Poços de Caldas: Casos de adolescentes envolvidos com drogas cresce 25%

O número de adolescentes envolvidos com drogas preocupa autoridades em Poços de Caldas (MG). Os casos têm sido cada vez mais frequentes  e o número aumentou em quase 25% nos últimos dois anos.

O número de flagrantes de adolescentes vendendo drogas cresceu na cidade. Em 2015 foram 177 ocorrências, já em 2016 foram registradas mais de 220 casos. A polícia reconhece que em muitos casos há envolvimento de adultos que acabam transferindo a responsabilidade dos crimes para os menores.

“Não significa dizer então, que o maior ele não será responsabilizado, muito pelo contrário. No dia a dia, o que a gente percebe é que ele é responsabilizado também, até agravando a pena dele com relação ao crime cometido em razão da presença do adolescente infrator”, explicou Bráulio Stivanin Júnior, chefe do 18° Departamento de Polícia Civil.

Além disso, há outro ponto, como o Sul de Minas, não conta com um centro de recuperação de menores, eles são levados para a delegacia onde são ouvidos e depois acabam soltos.

“Esses casos, eles são colocados, não de lado, mas eles não são priorizados e aqueles casos onde há violência ou grave ameaça são priorizados para a questão da internação”, completou Júnior.

“Há sim punição, há sim providências policiais. O menor apreendido é conduzido a autoridades no judiciário e só é liberado mediante a presença do pai ou responsável”, disse o tenente da Polícia Militar, Samuel Mendes.

Em Poços de Caldas polícia registrou mais de 220 ocorrências envolvendo menores (Foto: Reprodução EPTV)
Em Poços de Caldas polícia registrou mais de 220 ocorrências envolvendo menores (Foto: Reprodução EPTV)

Quando não há a internação, cabe à Justiça indicar medidas socioeducativas, como um serviço de proteção que funciona no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), que acompanha esses menores. Existem duas medidas que podem ser aplicadas nestes casos, como a liberdade assistida, com acompanhamento de profissionais, e a prestação de serviços comunitários.

“A gente tem parceria com várias instituições da cidade, são todas sem fins lucrativos. Pode variar até seis meses de cumprimento de prestação de serviço comunitário, sendo duas horas por semana até oito horas”, disse a psicóloga Suelen Bravo Machado.

Em 2016, o serviço atendeu mais de 200 adolescentes, sendo quase 40 mulheres e ao menos 160 homens infratores, a maioria envolvida com drogas. Problema que, para a psicóloga,  muitas vezes surge no próprio ambiente familiar.

“Acaba que eles ficam tanto tempo naquele ambiente que ele não tem acesso a todos. Então, é por isso que a gente trabalha muito a questão da interação social e a possibilidade de outros ambientes para esses meninos”, explicou a psicóloga.

Usuários e vendedores de crack ficam no pátio da Igreja de São Benedito (Foto: Reprodução EPTV)
Usuários e vendedores de crack ficam no pátio da Igreja de São Benedito (Foto: Reprodução EPTV)

Alguns casos
Em março do ano passado, a EPTV Sul de Minas mostrou com exclusividade que o pátio de uma igreja na cidade era frequentado por usuários de drogas. As imagens mostravam pessoas usando crack em plena luz do dia. Adolescentes e, até um garoto que aparentava ter 12 anos, ficavam perto das pessoas que consumiam a droga. Em abril, um adolescente de 15 anos foi apreendido depois de receber cocaína pelos Correios, a droga veio do Acre. Já em setembro, oito adolescentes serem apreendidos com maconha, crack e cocaína.

Fonte: G1 Sul de Minas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *