Prefeitura diz que aplicativo de transporte alternativo é irregular em Poços de Caldas

O serviço que oferece transporte por meio de um aplicativo está com quase 15 dias em funcionamento em Poços de Caldas (MG). Desde que passou a vigorar, no dia 12 de maio, a startup WillGo tem gerado polêmica na cidade. De um lado, classe de taxistas e prefeitura alegam que o serviço é irregular e clandestino. De outro, dono da franquia mostra números e diz que serviço é sucesso.

Diante da repercussão, um requerimento, já aprovado no plenário da Câmara Legislativa, elaborado pelo vereador Paulo Eustáquio (PMDB) foi entregue para a prefeitura. No documento o parlamentar questiona o funcionamento da startup no município.

Serviço de transporte alternativo tem gerado polêmica em Poços de Caldas (MG) (Foto: Lúcia Ribeiro)
Serviço de transporte alternativo tem gerado polêmica em Poços de Caldas (Foto: Lúcia Ribeiro)

“O pedido faz parte da função do vereador, que é a de fiscalizar. Queremos saber se foi protocolada alguma intenção de funcionamento junto à prefeitura, se eles têm alvará de funcionamento e de onde veio a permissão para atuar na cidade. Sabemos que têm os táxis regularizados que pagam as taxas em dia e pelo que sabemos o serviço do aplicativo não é reconhecido no Brasil”, disse o vereador Paulo Eustáquio.

Ainda segundo o vereador, o questionamento surgiu após a reclamação de vários taxistas. Situação confirmada pela classe. De acordo com o presidente da Cooperativa dos Taxistas de Poços de Caldas, Benedito Volnei Gonçalves, a concorrência não é legal.

“A maneira como ele está em funcionamento é uma concorrência desleal. Simplesmente reuniram um grupo de interessados e começaram a atuar na cidade, sem comunicar nenhum órgão responsável”, disse Gonçalves.

Serviço de transporte oferecido por aplicativo completa quase duas semanas de funcionamento em Poços de Caldas (MG)  (Foto: Montagem/G1 Sul de Minas)

Serviço de transporte oferecido por aplicativo completa quase duas semanas de funcionamento em Poços de Caldas (MG)  (Foto: Montagem/G1 Sul de Minas)
Serviço de transporte oferecido por aplicativo completa quase duas semanas de funcionamento em Poços de Caldas (Foto: Montagem/G1 Sul de Minas)

Ainda segundo o presidente da cooperativa, muitas pessoas que tentaram usar a plataforma do transporte alternativo alegaram dificuldade. Situação que segundo ele não acontece com os pouco mais de 120 táxis à disposição na cidade.

“O retorno que a gente tem é que o serviço está deixando a desejar. Eles falam do valor mais em conta, mas não pagam as taxas que nós, taxistas, pagamos. O complicado é que não há lei proibindo e nem lei permitindo essa prática. Nós também queremos um posicionamento, porque felizmente a nossa clientela fiel não vai nos trocar, porque já conhecem nossos procedimentos com os veículos, com a segurança dos nossos clientes. Sem contar que eles não pagam impostos e isso, além de ilegal pode oferecer falta de segurança”, completou.

Procurada pelos representantes dos taxistas e, com o documento do Legislativo em mãos, Marcos Tadeu Sala Sansão, secretário de Defesa Social, órgão que gerencia o Departamento Municipal de Trânsito, o Detran, afirmou que enquanto o serviço de transporte alternativo não for regularizado diante do Congresso Nacional, em Brasília, a fiscalização será mantida no município.

Taxistas alegam que serviço de transporte alternativo é ilegal em Poços de Caldas (MG) (Foto: Lúcia Ribeiro)
Taxistas alegam que serviço de transporte alternativo é ilegal em Poços de Caldas (Foto: Lúcia Ribeiro)

“No Brasil, tudo começou com o Uber. O que acontece é que o projeto para implantação desse aplicativo, semelhante ao que está funcionando em Poços, já estava sendo votado no Congresso, mas agora pelo jeito está tudo parado. Com isso, estamos incluindo o serviço deste aplicativo que começou a funcionar aqui na cidade como clandestino, justamente pela falta de regulamentação nacional e municipal”, disse Sansão.

Ainda segundo ele, o órgão fiscalizador deve pedir a ajuda dos taxistas para ajudar com a fiscalização. “Vamos conversar com os taxistas para que ele nos ajudem a localizar quem está atuando como motorista do aplicativo. Esse serviço será autuado assim como as vans e moto táxis que atuam clandestinamente na cidade. Mas precisamos da ajuda da classe, até que a situação seja ou não regularizada”, explicou o secretário.

Presidente do Sindicato dos Taxistas de Poços de Caldas (MG) garante que serviço é ilegal (Foto: Reprodução EPTV/Michel Diogo)
Presidente do Sindicato dos Taxistas de Poços de Caldas garante que serviço é ilegal (Foto: Reprodução EPTV/Michel Diogo)

Já o presidente do Sindicato dos Taxistas da cidade, Ivair José Gonçalves, afirmou que a medida é válida, mas que nem mesmo eles estão conseguindo reconhecer os carros utilizados para o transporte alternativo. “É difícil reconhecer o carro, porque o carro não tem nenhum emblema, não tem nada que caracterize. É complicado. Alguns motoristas queriam agir com violência, mas eu orientei que isso não fosse feito, porque violência gera violência”, alegou Gonçalves.

Comparativo

Tarifas cobradas por táxi convencional:

  • R$ 6,32 tarifa / Bandeira 1: R$ 3,78 / Bandeira 2: R$ 5,05

Tarifas cobradas pelo aplicativo:

  • R$ 1,61 por km rodado / R$ 0,32 por minuto

Franqueado

Na contramão da polêmica, o dono da franquia, Renato Tauiul, garante que a cada dia o serviço é ainda mais procurado na cidade. “Super positivo uma vez que nem propaganda eu fiz ainda. Ainda, estamos com uns probleminhas com a internet, o que está inviabilizando o uso em andróides e somente o sistema iOS está ativo para os motoristas. Estamos apenas com cinco motoristas, mas até o dia 30 tudo estará funcionando”, disse Tauiul.

Ainda segundo o dono da franquia, os números mostram que o aplicativo já está conquistando os usuários. “Em média são feitas de 30 a 40 corridas por dia. Já o número de pessoas que estão acessando só para ver como funciona, os chamados curiosos, são 150 em um só dia. Sem contar os preços, já fizemos corrida de R$ 7. Mas na média tem sido de R$ 11 a R$ 34, valores bem abaixo das tarifas cobradas em táxis”, completou.

Dono da franquia garante que em breve mais motoristas serão cadastrados em Poços de Caldas (MG) (Foto: Reprodução EPTV)
Dono da franquia garante que em breve mais motoristas serão cadastrados em Poços de Caldas (Foto: Reprodução EPTV)

Quem já testou

Quem já testou o aplicativo, como é o caso do publicitário Juliano Silva acredita que o serviço veio para ficar.

“A demanda pode ser menor no início, porém com o tempo as pessoas vão se acostumando. Também acredito que esses aplicativos chegam para colaborar com o transporte do munícipio, disponibilizando mais uma opção. A concorrência existe em todos os mercados e quem ganha com isso somos nós, consumidores. O mundo vive em constante mudança e, por isso, é necessário que as pessoas se adequem aos novos dias”.

Ele conta que a primeira vez que tentou usar, deu erro, mas que mesmo assim ele insistiu no serviço.

“Tentei usar o aplicativo pela primeira vez no dia 13 de maio, porém a chamada não foi atendida por nenhum motorista. Depois, durante a semana, tive a minha solicitação atendida e a experiência foi bem bacana. Paguei R$ 12,33 pelo trajeto que antes eu pagava de R$ 25 a R$ 30 (táxi tradicional). Além da economia, o pagamento é via cartão de crédito. Em Poços, tenho dificuldade de encontrar táxis que aceitam cartões”, finalizou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *