Aos 9 anos, ‘youtuber mirim’ de MG coleciona fãs com conteúdo infantil


a_4_1

a2Júlia Silva tem 9 anos de idade e já coleciona uma legião de fãs. Nas cinco páginas em redes sociais que administra – duas delas apenas com vídeos -, a moradora de Itajubá, recebe milhares de postagens de diversos estados e de mais de 50 países. Júlia é considerada hoje a maior youtuber mirim do Brasil, com visualizações que superam a marca dos 100 milhões.

“Eu fico maluquinha com ela”, conta Ana Luiza de Lima Valle, de 6 anos. Há um ano a menina encontrou na youtuber uma nova amiga. Juntas, ainda que virtualmente, as duas conversam e trocam ideias sobre o universo de que mais gostam: bonecas.

Sarita Pinto de Lima Valle se diverte. Conta que Ana, sua única filha, descobriu o mundo de Júlia Silva há um ano. “Ela sempre está buscando coisas na internet e hoje nós assistimos a Júlia todo dia na hora do almoço”, conta. “Ela sempre fica conversando baixinho. Eu falo: ‘o que você está falando, Aninha?’ Ela diz que está falando com o ‘pessoal'”, ri, fazendo referência ao tradicional ‘oi, pessoal’ com que a estrela mirim costuma saudar os internautas.

Vida de internauta
Há três anos, Júlia foi parar na internet. Brinquedos, moda e rotinas de sua vida de criança são os assuntos principais dos vídeos. Mas a ideia das gravações surgiu por uma questão familiar. Fazer as imagens foi o jeito que ela e a mãe, Paula Queiroz, encontraram para ficarem mais próximas de Dreyfus Silva, que foi a trabalho para a França e ficou nove meses longe da esposa e da filha.

“Eu fiquei longe dele e estava longe de um pedaço da minha família”, lembra Júlia, na época também de mudança de São José dos Campos (SP), onde nasceu, para o Sul de Minas. “Comecei a gravar alguns vídeos com a minha mãe para o meu pai assistir e a minha mãe já deixou público para a minha família.”

Segundo Paula, no início, as duas faziam brincadeiras, artesanato e reciclagem. “Depois eu comecei a filmar o que ela queria dizer, montando o cenário dos vídeos, e isso tudo aproximou ainda mais a gente”, observa.

Sucesso de público
a_4Desde os primeiros vídeos publicados na web, a então menina de 6 anos começou a conquistar público. O canal particular na internet alcançou 100 mil inscritos entre 2012 e 2014, saltando para mais de 400 mil em 2015. “Não dava para imaginar na época que seria o que se tornou hoje”, diz a mãe.

Além de estar nas mais populares redes sociais, Júlia tem site próprio e até fã-clube oficial. O segundo canal de vídeos que criou se chama Júlia Silva TV, onde posta todos os sábados. Centenas de brinquedos são enviados por fabricantes para testes ou como brindes e presentes de admiradores de todo o país chegam por meio de uma caixa postal disponibilizada para o público.

Entre uma brincadeira e outra, Júlia agradece com desenvoltura e carinho cada mimo recebido. Apresenta suas maquiagens, as novidades do seu quarto, seus hobbys de menina. Cria histórias em frente à câmera do celular, gerando imagens muitas vezes gravadas e editadas por ela mesma. Os internautas vão às alturas.

“Ela é linda. Quero um autógrafo da Júlia Silva. Quero ter um canal da internet como o dela”, dizia uma menina na fila do primeiro encontro realizado pela youtuber no Sul de Minas. No início do mês, ela passou pelo shopping de Pouso Alegre, deixando uma fila de pequenos seguidores com presentes nas mãos, ansiosos por um simples ‘olá’.

Os pais se revezavam em meio à tietagem – tudo para registrar o encontro dos filhos com a menina da internet. Sarita e o marido, Ideberto Valle Júnior, saíram de Borda da Mata, para acompanhar a fã Ana Luiza. Taís Cancella Alves e Maria Luiza Alves Ribeiro, ambas de 9 anos de idade, também conseguiram fazer com que as mães as levassem para o encontro.

a5“Ela conversou comigo e agradeceu meu presente”, contou Taís. “Eu gosto muito dela. Eu sempre procuro coisas pelas internet e achei os vídeos dela há um ano, então comecei a assistir”, relata Maria Luiza.

Tanta exposição começou a render trabalhos para Júlia. No início do ano, ela se tornou garota propaganda para uma famosa marca de bonecas. No entanto, de acordo com a mãe, a youtuber não é remunerada para falar dos brinquedos na internet ou para ir aos encontros com os internautas. Quando o local do encontro é oferecido por alguma empresa, em geral apenas as despesas com a viagem são custeadas pelo anfitrião.

“O encontrinho é uma maneira de conhecer quem me assiste, ficar mais próxima, conversar. Eu gosto bastante disso, eu acho muito legal”, garante Júlia.

Para Dreyfus, que entrou no passatempo da filha como inspiração e atualmente aparece brincando com ela em alguns vídeos, a visibilidade da criança preocupa e anima ao mesmo tempo. “A gente filtra o que ela coloca na internet, porque não pode expor demais a vida dela”, avalia. “Mas, na verdade, ela brinca com as bonecas dela, filma e coloca na internet. É isso o que ela gosta de fazer. No final, é uma grande brincadeira.”

a6

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *