe, infelizmente que a natureza é aristocrática. Mas, felizmente o talento não tem classe social. Existem aqueles alicerçados de oportunidades e aqueles com talento, porém sem capital.Cabe ao governo uma política que sirva de andaime, para que estes talentosos possam apoiar. O andaime natural geralmente é a família. Ela que investe nos seus descendentes criando oportunidades para que seus protagonistas evoluam. Qualquer ascensão depende de preparação e de tempo. E, isto gera uma fase improdutiva.

A mudança na pirâmide social é lenta. Chegar ao ápice, instantaneamente, só com premio de loteria. Na realidade exigem trabalho, oportunidades e ambições

VERIFICAMOS, INFILTRADOS NUMA ANALISE SURREALISTA, QUE OS QUE TÊM A MESMA OPORTUNIDADE NÃO TEM O MESMOS RESULTADOS. Retratando uma experiência individual, a oportunidade que tive no mundo jurídico, apesar de família pobre, era hoje para eu ser ministro. Ao caso que meu conterrâneo Ademar, que não teve oportunidade, mas soube criar e desviar das adversidades financeiras, passou no primeiro lugar no concurso de promotor.

Esta verticalização natural fez criar leis também verticalizadas.

Fazer apologia do egoísmo econômico humano é menos ruim, porque cria no individuo uma ambição que poderá transformar em  êxito financeiro.

É utópica a interferência estatal na tentativa de neutralizar o apetite financeiro humano. A prova disto são as efemeridades do socialismo real.

Acreditamos que 50% da pobreza no Brasil, tem como ser combatido com sucesso. Esta aristocracia operária com o andaime estatal poderá libertar da pobreza e outros 50%, infelizmente, tem que viver com solidariedade e caridade estatal. Não responde a reciprocidade e oportunidade dada.

O governo criando oportunidades e encontrando correspondência do individuo, a oportunidade oferecida, achamos que com prazo relativamente curto poderá criar vida digna para pelo menos 50% da pobreza hoje existente no país.

O QUE QUESTIONAMOS SE É VIÁVEL UM SOCIALISMO DE ESTADO COM UMA MECÂNICA CAPITALISTA. Seria a China o paradigma?

O processo produtivo é mais eficiente no capitalismo. No socialismo há entraves substanciais, no crescimento econômico, devido à paralisia estatal por falta de motivação. Mas, é também real que há uma desproporcional concentração de rendas. Achamos que o desnível, por cima, é melhor do que a tentativa de nivelar por baixo.

Saber fazer da política social um empreendimento humano eficiente é tarefa estatal. O enfrentamento da realidade com métodos também  é capaz de fortalecer o individuo.

As acrobacias teóricas longe do realismo do pragmatismo servem para nós intelectuais de deleite.

A natureza humana, guiada com inteligência, mesmo que imperfeita poderá produzir frutos satisfatório.

Talvez, seja eu um membro desta aristocracia operária com ascensão social relativa que pude perceber que a vida não é um fato consumado. E, que evolução é possível sim, deste que agimos em parceria com estado, disposto a nos sacrificar, dentro da realidade cotidiana.

Juarez Alvarenga
Advogado e escritor
Rua Antônio B. Figueiredo, 29
Coqueiral-MG
CEP: 37235-000
Telefone: (35) 99176-9329

Foto destaque: GNT Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.